A Idolatria e a Tristeza Divina: Obras de Artes e Imagens de Santos







“Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás: porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem. E faço misericórdia em milhares aos que me amam e guardam os meus mandamentos.”      

                                                                                   (Êxodo 20:4-6)






Aplica-se estes versos bíblicos, por exemplo, às belíssimas esculturas humanas de Ron MUËCK? Não sabe quem é Ron MUËCK? Você pode ver algumas de suas maravilhosas obras de arte aqui.

Certamente que não se aplicam! É claro que estamos falando de duas coisas completamente diferentes. Posso ter a foto dos meus filhos e do meu esposo na minha carteira, mas isto não significa que estou lhes rendendo adoração. Posso ter objetos de arte em minha casa, mas isto não significa que lhes esteja prestando culto. Então, não se preocupe você pode admirar obras de arte.

Há algo muito profundo nestes versos bíblicos. Este 2º mandamento traz em sua essência a mensagem do dever dos homens para com Deus, o Criador.

J. C. Connell escrevendo sobre Êxodo 20 declara: “A soberania de Deus sobre Seu povo é a sanção para Sua exigência de que obedecessem aos mandamentos. Deus aparece aqui como Deus pessoal que já tinha estabelecido uma relação íntima com Seu povo, livrando-o do Egito.

O Senhor é sem igual. Seu povo, por conseguinte, não deveria adicionar a adoração a deuses falsos à sua adoração ao Senhor (...). A unidade de Deus requer devoção total. Ele é Espírito. Não pode ser adorado sob a forma de qualquer representação material, quer fosse produto da arte plástica quer da pictórica. Tais coisas não apenas desviam a mente do conhecimento da espiritualidade pura de Deus, mas inevitavelmente são transformadas em objetos de veneração, e também provocam o aparecimento de muitas práticas sensuais. O 2º mandamento não proíbe qualquer escultura ou pintura.” (J. C. Connell Bible College, M.A., Instrutpor de Teologia Bíblica e História Eclesiástica, The London Êxodo)

Deus mesmo autorizou a utilização de esculturas como método de ensino para Seu povo. Veja em Números 21:8-9: “Disse o SENHOR a Moisés: Faze uma serpente abrasadora, põe-na sobre uma haste, e será que todo mordido que a mirar viverá. Fez Moisés uma serpente de bronze e a pôs sobre uma haste; sendo alguém mordido por alguma serpente, se olhava para a de bronze, sarava.”

Isto evoca algum ensinamento de adoração à serpente? Não. Evidentemente que não! Qual o sentido dessa serpente de bronze, então?

A. A. MacRae, nos explica à luz do Evangelho: “Todo o que olhasse para ela ficaria curado; assim como todo o que confiadamente olhar para Cristo levantado na cruz não perece, mas tem a vida eterna.

A referência feita por Cristo a este episódio mosaico vem não só frisar os pecados do povo que Ele sobre Si próprio tomou, mas também a necessidade de uma relação pessoal pela fé para a salvação.

Leia e medite em João 3:15-16, 18 e 36 .

Deus Zeloso significa dizer que somente Ele tem o direito de ser amado pelo Seu povo. Por causa deles mesmos, e para que santificassem e reverenciassem Seu nome, é que eles deviam fugir de toda idolatria. O zelo de Deus preserva a pureza da adoração de Seu povo.

É claro que Deus não pune os filhos por causa das ofensas de seus pais, mas se os filhos cometerem o mesmo pecado de seus pais serão punidos da mesma maneira. Mas, além disso, o pecado de seus pais influencia seus filhos para o mal e certos pecados atraem castigo que é inevitavelmente compartilhado pela descendência do pecado, como por exemplo, as enfermidades que são o resultado direto da imoralidade, e a pobreza, que resulta da extravagância. O temor destas últimas conseqüências exerce um freio saudável na conduta dos pais. Porém, enquanto a má conduta afeta apenas três ou quatro gerações, as conseqüências de uma vida pura beneficia a posteridade até um ponto quase ilimitado. A ira de Deus se estende somente até a terceira ou quarta geração; mas Sua misericórdia se estende até mil gerações.” (A. A. MacRa, PHD., Presidente da Faculdade do Faith Theological Seminary, Filadelfia, EUA, Números)

Gosto muito do pensamento de Loron Wade expresso em seu livro Os dez Mandamentos: “O problema vem de uma leitura superficial do texto. Note que aquilo que acontece com essas gerações não é uma vingança por parte de um Deus irado. O mandamento simplesmente diz que o 'castigo' que essas pessoas sofrem é a 'iniquidade dos pais'. Isto é exatamente o que o apóstolo Paulo tinha em mente: “e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, bem como de aves, quadrúpedes e répteis. E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia.” (Romanos 1:23, 28-31)

Paulo diz que a adoração a ídolos, a exaltação da criatura acima do criador, remove as barreiras e abre as comportas da depravação humana.

Quando as pessoas se tornam como seus ídolos, a terra se enche com violência, e o coração do povo se volta para a “malícia, avareza... inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade” (Romanos 1:29). Os indivíduos se tornam “caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia” (versos 30-31)

Você acha que seria um castigo viver numa sociedade como a que Paulo retrata? Essa é a conseqüência que alcança 'a terceira e quarta geração', o fatídico resultado que Deus deseja que evitemos, ao dar-nos essa advertência no segundo mandamento. Por isso, Ele é ‘zeloso’. O ciúme humano é uma exibição de interesse próprio, mas o mandamento deixa claro que Deus é ciumento em favor do Seu povo.”

Loron Wade diz mais: “Nunca subestime o poder de um ídolo. (...) Quem duvida que os ídolos modernos tenham pelo menos tanto poder sobre as pessoas quanto os antigos? Em muitos sentidos, os resultados da idolatria moderna ultrapassam o que o apóstolo Paulo descreveu na sua época. As pessoas que tomaram a decisão de colocar a Deus no centro de sua existência não permitirão que qualquer coisa criada ocupe o lugar que pertence somente ao criador. E não haverá confusão com respeito à verdadeira adoração, porque elas se afastarão de tudo que diminua a importância de Deus em sua vida.”

Tristeza divina. Deus se entristece? Sim, Ele Se entristece. Ele ama a humanidade e por Ela Se compadece: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o Seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas que o mundo fosse salvo por ele.” (S.João 3:16)





Quando a Bíblia fala sobre a glória de Deus está se referindo também à bondade de Deus. Veja esse diálogo entre Moisés e o Senhor Deus Criador: “Então, ele disse: Rogo-te que me mostres a tua glória. Respondeu-lhe: Farei passar toda a minha bondade diante de ti e te proclamarei o nome do SENHOR; terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia e me compadecerei de quem eu me compadecer.” (Êxodo 33:18-19)

A Bíblia jamais ensinaria adoração a outros deuses. Em sua desobediência os homens transformaram aquela serpente em objetos de culto “e deixou de apontar para Deus e para os aspectos da verdade que Ele tem revelado, tal como qualquer símbolo pode vir a ser. Por isso, o bom rei Ezequias a fez em pedaços (2 Reis 18:4).” (A. A. MacRae, PHD., Presidente da Faculdade do Faith Theological Seminary, Filadelfia, EUA, Números)

“Removeu os altos, quebrou as colunas e deitou abaixo o poste-ídolo; e fez em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até àquele dia os filhos de Israel lhe queimavam incenso e lhe chamavam Neustã.”

O que difere o trabalho artístico de Ron MUËCK e José Luís Santos, por exemplo? A nacionalidade? Não. Ambos são artistas Plásticos. Cada um utiliza um material diferente na confecção de suas obras de arte. Mas, a diferença entre a matéria prima utilizada não é a diferença que busco explorar, tão pouco, a complexidade do trabalho. Chamo a atenção para o  que se destina a obra de arte.

Vejamos o vídeo:





"Por que o segundo mandamento proíbe fazer ídolos ou imagens para representar Deus? Porque, não importa, quão grande os façamos ou quanto de ouro, diamantes ou outras coisas usemos para cobri-los, a única coisa que conseguimos é tornar Deus menor. Inevitavelmente nós O reduzimos à dimensão de um conceito meramente humano. E esse é realmente o âmago do problema. Uma imagem mental pobre acerca de Deus é o pecado fundamental que o segundo mandamento procura ajudar-nos a evitar. [...]

Nos tempos antigos, o resultado lógico da idolatria foi o politeísmo, a crença de que existem muitos deuses. As pessoas inventavam mais deuses porque não podiam imaginar que um só seria suficiente, que uma deidade conseguiria tomar conta de tudo.

Os cristãos primitivos se apegaram a ideia de que havia só um Deus. Porém, infelizmente, muitos dos novos conversos do paganismo entravam para a igreja com o mesmo conceito pobre a respeito de Deus que tinham antes. Inclinavam-se a ver Deus como um ser semelhante às divindades que costumavam adorar – seres esquecidos e indiferentes nãos dispostos ajudá-los. Eles sentiam que precisavam suplicar e implorar constantemente para vencer a apatia de Deus e convencê-LO a interessar-Se por suas necessidades. [...] A Bíblia compara Deus como a mais poderosa expressão do amor humano, dizendo: "Acaso, pode uma mulher esquecer-se do filho que ainda mama, de sorte que não se compadeça do filho do seu ventre? Mas ainda que esta viesse a se esquecer dele, eu, todavia, não me esquecerei de ti. Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei; os teus muros estão continuamente perante mim." (Isaías 49:15-16)

Apesar dessa garantia, muitas pessoas chegaram a imaginar Deus como esquecido e relutante, com um exército de intercessores ao redor do seu trono, clamando dia e noite para conseguir que nos ajude. Mas Jesus disse aos Seus seguidores: “Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.” (Hebreus 4:16)

A ideia de intercessão por parte de santos mortos viola claramente, o segundo mandamento porque se baseia no conceito pagão de um Deus limitado que dificilmente possa ser convencido a nos auxiliar.” (Loron Wade, Os dez Mandamentos)

Está escrito na Bíblia: “No céu está o nosso Deus e tudo faz como lhe agrada. Prata e ouro são os ídolos deles, obra das mãos de homens. Têm boca e não falam; têm olhos e não vêem; têm ouvidos e não ouvem; têm nariz e não cheiram. Suas mãos não apalpam; seus pés não andam; som nenhum lhes sai da garganta. Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem e quantos neles confiam.” (Salmo 115: 2-8)

Recentemente li uma apostila intitulada: “Apostila sobre IMAGENS, INTERCESSÃO E COMUNHÃO DOS SANTOS”, elaborada por cristãos católicos. E nela há a seguinte interrogação: “Diante das passagens bíblicas existentes, Deus proibiu a confecção de imagens ou proibiu a confecção de imagens para adoração?”

Conversaremos futuramente sobre essa apostila











Ruth Alencar



Comentários

  1. Sejam bem vindos!



    Melhor visualização do blog no Google Chrome e Firefox!



    Em alguns navegadores poderá ocorrer a não visualização de comentários postados ou poderá ocorrer a visualização de comentários sobrepostos aos posts recomendados: "Poderá também gostar de:".


    Boa leitura a todos!

    ResponderExcluir
  2. DEUS REQUER ADORAÇÃO EXCLUSIVA.

    Guardai com diligência as vossas vidas, pois nenhuma imagem vistes no dia em que o SENHOR, falou convosco do meio do fogo para que não vos corrompais e vos façais imagem na semelhança de homem ou mulher,de animal,de ave, de peixe. Que não levantes os teus olhos aos céus e vejas o sol, a lua, as estrelas e que te inclines perante eles e sirvas àqueles que o SENHOR DEUS repartiu a todos os povos debaixo dos céus. O SENHOR vos tomou e vos tirou do Egito para que lhe sejais por povo hereditário... Não façais para vós imagem de alguma coisa que o SENHOR vos proibiu, pois o SENHOR é fogo que consome,é Deus zeloso. Deuteronômio 4:15 – 24.

    O homem deve prostrar-se somente diante de Deus, pois os ídolos nada mais são do que uma imaginação do escultor. Deus afirma que tanto o que faz a imagem, como o que se prostra diante dela, não tem vida. Está morto espiritualmente!

    "Os ídolos das nações são obras das mãos dos homens. Tem boca e não falam, olhos e não vêem, ouvidos e não ouvem, som nenhum sai de sua boca...Como eles, se tornam os que os fazem e todos os que neles confiam.. Salmo 135:15-18.

    Eu sou o SENHOR, este é o meu nome, a minha glória, pois não darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura - Isaías 42:8.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2