Obediência Moral ou Intelectual?


Em que se firma a nossa fé – parte 2

Que tipo de obediência você acha que agrada a Deus: a moral ou a intelectual? Conhecer a Deus é tudo? É. Mas, o que seria esse conhecer a Deus? Está no plano intelectual a base da nossa salvação?

Em Deuteronômio 30:15-18 encontramos: 

'Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal; se guardares o mandamento que hoje te ordeno, que ames o SENHOR, teu Deus, andes nos seus caminhos, e guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, então, viverás e te multiplicarás, e o SENHOR, teu Deus, te abençoará (...). Porém, se o teu coração se desviar, e não quiseres dar ouvidos, e fores seduzido, e te inclinares a outros deuses, e os servires, então, hoje, te declaro que, certamente, perecerás; não permanecerás longo tempo na terra (...)”

Muitos têm utilizado esta passagem bíblica, “Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal;”, para fundamentar o pensamento de que Deus é co-autor do Mal. Mas, se fizermos uma leitura honesta veremos que aqui não existe nenhuma afirmação de que Deus tenha criado o Mal. Ao contrário, Deus evoca que o Bem e o Mal são caminhos diferentes e ao homem é dada a liberdade de escolha.

Enquanto houver possibilidade de aceitação Deus continuará estendendo Seus braços de amor, convidando, buscando a humanidade para lhe conceder a realidade de uma vida com justiça, felicidade e paz. Nada O impedirá neste propósito. Porém, para Deus o nosso livre arbítrio é o limite.

É estranho que se opte pela morte, mas esta tem sido a decisão de muitos. Felizmente, muitos outros decidiram e decidem pela vida. Foi por isso que houve uma Cruz. Por isso, Deus se fez homem e tornou-se um de nós.

A destruição não é o destino da humanidade, ao contrário, a restauração e a recriação é o que nos aguardam no futuro. A cruz de Cristo não significa o fim, nem tão pouco o desfecho de uma ideia humanista. É a prova viva de um amor sem limites. É sobre ela que está exposta a maior obra redentora em favor do homem. E é através dela que a humanidade pode vislumbrar sua eternidade. Não é um símbolo de morte. Pelo menos essa não é. Nessa cruz há vida e vida em abundância.

Uma das maiores religiões cristãs gosta de ressaltar o Cristo morto na cruz. Exibe na parede um Cristo vencido. Seus fiéis carregam, pendurado no pescoço, a réplica dessa cruz e com isto a insistência da morte. Quando Jesus mesmo disse que era Ele a Vida. Seus fiéis insistem em Sua morte ao celebrá-la constantemente em seus rituais religiosos. Acreditam colocar em suas bocas o corpo literal de Cristo, daí a orientação de não mastigá-lo.

Há um problema sério de interpretação teológica aqui. A cruz não é o fim, mas o começo.

O fato é que essa cruz dividiu a História em dois períodos. E o mais impressionante é que depois que foi levantada a humanidade não foi mais a mesma. Grandes homens e mulheres marcaram a História com seus feitos, beneficiando a humanidade, mas suas mortes deixaram seus corpos. Seus túmulos nos falam de morte. Com Jesus foi diferente, Ele ressuscitou. Houve testemunhas oculares. Por isso, Sua cruz significa vida, ressurreição e eternidade.

Jesus foi e é muito mais que um nome. “Como homem, Ele teve mãe e não teve pai. Como Deus, Ele tem Pai e nunca teve mãe. Como homem se alimentou quando teve fome. Como Deus, é alimento para a alma do homem. Como homem, Ele teve sede e pediu de beber. Como Deus, é a água viva para todo o que crê. Como homem, Ele chorou em Betânia e em Jerusalém. Como Deus consola os aflitos que a Ele vêm. Ele é a água viva para o homem sedento, para o homem faminto é o pão vivo que desceu do Céu. Ele é o consolo do triste, do desesperado. Ele é alívio, do doente, a cura, do perdido é o caminho para o Céu. Como homem, Ele teve sono e sentiu cansaço, chegou até mesmo a dormir na popa de um barco. Como Deus, Ele não dorme, nem se desfalece. Dos cansados e oprimidos se compadece. Como homem, foi levado à cruz para provar a morte. E ali sofreu agruras e dores tão fortes. Como homem, Ele sofreu, como homem, Ele morreu. Porém, ressurgiu de entre os mortos porque Ele é Deus.” (Canção de Nelson Ned)

Para nós, egoístas e orgulhosos como somos, parece quase impossível acreditar que Deus, o Ser Supremo, tenha se deixado pendurar numa cruz. Porém, por mais incrível que possa parecer, essa é a maior verdade que o homem já escutou: “Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz.” (João 18:37). E Jesus continua, “Se alguém ouvir as minhas palavras e não as guardar, eu não o julgo; porque eu não vim para julgar o mundo, e sim para salvá-lo.” (João 12:47).

Essa cruz não apresenta nenhuma contradição. Mas que tudo, ela é uma afirmação, uma revelação. A morte de Jesus Cristo sobre ela é a maior revelação do caráter de Deus, que o homem possa ter. É a Sua face de amor e justiça. Nesta cruz, toda e qualquer acusação de Satanás, de arbitrariedade, nepotismo e tirania da parte de Deus, cai por terra. Nela o Criador morre para garantir vida eterna para Sua criatura. Nesta cruz, Ele nos diz que Sua Lei é justiça, mas também é amor.

Jesus ressuscitou porque nEle está a vida. Esse mesmo poder de criar e recriar foi exercido no ato da criação. Na criação Deus revelou-Se a Si mesmo como Único e Soberano em todo o Universo. Como Aquele que tem em Si mesmo a vida.

“Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” (João 14:6). “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; (João 11:25). “A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;” (Romanos 1:18-20)

 
G.T.Thomson e F. Davidson analisando estas citações bíblicas dizem: ‘O ideal moral absoluto é a justiça de Deus, que só pode vir Dele e ser revelado, ou feito conhecido somente por meio do evangelho de Jesus Cristo. Nesta conformidade, Paulo traça um retrato vivido da injustiça do mundo gentílico descrevendo a religião pagã (impiedade) e a moralidade pagã (injustiça). Sobre uma ou outra a ira de Deus se revela de igual modo como se revela Sua justiça. A ideia de juízo é frequente no Velho Testamento como parte integrante da justiça de Deus tratando retamente com Seu povo e o mundo gentílico. Os judeus que liam Paulo, pelo menos, estavam bem certos das implicações da frase ‘a ira de Deus’.

O mundo pagão, do tempo de Paulo, adorava ídolos feitos à semelhança de homens (Atenas) e de animais (Egito). Tal politeísmo era a consequência religiosa do racionalismo.’

Paulo afirmava claramente que “os gentios tornaram-se nulos em seus próprios raciocínios, isto é, fúteis em suas filosofias. Essa jactanciosa teorização levava à idolatria, visto como, obscurecendo ou detendo a verdade, os fazia afastar-se de Deus e a excogitar ignóbeis substitutos dEle!(...) Deus Se lhes revelara. Sua mão oculta, desde o princípio, podia ser bem discernida. Deus sempre deu testemunho de Si, tanto pela natureza como pela consciência. Não havia desculpas para a ignorância deles.

Embora seja paradoxal falar em ver o invisível, as coisas invisíveis de Deus, o Seu próprio poder e divindade, 'Deus em ação e na Sua essência', nunca estiveram escondidas ao homem.’1

Os ‘homens são, por isso, indesculpáveis’ em sua incredulidade e insistência em negar a existência de Deus. E mais, em querer eleger para si outros deuses que não Aquele que é o Grande Criador do Universo.

Tão curta ou longa quanto possa parecer a vida do homem, este esteve envolvido, em todas as épocas de sua existência, em conflitos, sendo o maior de todos o conflito existencial. A quem pertence, no trono do seu viver, a sua adoração? É sob esse conflito que ainda estamos vivendo, aceitemos ou não!

Reflita no Salmo 33

Você duvida que você seja importante para Ele a ponto de merecer Sua atenção especial? Não duvide, pois o que Ele faz por mim, pode muito bem fazer por você. Quer uma prova? Leia esta pequena história

Você quer saber o que é a Verdade? A verdade é que o maior plano de resgate na história da humanidade foi escrito sobre aquela cruz. A maior demonstração de amor que já existiu está gravada sobre essa cruz. O maior de todos os amores, o qual se perde no infinito, é esse de dar-se a si mesmo quando nada mais pode ser feito. E Jesus (Deus) Se deu! Um amor escrito com sangue, um amor que resiste ao tempo. Um amor que salva e liberta. É formidável saber que esse amor é acessível a todos! É formidável experimentar este amor! A cruz não significa derrota, fim. Ao contrário, é sobre a cruz que se abre a porta da vitória, é o começo, pois Jesus disse:

“Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará, e sairá,... eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância.” (João 10: 9 – 10) “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva” (João 7:38) “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida.” (João 8:12) “Em verdade, em verdade vos digo: se alguém guardar a minha palavra, não verá a morte, eternamente.” (João 8:51)

A cruz de Cristo nos apresenta uma história de amor, perdão e resgate. Como não amar essa cruz? Como permanecer indiferente ante a possibilidade de uma vida autêntica?

Por que continuar vivendo sobre a corda bamba da incerteza, da especulação, da incredulidade, se há a possibilidade de uma vida de paz e de certezas? Por que não confrontar as próprias opiniões com momentos de profundas reflexões?

Respondem as teorias nas quais você tem acreditado até então a todas as questões de sua complexa existência? Conhece você as possibilidades e limites do seu livre arbítrio?

É Deus tão excêntrico, que para chamar a atenção de Suas criaturas, “pendurou” Seu Filho, único e amado, sobre uma cruz?

Se você não crê em Deus estas perguntas talvez não façam grande diferença, mas se você crê em Sua existência, qual é a sua posição com relação ao bem e ao mal, a verdade e a mentira?

E agora, como você descreveria o caráter de Deus? E se Jesus for realmente o Filho do Grande Deus Criador? E se a Bíblia tiver razão? E se a cruz for a única chance e ela for rejeitada?

“Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o coração.” (Salmos 95:7-8).

George Knight escreveu: ‘A quantidade de referências bíblicas à ira de Deus ultrapassa a casa de 580. Não nos confundamos. A ira de Deus não pode ser comparada à ira humana. Ao contrário, a ira de Deus é uma função de Seu amor. Deus odeia o pecado que continua a destruir a vida e a felicidade de Suas criaturas. Ele está farto de ver bebês ceifados pela morte, o sofrimento causado pelo câncer, pela deficiência visual e tantas outras enfermidades; estupro, assassinato e roubo; holocaustos, Rwandas e Iraques.

No tempo determinado, Deus responderá às pessoas que clamam diante do altar: ‘Até quando, ó Soberano Senhor", esperaremos para que coloques um fim à bagunça que chamamos história do mundo (Apoc. 6:10)? Como afirma W.L.Walker, "a ira [de Deus] apenas entra em ação porque Deus é amor, e porque o pecado machuca Seus filhos e se opõe ao propósito do Seu amor.’ (A Visão Apocalíptica e a Neutralização do Adventismo. pág.25)

Vista em sua dimensão real, o significado da cruz transcende ao de um simples instrumento de tortura e morte. Torna-se o símbolo de uma decisão: olhar, crer ou não, aceitar ou rejeitar.

Ela se reveste de uma natureza complexa, que envolve também vida. A mesma vida que Deus nos propôs no ato da Criação, a vida eterna. Como Alguém que nos propõe a eternidade, a felicidade, pode nos oferecer também, sem a mesma medida de justiça, a morte e a dor?

A compreensão sobre a origem do Mal passa pela compreensão deste conflito entre a verdade de Deus e do Seu amor e as mentiras de Satanás e o seu ódio por Deus e por nós. Desculpe, mas o que passar disso é anátema, mentira.



Ruth Alencar

. parte 1 

. parte 3 

. parte 4 


Comentários

  1. .
    .

    "Que tipo de obediência você acha que agrada a Deus: a moral ou a intelectual?"

    Possivelmente, a grande maioria dos ateus é formada por indivíduos com, pelo menos, um curso superior. A obediência a Deus é um dos efeitos do conhecimento que se tenha dEle.

    Conhecer a Deus é tudo!

    .
    .

    "Conhece você as possibilidades e limites do seu livre arbítrio?"

    No momento em que nos dermos conta de que o resultado do exercício da livre escolha está diretamente relacionado ao conhecimento que temos de Deus, certamente mudará o nosso entendimento, a respeito do que é o bem e o que é o mal.

    Tudo passa pelo que conhecemos de Deus!

    .
    .

    “Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal;”,


    O que é “a vida e o bem”?

    João 17:3 "E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.

    E o que “a morte e o mal;”?

    Certa e logicamente é a falta do conhecimento ao qual se refere João 17:13!

    .
    .

    Então, minha cara Ruth, segundo entendo, tudo é uma questão do conhecimento que se tem de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Repetindo
    .
    .

    “Que tipo de obediência você acha que agrada a Deus: a moral ou a intelectual?”

    Possivelmente, a grande maioria dos ateus é formada por indivíduos com, pelo menos, um curso superior. A obediência a Deus é um dos efeitos do conhecimento que se tenha dEle.

    Conhecer a Deus é tudo!

    .
    .

    “Conhece você as possibilidades e limites do seu livre arbítrio?”

    No momento em que nos dermos conta de que o resultado do exercício da livre escolha está diretamente relacionado ao conhecimento que temos de Deus, certamente mudará o nosso entendimento, a respeito do que é o bem e o que é o mal.

    Tudo passa pelo que conhecemos de Deus!

    .
    .

    “Vê que proponho, hoje, a vida e o bem, a morte e o mal;”


    O que é “a vida e o bem”?

    João 17:3 "E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.

    E o que “a morte e o mal;”?

    Certa e logicamente é a falta do conhecimento ao qual se refere João 17:13!

    .
    .

    Então, minha cara Ruth, segundo entendo, tudo é uma questão do conhecimento que se tem de Deus.

    .
    .

    ResponderExcluir
  3. .
    .

    Sangue é vida!

    O sangue de Cristo é restauração e Vida, é salvação.
    .
    .

    Sangue

    – O sangue é o condutor responsável para levar nutrientes e oxigênio a todas as células do corpo humano, para que ele possa continuar sendo uma alma vivente.

    A falta de sangue causa morte física instantânea.

    .
    .

    Cérebro

    – O cérebro é o responsável pelos nossos pensamentos, iniciativas, discernimentos e sentimentos.

    As mãos, os pés, o fígado, o coração, os olhos, a língua, nenhum órgão, realiza qualquer movimento se não receber um comando cerebral.

    .
    .

    O Espírito Santo

    – O Espírito Santo interage diretamente com o cérebro humano, se comunicando, informando, recuperando espiritualmente...

    Então, qual dessas três partes, corpo sangue e cérebro, tem características que a identifique como sendo o espírito, a parte com a qual o Espírito Santo interage?
    .
    .

    Entendo que escolher certo ou mal depende do cérebro, do conhecimento, da Luz que se busca e do entendimento que é concedido pelo Santo Espírito.

    Acredito que Deus perdoa o tempo da ignorância.

    .
    .

    ResponderExcluir
  4. Esse e texto me fez meditar sobre a história além da cruz.

    O livro O Desejado de Todas as Nações de EGW nos mostra que não ouve maior sofrimento que o de Jesus.

    E não foi a cruz que O fez sofrer, essa foi a vitória que Ele alcançou depois de toda uma vida de tentações(não apenas no deserto que Cristo foi tentado).

    Enfim, o texto e os vídeos falam por si.

    ResponderExcluir
  5. Pedro, vc disse:

    "Possivelmente, a grande maioria dos ateus é formada por indivíduos com, pelo menos, um curso superior. A obediência a Deus é um dos efeitos do conhecimento que se tenha dEle..."

    Vou comentar sobre essas suas palavras em um próximo texto... aguarde.

    ResponderExcluir
  6. Pedro vc disse:

    "No momento em que nos dermos conta de que o resultado do exercício da livre escolha está diretamente relacionado ao conhecimento que temos de Deus, certamente mudará o nosso entendimento, a respeito do que é o bem e o que é o mal."

    Também comentaremos posteriormente sobre isto.

    ResponderExcluir
  7. Pedro vc disse:

    "O Espírito Santo

    – O Espírito Santo interage diretamente com o cérebro humano, se comunicando, informando, recuperando espiritualmente...

    Então, qual dessas três partes, corpo sangue e cérebro, tem características que a identifique como sendo o espírito, a parte com a qual o Espírito Santo interage?
    .
    .

    Entendo que escolher certo ou mal depende do cérebro, do conhecimento, da Luz que se busca e do entendimento que é concedido pelo Santo Espírito.

    Acredito que Deus perdoa o tempo da ignorância."


    Também comentaremos posteriormente sobre isto.

    ResponderExcluir
  8. Gosto demais desse grupo de cantores americanos!Quando eles dizem que Deus nosso Pai é bastante ocupado, mas não deixa de nos observar, recordo-me da Palavra de Deus que diz que os olhos do Senhor estão passeando sobre a Terra e vendo os seus moradores para dar a cada um segundo as suas obras e que nunca deixou de me responder quando lhe clamei por socorro. Ele é um Deus presente em nossas vidas , é só enxergar. Amo o Senhor porque Ele é bom e Sua misericórdia dura pra sempre!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

Refletindo um pouquinho sobre 2 Reis 2: 9- 13