O Deus de Paz





Proponho a vocês uma meditação sequencial de seis dias tendo como base o livro A Psiquiatria de Deus” escrito pelo pastor Charles L. Allen. É uma reflexão sobre Deus através do maravilhoso Salmo 23. 


A mensagem deste poema nunca envelhece. São palavras vivas e não letras mortas como muitos pretendem ao dizer que a Bíblia não contém verdades para a humanidade. Este Salmo de Davi composto como uma expressão da sua experiência pessoal como pastor de ovelhas antes de tornar-se um grande guerreiro e o rei de uma grande nação, revela a percepção de um homem quanto a sua relação com Deus e a relação Deste com o Seu povo: o pastor conhece suas ovelhas, cuida delas e as protege. As ovelhas confiam em seu pastor e o seguem confiantes.



Quando era adolescente li esse livro do qual sempre me lembro em meus momentos difíceis. Nele o pastor Charles L. Allen, analisa o Salmo 23 e dá uma receita maravilhosa para nos ajudar a vencer as doenças da alma: a ansiedade, a solidão, a depressão, a insegurança, o medo, a tristeza: ler o Salmo 23, cinco vezes por dia, durante uma semana.
                                           
Seu conselho é que “tomemos” este “remédio” exatamente como ele indica:

1Primeiro, devemos “lê-lo logo que acordemos de manhã, atentamente, meditando bem nas palavras, e em espírito de oração;

2- Depois devemos lê-lo após o café, do mesmo modo;

3- Novamentelogo após o almoço;

4- Novamentelogo após o jantar;

5- E, por fimnos minutos antes de se deitar.

“Esta leitura não” pode “ser rápida, apressada.” Temos “que parar em cada frase, e, deixar a mente embeber-se bem do significado de cada uma.” E ele assegura “que dentro de uma semana as coisas mudam.”

“Isto pode parecer simples demais, mas, na realidade, não é. O Salmo 23 é um dos mais poderosos trechos de prosa que existem, e opera maravilhas no coração de qualquer um. Eu já indiquei seu estudo para várias pessoas, e todos os que o fizeram, obtiveram bons resultados. Ele pode mudar toda uma vida em sete dias.”

Allen adverte, porém, que não podemos tomar um remédio prescrito para 5 vezes ao dia de uma só vez. Muito menos reduzir o tempo de tratamento só porque se percebe um resultado de melhora.“Algumas pessoas me dizem que após dois ou três dias de meditação, elas creem que já o conhecem bem, e não o leem mais; passam apenas a meditar nele durante o dia. Isto não resolve. Para se obter bons resultados, o estudo precisa ser feito do modo indicado.”

E ele cita:

Ralph Waldo Emerson: “O homem é aquilo em que ele pensa constantemente.” 

Marco Aurélio: “A vida do homem é o que seus pensamentos a fazem.”

Norman Vincent Peale: “Mude seus pensamentos, e mudará seu mundo.” 

E a Bíblia: “Porque, como imagina em sua alma, assim ele é.” (Provérbios. 23:7).

“O Salmo 23 é uma fórmula pela qual podemos modelar nosso pensamento. Quando saturamos a mente com as verdades nele encontradas, adquirimos um novo modo de pensar, uma nova forma de vida. (...) Qualquer um pode memorizá-lo facilmente em pouco tempo. E, realmente, muitas pessoas o sabem de cor. Contudo, o poder deste salmo não esta em memorizar as palavras e, sim, em meditar nos pensamentos que ele contêm.

O valor deste texto está no fato de que ele representa uma visão positiva da vida, uma visão esperançosa e cheia de fé. Nós cremos ter sido ele escrito por Davi, o mesmo Davi que teve um capítulo negro em seu passado, um capítulo de pecado e de derrota. Entretanto, ele não perdeu tempo se lamentando, ou remoendo o fato. [...]

Leia-o do modo como indico. Dentro de sete dias, você terá um novo e valioso modo de pensar, que estará firmemente arraigado em sua mente, operará mudanças maravilhosas em sua linha de raciocínio e lhe dará uma nova vida.








Para reflexão inicial:

“O Deus do Antigo Testamento talvez seja o personagem mais desagradável da ficção: ciumento, e com orgulho; controlador mesquinho, injusto e intransigente; genocida étnico e vingativo, sedento de sangue; perseguidor misógino, homofóbico, racista, infanticida, filicida, pestilento, megalomaníaco, sadomasoquista, malévolo.” (DAWKINS, Richard. Deus, um delírio (São Paulo: Companhia das Letras. 2007), p. 55.)

Eu não concordo com este pensamento, nem com os que dizem que há um Deus do Antigo Testamento e um Deus do Novo Testamento

Dawkins não somente se equivoca neste seu conceito sobre Deus, como prova que de Deus ele não entende nada! A verdade é que enquanto ele se desgasta em sua “cruzada” contra a religião e contra Deus ele impede a si mesmo de experimentar as bênçãos que têm os que confiam em Jesus Cristo e aceitam Seu sacrifício. Combater Deus não é um fato isolado, independente, faz parte do grande plano do Agente do Mal, o pai da mentira, daquele que odeia Deus e o ser humano. E que para atacar Deus nos fere, pois sabe o quanto Ele nos ama e Se machuca ao nos ver sofrer. Você pode ler mais sobre o conflito entre o Bem e o Mal aqui

Eu creio na história da cruz do calvário. E segundo a Bíblia, que é o livro por excelência para falar de Deus, esse personagem de Dawkins faz parte dos seus próprios delírios. O Deus dos cristãos é de paz apesar de ser identificado como o Senhor dos exércitos. É DEle que emana o maior de todos os amores. É verdade que a Bíblia encerra uma narrativa com histórias de derramamentos de sangue, mas eu gostaria de lhe dizer que o próprio Deus foi “vítima” dessa história de amor com aroma de espinhos. 

Com este salmo Davi nos mostra que Deus é o Bom Pastor, que ama tanto Suas ovelhinhas que por elas é capaz de dar a própria vida e que por isso, está sempre próximo e atento às suas necessidades. Certamente teríamos um debate muito interessante entre Davi e Dawkins!

"Existe uma historieta - não sei qual a sua origem — de um rapaz e um senhor idoso que se encontravam numa plataforma, diante de um grande auditório. Estava-se realizando um programa especial. Numa parte dele, os dois tinham de dizer o Salmo 23 de cor. O jovem, que conhecia as técnicas da oratória e do drama, falou o salmo com a eloquência de um grande orador. [...] Quando ele terminou, a plateia aplaudiu entusiasticamente, pedindo bis, para ter o prazer de apreciar novamente sua maravilhosa interpretação. Depois foi a vez do outro. Apoiando-se pesadamente sobre sua bengala, o velhinho encaminhou-se para a frente da plataforma, e com voz fraca e trêmula, repetiu as mesmas palavras: “O Senhor é o meu pastor...”

Quando ele se assentou, os ouvintes permaneceram em profundo silêncio. Todos pareciam estar em atitude de oração. O jovem se levantou, e disse o seguinte: “Amigos, quero dar uma explicação. vocês bisaram a minha declamação do salmo, mas ficaram em silêncio depois que meu amigo terminou. Por que? Vou lhes dizer: eu conheço bem o salmo, mas ele conhece o Pastor.”

Talvez esta imagem do pastor com o seu rebanho não tenha grande significado para os habitantes das grandes cidades. Entretanto, nunca o povo da terra se pareceu tanto com um bando de ovelhas assustadas, como atualmente. Os governos das nações estão receosos uns dos outros. As pessoas tem receio do governo, de outras pessoas e de si mesmas. [...] "
 Este salmo "ensina que, acima de todas as lutas e temores, acima das fomes e fraquezas da humanidade, há um Pastor.

E um Pastor que conhece suas ovelhas uma por uma, um Pastor que é amplamente capaz de atender a todas as suas necessidades; que guia e protege, e que, ao fim da jornada, lhes abrirá a porta do aprisco, daquela casa “não feita por mãos”. 

Quando se achava no Polo sul, o Almirante Byrd descobriu, de repente, que apesar da quietude ao redor, ele não estava sozinho. Esta sensação fez com que a fé brotasse em seu coração, e, embora estivesse “no lugar mais frio da terra”, ele sentiu o calor de uma presença reconfortante. 

O Salmo 23 nos dá este mesmo senso de segurança. É por isso que ele permanece vivo no coração de todas as gentes, qualquer que seja o credo ou raça.” (Charles Allen)


Ruth Alencar  
    
                                                                                                                               

Comentários

  1. Sejam bem vindos!



    Melhor visualização do blog no Google Chrome e Firefox!



    Em alguns navegadores poderá ocorrer a não visualização de comentários postados ou poderá ocorrer a visualização de comentários sobrepostos aos posts recomendados: "Poderá também gostar de:".


    Boa leitura a todos!

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho a mais absoluta certeza que aqueles que seguirem esta proposta do pastor Charles Allen só terão a ganhar espiritualmente.

    Que Deus seja com vocês... conosco.

    ResponderExcluir
  3. Que bom ler seu texto,Ruth! Realmente o Salmo 23 tem algo de maravilhoso...quando nos sentimos tristes e desamparados e lembramos das palavras tão lindas desse salmo, então vem o alento e a certeza de que a misericórdia e a bondade do Senhor estarão presentes em todos os dias de nossas vidas!
    Deus abençoe a todos os leitores desse blog e que acreditam ,firmemente, em que Ele é o Pastor e NADA nos faltará, pois Ele pode fazer por nós muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou imaginamos. Deus seja louvado em nossas vidas.

    ResponderExcluir
  4. Este salmo de Davi tem sido cantado através dos séculos, atravessando barreiras de raça e língua. Há vinte e cinco mil anos que ele esta sendo entesourado no coração dos homens. E hoje isto acontece mais que nunca.

    *** vinte e cinco mil anos?

    ResponderExcluir
  5. É Anônimo... é assim que está escrito no capítulo 13 do livro, pág 25-26. Estranho mesmo!

    "Este salmo de Davi tem sido cantado através dos séculos, atravessando barreiras de raça e língua. Há vinte e cinco mil anos que ele esta sendo entesourado no coração dos homens. E hoje isto acontece mais que nunca."

    Retirei o parágrafo, mas o coloquei aqui para que o seu precioso comentário não ficasse sem sentido.

    Obrigada por sua observação e atenção.

    Creio, no entanto, que este erro não invalida o esboço geral.

    ResponderExcluir
  6. Sempre acreditei que o Salmo 23 era um texto especial. E é mesmo, né? Vou tentar seguir a receita do pastor Charles L. Allen. De verdade!

    Abraço,
    Tatiana Cavalcante

    ResponderExcluir
  7. Amém, Tatiana. Depois vc nos conta sua experiência espiritual, tá?

    Eu estou fazendo e está sendo no mínimo confortador. Nossa mente é o centro de nossa existência e se preenchermos com o conhecimento de Deus, com certeza haverá reflexos em todo nosso ser. Para que tenhamos uma mente plena de esperança é preciso que a coloquemos sob o cuidado de Deus.

    Uma mente plena de esperança é uma mente sadia, forte, corajosa.

    um grande abraço

    ResponderExcluir
  8. Ruth, Quando aprendermos - depois de anos de exercícios - a termos paciência e tolerância (perdão)que juntos são o sinônimo de amor, estaremos dando os primeiros passos rumo a paz. Ela por sua vez permitirá termos o verdadeiro amor ao próximo com a verdade e justiça. Essa luta da minoria (que pertencemos) terá que ter uma equivalência (não recompensa porque essa é obrigação de Cirstãos).Certamente a vida eterna espiritual. Amém. Já te desejei felicidades pelo anoversário. Ratifico pelo entusiasmo com este blog, que poderá estar ajudando muita gente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 15 de novembro de 2012 10:24
      Muito obrigada por suas palavras Nemar Costa. Gosto de ler suas palavras pq sei que há seriedade,convite para refletir, amizade... Vc é um daqueles amigos que a gente tem que carregar não apenas no coração, mas principalmente na mente. Eu gosto de pensar que a mente é quem comanda os sentimentos e as nossas verdades.

      Cristianismo sem paz é apenas uma filosofia e nada mais. Vc disse td a paz não é a ausência de guerra, mas a presença do perdão, do amor, da tolerância,da humildade, da justiça.

      Que não tenhamos paz enquanto não aprendermos a viver td isto... um grande abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2