Como Conversar Com Deus - O Pai Nosso

O Pai Nosso  (Mateus 6:5-13)



“E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens. Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa.”


“Eles já haviam estado em um barco certa vez, navegando num mar revolto, e tinham-no ouvido dizer com voz calma, mas cheia de autoridade: “Silêncio! Aquietai!”, e ficaram pasmados de ver que as ondas e ventos o obedeciam.

Ele se dirigira a um paralítico que se encontrava entrevado havia muitos anos, e ali, diante de seus olhos, o homem se erguera e andara.

Eles haviam recolhido doze cestos de sobras de alimento, após uma refeição miraculosa, onde cinco mil pessoas haviam sido alimentadas por ele com o lanche de um garoto, que constava de cinco pães e dois peixes.

Eles viram cegos, epiléticos, leprosos e até doentes mentais serem curados com apenas uma palavra de seus lábios.

Viram o tormento da culpa abandonar o rosto das pessoas, logo que ele as perdoava.

Ouviram-no falar como nenhum outro falara antes. E sentiram profundamente todo o magnetismo que havia na vida dele.

Contudo, aquele encantamento imediatamente se transformou em terrível responsabilidade quando o ouviram dizer: “ Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio.” Certamente, ninguém poderia esperar que eles operassem os mesmos milagres que ele operara. Seria exigir muito deles.

Todavia, depois eles se sentiram cheios de um maravilhoso senso de capacitação, ao ouvi-lo dizer: “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim, fará também as obras que eu faço, e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.” (Jo 14:12)

Será que eles poderiam possuir aquele poder? Ele afirmara isto, portanto, assim devia ser. Mas como? Será que eles lhes ensinaria o segredo?

Certo dia, a solução revelou-se a eles. Realmente, havia uma chave-mestra que abria a caixa forte do poder de Deus. Imediatamente, foram ter com ele e lhe pediram: “Senhor, ensina-nos a orar.” (Lucas 11:1). Aprender a orar era o segredo, o único segredo que precisavam saber.

Atendendo aquele pedido, Jesus ensinou-lhes uma prece (Mateus 6: 9-13). É possível repeti-la em um quarto de minuto — quinze segundos. Mesmo uma congregação recitando-a vagarosamente não leva mais que meio minuto para isso. No entanto, Jesus poderia passar metade da noite repetindo aquela mesma oração. Existem hoje mais de quinhentos milhões de pessoas que sabem estas palavras de cor, mas são muito poucos os que realmente sabem dizê-las como oração. O poder está não em repetir as palavras, mas em se fazer a oração.

Orar não e simplesmente recitar algumas palavras. As palavras são apenas a armação de concreto sobre a qual a casa do pensamento é edificada. O poder do Pai Nosso reside não nas palavras, mas sim na configuração mental que gera em nós. A Bíblia nos ordena: “mas transformai-vos pela renovação de vossa mente” (Romanos 12:2). Quando nossos pensamentos começam a fluir através dos canais da oração do Pai Nosso, nossa mente se renova e nós somos transformados.

Temos o poder de Cristo na mesma proporção em que nos apropriamos de seus pensamentos.” (Charles L. Allen, A Psiquiatria de Deus)

Proponho a vocês uma meditação sequencial de 7 dias a exemplo da que fizemos com o Salmo 23, tendo como base o livro do pastor Allen.









Ruth Alencar


Comentários

  1. Sejam bem vindos!



    Melhor visualização do blog no Google Chrome e Firefox!



    Em alguns navegadores poderá ocorrer a não visualização de comentários postados ou poderá ocorrer a visualização de comentários sobrepostos aos posts recomendados: "Poderá também gostar de:".


    Boa leitura a todos!

    ResponderExcluir
  2. "Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor Se compadece daqueles que O temem. Pois Ele conhece a nossa estrutura; lembra-Se de que somos pó." Sal. 103:13 e 14.

    "Por causa do seu caminho de transgressão e por causa das suas iniqüidades", os homens são afligidos. A sua alma aborreceu toda comida, e chegaram até às portas da morte." Sal. 107:17 e 18.

    "Então, clamaram ao Senhor na sua angústia, e Ele os livrou das suas necessidades. Enviou a Sua palavra, e os sarou, e os livrou da sua destruição." Sal. 107:19 e 20.

    "Diz a Escritura que os homens devem "orar sempre e nunca desfalecer" (Luc. 18:1)

    (...) Deus conhece o fim desde o princípio. Conhece de perto o coração de todos os homens. Lê todo segredo da alma. Sabe se aqueles por quem se fazem as orações haviam ou não de resistir às provações que lhes sobreviriam, houvessem eles de viver. Sabe se sua vida seria uma bênção ou uma maldição para si mesmos e para o mundo. Esta é uma razão pela qual, ao mesmo tempo que apresentamos nossas petições com fervor, devemos dizer: "Todavia, não se faça a minha vontade, mas a Tua." Luc. 22:42. Jesus acrescentou estas palavras de submissão à sabedoria e vontade de Deus, quando, no jardim de Getsêmani, rogava: "Meu Pai, se é possível, passe de Mim este cálice." Mat. 26:39. Se elas eram apropriadas para Ele, o Filho de Deus, quanto mais adequadas são nos lábios dos finitos e errantes mortais!

    ...) Ao termos orado pela restauração de um enfermo, seja qual for o desenlace do caso, não percamos a fé em Deus. Se formos chamados a sofrer a perda, aceitemos o amargo cálice, lembrando-nos de que é a mão de um Pai que no-lo chega aos lábios. Mas, sendo a saúde restituída, não se deveria esquecer que o objeto da misericordiosa cura se acha sob renovada obrigação para com o Criador. Quando os dez leprosos foram purificados, apenas um voltou em busca de Jesus para dar-Lhe glória. Que nenhum de nós seja como os inconsiderados nove, cujo coração ficou insensível diante da misericórdia de Deus. "Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança, nem sombra de variação." Tia. 1:17. (Ciência do Bom Viver, pág 225-233)

    ResponderExcluir
  3. .
    .

    Obrigado Ruth.

    Provavelmente, o que de melhor me aconteceu nos últimos tempos foi o entendimento e a aceitação de que Deus quer o melhor para cada um dos seus filhos, de eternidade a eternidade.

    O problema, que ainda me aflige, é que não sei o que é melhor para mim!

    .
    .

    Hoje, minha filha começou o tratamento pre-operatório.
    Estamos confiantes, temos certeza de que Deus quer o melhor para ela.

    Abraços

    .
    .

    ResponderExcluir
  4. Pedro, o que vc acha que Deus quer que aconteça na sua vida? Não estou me referindo ao Pedro esposo, pai... estou me referindo ao ser humano Pedro.

    Reflita e vc encontrará a resposta da questão que ainda lhe aflige.

    Continue lendo essas reflexões do Pai Nosso, há uma que fala do nome de Deus: Y H V H

    Iod He Vav He

    Os ateus não sabem ou não querem admitir, mas eles respiram o fôlego de Deus.

    Os seus pensamentos são o centro de sua vontade. Coloque este centro em submissão à vontade de Deus e você não somente compreenderá, mas viverá a vida em sua plenitude. Há algo melhor que isto?

    Fale disto para sua filha... estou em oração por ela.

    Um grande abraço para os três.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2