O Lenço Dobrado


Recentemente o mundo foi unido em torno de uma tragédia. Estamos falando dos mineiros soterrados naquela mina do Chile. Foi impossível não se emocionar com as cenas da primeira chegada da cápsula de resgate no interior da mina.

A chegada daquele bombeiro deve ter feito os corações daqueles homens saltarem de muita alegria. A presença dele ali com eles era a certeza de que não tinham esperado em vão.

Senti naquele instante uma emoção muito forte e foi impossível não pensar no momento maravilhoso que viveremos todos nós que aguardamos o cumprimento da promessa de Jesus:

No livro de João 20 está escrito: “No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra estava revolvida. Então, correu e foi ter com Simão Pedro e com o outro discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: Tiraram do sepulcro o Senhor, e não sabemos onde o puseram. Saiu, pois, Pedro e o outro discípulo e foram ao sepulcro. Ambos corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro; e, abaixando-se, viu os lençóis de linho; todavia, não entrou. Então, Simão Pedro, seguindo-o, chegou e entrou no sepulcro. Ele também viu os lençóis, e o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus, e que não estava com os lençóis, mas deixado num lugar à parte. Então, entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu, e creu.”

Um lenço à parte. Por quê? Por que Jesus, após sua ressurreição dobrou o guardanapo (lenço) usado para cobrir seu rosto no sepulcro? Isto nunca me chamou a atenção, até que ouvi falar desse costume judaico. Um costume que na verdade era um sistema de comunicação entre o senhor e seu servo.

A maneira como o guardanapo estava sobre a mesa era o instrumento dessa comunicação. O servo não deveria tocar na mesa enquanto seu senhor não tivesse realmente terminado.

A refeição só poderia ser considerada acabada se ao levantar-se da mesa o senhor limpasse seus dedos, sua boca, sua barba, e amassasse e jogasse de qualquer maneira o guardanapo sobre a mesa.

Dessa forma o servo compreendia que poderia aproximar-se novamente da mesa e poderia limpá-la. O guardanapo jogado daquele jeito significava: “está terminado”.

Porém, se por algum motivo, o senhor se levantasse da mesa, e dobrasse seu guardanapo, e o colocasse ao lado de seu prato, o servo não deveria tocar na mesa, pois ele ainda não havia terminado. Ele voltaria novamente.

O guardanapo dobrado significava: “Eu vou voltar!”

Por isso, Jesus colocou o lenço à parte. Ele, num ato de amor e de silenciosas palavras, nos deixou esta mensagem: Eu vou voltar. Dirigiu-Se aos homens, como fazia antigamente nas planícies da Judéia - aos homens de boa vontade. O Mestre ainda não nos dispensou. Não é hora de nos enfraquecermos e desistirmos da esperança do cumprimento de Sua promessa.  Vejamos o que está escrito em Hebreus 6:

“Pois, quando Deus fez a promessa a Abraão, visto que não tinha ninguém superior por quem jurar, jurou por si mesmo, (...)E assim, depois de esperar com paciência, obteve Abraão a promessa. Pois os homens juram pelo que lhes é superior, e o juramento, servindo de garantia, para eles, é o fim de toda contenda. Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade do seu propósito, se interpôs com juramento, para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da esperança proposta; a qual temos por âncora da alma, segura e firme e que penetra além do véu, onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.”

Não podemos nos deixar levar e desanimarmos na véspera dos maiores dias do cristianismo. O nosso SENHOR disse que voltaria e Ele virá. Cultivemos em nossas mentes as palavras de Paulo, registradas em Filipenses 2. 

“Se há, pois, alguma exortação em Cristo, alguma consolação de amor, alguma comunhão do Espírito, se há entranhados afetos e misericórdias, completai a minha alegria, de modo que penseis a mesma coisa, tenhais o mesmo amor, sejais unidos de alma, tendo o mesmo sentimento. Nada façais por partidarismo ou vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmo. Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros.

Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; (..) Fazei tudo sem murmurações nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo, preservando a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo...” possamos estar todos de pé para recebê-lo como herdeiros do reino que Ele foi preparar.

Não é hora do desânimo, da apatia religiosa. Não é hora de brincarmos de ser cristãos. É hora de orarmos, pedirmos a Deus força e sabedoria. É hora de humilharmos os corações e realmente aprendermos a ser cristãos. Temos o Mestre, Suas palavras e obras. Ele é o nosso Exemplo perfeito. Como disse sabiamente Norbert Hugede em seu livro “Le Christ Oublié”:

“Precisamos retornar à autoridade da Bíblia. (...) Nós também confundimos Deus e os homens. (...) Falamos muito numa linguagem intelectual, mas tem nos faltado a simplicidade da fé. (...) O que é necessário ao cristianismo é procurar nas Escrituras, e não em outro lugar, o fundamento de nossa fé. Quase sempre, por muito tempo, o homem tem falado no lugar de Deus, e nunca veio coisa boa. Por isso, vemos o mundo cristão dividido em doutrinas.” E o que é mais triste, doutrinas dos homens.

Dentro do Cristianismo existem mais de 3.000 subdivisões, todas com a Bíblia aberta, mas em sua maioria fazendo o que querem e não o que Deus diz em Sua Palavra que demos fazer. 


Que o SENHOR nos ajude cada dia a desejar estudarmos a Sua Palavra para podermos compreender a Sua vontade e que através do Seu Espírito possamos ser verdadeiramente heróis na fé e luz para um mundo tão sem esperança.

Ruth Alencar

Comentários

  1. Sejam bem vindos!



    Melhor visualização do blog no Google Chrome e Firefox!



    No Internet Explorer poderá ocorrer a não visualização de comentários postados ou poderá ocorrer a visualização de comentários sobrepostos aos posts recomendados: "Poderá também gostar de:".


    Boa leitura a todos!

    ResponderExcluir
  2. Rutinha,

    Esse texto é maravilhoso!
    Confesso que não havia pensado nisso sobre o lenço.
    Como sinal de promessa!
    Pensava nele como sinal e prova da ressurreição, pois Ele teve o cuidado, não apressa ao "fugir" ou ter Seu corpo roubado, deixando o lenço ou lençol, como afirmam os historiadores, dobrado no local onde fora posto.

    Somos gratos a Ele por nos deixar "esse recado", ou melhor, essa promessa, pois é o que nos dá força para continuar lutando neste mundo onde a falta de amor deu lugar ao mal.

    ResponderExcluir
  3. Bri

    este recado foi para nós também...

    ResponderExcluir
  4. Creio nesse "recado"!
    Creio na promessa!
    Somente a esperança de que pela Sua Graça e Misericórdia, posso também esperar pelo dia em que não veremos mais dores, sofrimentos e a morte.
    Somente o aconchego de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
  5. Sempre pensei nesse lenço dobrado como um sinal de organização. Um Deus que cuida dos mínimos detalhes.
    Hoje eu sei o significado desse lenço dobrado após a leitura de seu texto...É claro que deveria ser algo que Ele queria nos dizer com esse detalhe. Louvado seja nosso Senhor por nos prometer algo tão maravilhoso - Seu retorno à Terra para buscar Seus filhinhos, para que onde Ele esteja, estejamos nós também.
    Nós O veremos como Ele é. Eu creio nessa promessa magnífica!!

    ResponderExcluir
  6. Marta,

    quando li sobre este costume judáico fiquei realmente impressionada e me perguntando quais outras mensagens Ele nos deixou e que ainda não percebemos...

    Por isso, a Bíblia é um livro incomum, há sempre algo novo a descobrir.

    Esta promessa de Jesus é tudo hoje para mim. Eu creio nela incondicionalmente.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2