Um Nome sem Igual



“Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o Seu nome em vão.” (Êxodo 20:7)


(pág. 27-31)


Por Loron Wade

Seria impossível esquecer aquela família unida e entusiasta que minha esposa e eu conhecemos quando morávamos em Puerto Barrios, Guatemala. Quando os visitamos na sua casa, eles – com a cortesia tão característica dos guatemaltecos – colocaram-se em pé um por um e se apresentaram. A primeira pessoa a fazê-lo foi a mãe, Carmen Reyes. Ela explicou que o esposo não estava presente, porque não morava mais com a família.

– Quando começamos a estudar a Palavra de Deus, ele ficou muito bravo e foi embora – disse ela, com tristeza.

Depois chegou a vez dos outros.

– Isabel Reyes, sua humilde serva – falou a filha mais velha.

– Ramón Díaz – apresentou-se seu irmão, um simpático rapaz de 17 anos.

– María Reyes – disse a seguinte, de modo tímido.

E assim, com largos sorrisos e piadinhas entre eles, prosseguiram até que todos se houvessem identificado.

Ficamos curiosos para saber por que alguns tinham o sobrenome Reyes e outros, Díaz. Mas, embora hesitássemos em perguntar, eles logo deixaram clara a razão.

– Nosso pai gosta de beber – começaram a contar. – Assim, toda vez que um de nós nascia, ele considerava o fato um pretexto para comemorar. Nessa condição, ele ia ao cartório civil para registrar nosso nascimento. Quando o funcionário perguntava “Quem é o pai da criança?”, ele às vezes dava seu nome, e outras vezes dizia: “Quem é que sabe? Não tenho idéia de quem seja o pai.” Ele achava isso engraçado, mas o resultado é que alguns de nós somos oficialmente reconhecidos como seus filhos e temos seu sobrenome, enquanto outros não o são, e por isso têm o sobrenome de mamãe quando solteira.

Aquela família havia aceitado a situação e nós, naturalmente, não fizemos comentários adicionais. Mas saímos dali pensando: Que tristeza! Qual será a sensação de saber que seu próprio pai não o reconhece e não está disposto a lhe dar seu sobrenome?

Jesus contou a história de um rapaz que se rebelou contra seu pai e saiu de casa. Por fim, após tremendo sofrimento, recuperou o bom senso e buscou o caminho de casa. É aqui que encontramos um dos mais lindos versos de toda a Bíblia: “vinha ele ainda longe, quando seu pai o avistou, e, compadecido dele, correndo, o abraçou, e beijou” (Lucas 15:20). Cristo procurava mostrar-nos a atitude de Deus para com todos os que vão a Ele.

O próprio Jesus disse: “O que vem a Mim, de modo nenhum o lançarei fora” (João 6:37). isso inclui todos. Talvez nos aproximemos com hesitação, duvidando um pouco, acreditando um pouco, mal entendendo e ainda nos perguntando se é possível ter esperança. Nada disso importa. A palavra-chave é: “venha!” Qualquer um que for será aceito “no Amado” (Efésios 1:6). Ninguém jamais ouvirá as palavras: “Não sei de quem ele é filho”. Em Cristo, todos somos reconhecidos; somos todos filhas e filhos legítimos.

“Não temas”, diz Ele, “porque Eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és Meu” (Isaías 43:1). Que linda certeza! Porém, há mais. “Quando passares pelas águas, Eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti” (verso 2). E essas bênçãos são para “todos os que são chamados pelo Meu nome” (verso 7).

Note que não é dito que os filhos de Deus não passarão por tempos difíceis. Eles podem passar pelas águas e quem sabe até pelo fogo. Mas a promessa é segura: os rios não te submergirão e o fogo não te queimará. Na hora amarga, “Eu serei contigo”. Por quê? Porque és chamado “pelo Meu nome”. “Tu és Meu.”
Que privilégio glorioso usar o nome do Pai! Em face desse pensamento, o apóstolo Paulo caiu de joelhos, exclamando: “Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai, de quem toma o nome toda família, tanto no Céu como sobre a Terra” (Efésios 3:14 e 15). E o apóstolo João exclama: “vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus” (1 João 3:1).

Como ter a certeza de podermos usar o Seu nome?

Talvez você se pergunte: Como posso usar esse nome? Como posso ter a certeza de ser membro da família de Deus tanto na Terra como no Céu? Nesse caso, congratulações! De todas as perguntas que alguém possa fazer na vida, essa é a mais importante.

O Senhor Jesus Cristo nos apresentou a resposta na instrução que deu aos discípulos. Disse-lhes: “ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do filho, e do Espírito Santo” (Mateus 28:19). É através do batismo que adotamos esse santo nome.

Que pensamentos lhe vêm à mente quando ouve a palavra “batismo”?

– Bem – disse-me um jovem certa vez – quando ouço essa palavra, lembro-me do batismo da minha sobrinha, quando bebê. Os pais dela a seguraram nos braços. Todos nós, parentes e amigos, formamos com eles e os padrinhos um círculo ao redor da pia batismal. Ouvimos enquanto o sacerdote tocava a testa dela com água e pronunciava as solenes palavras: “Ego baptizo te in nomine Patris, et Filii, et Spiritus Sancti. Amén.” Então todos nós dissemos reverentemente: “Aaaaaaa-men!”

A palavra latina baptizo pronunciada pelo padre naquela ocasião vem de um termo grego idêntico. No primeiro século, as pessoas comuns a usavam para se referir ao ato de colocar algo na água. Quando João Batista (literalmente, “o batizador”) começou a batizar as pessoas no Jordão (João 3:23), o rito não era novo, porque os judeus tinham ritos de purificação nos quais mergulhavam em tanques de água para lavar suas impurezas.

O apóstolo Paulo também relacionava o batismo cristão a esses ritos judaicos, chamando-o de “lavar regenerador” (Tito 3:5). Mas, em sua carta aos romanos, ele acrescentou ao simbolismo uma nova dimensão que o enriquece grandemente: “fomos, pois, sepultados com Ele na morte pelo batismo” (romanos 6:4). Em outro lugar, Paulo esclarece o que queria dizer, afirmando: “Estou crucificado com Cristo” (Gálatas 2:19).

A mudança que ocorre quando entregamos a vida a Cristo é tão grande que não é exagero falar dela como uma “morte” ou mesmo uma “crucifixão”. É a execução da pessoa pecadora que costumávamos ser. Quando somos transformados pela renovação do nosso entendimento (romanos 12:2), desaparecem os velhos padrões de pensamento desordenados e destrutivos. Novos gostos e novos valores assumem o comando. Nossos motivos e alvos são tão diferentes que se pode realmente afirmar que a pessoa que éramos morreu e uma nova nasceu.

O batismo na água é o sepultamento dessa pessoa morta. Ao mesmo tempo, é uma celebração do novo nascimento. É o anúncio de um nascimento, um testemunho visível de algo que é invisível, embora seja muito real. E é uma forma de anunciar publicamente a nova pessoa, muito diferente, que agora vive na velha casa.

As crianças se parecem com seus pais

Quando nasce um bebê, as pessoas gostam de identificar semelhanças:

– Ele tem o nariz da mamãe – diz um.

– Ele é parecido com minha tia Jane – declara a mãe.

– Não – diz o pai, orgulhoso. – Acho que ele se parece comigo.

Se realmente somos filhos de Deus mediante o novo nascimento, seremos como nosso Pai celestial. Quando as pessoas puderem dizer a nosso respeito: “Ele é bondoso e paciente” ou “Ela é humilde e prestativa”, então poderão acrescentar também: “É realmente um filho ou uma filha de Deus.”

Jesus disse: “Amai os vossos inimigos... para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste” (Mateus 5:44 e 45). Por que o ato de tratar bem a quem não merece mostra que somos filhos de Deus? Porque Deus é assim. “Ele faz nascer o Seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos” (verso 45).

Isso nos ajuda a entender o significado do terceiro mandamento, quando diz que não devemos tomar o nome de Deus em vão.

Tomar o nome de Deus em vão é dizer que somos filho ou filha de Deus e continuar com a mesma vida de antes. Significa adotar esse santo nome sem experimentar uma genuína mudança em quem somos. Como resultado, equivale a adotar o nome de uma família sem realmente pertencer a ela.

Quanto vale um nome?

Teri Hatcher atribuiu um alto preço ao seu nome quando processou o jornal londrino Daily Sport. O jornal havia publicado um artigo declarando que a atriz deixava sua filha de sete anos de idade trancada em casa enquanto saía com vários amantes. O tribunal concluiu que o periódico havia difamado o nome dela, e o editor teve de pagar elevado preço pelo dano que o artigo causara.

Quanto você acha que vale o nome de Deus? Quando não vivemos à altura do nosso compromisso cristão, nós representamos mal a Deus. Arrastamos na lama o nome da família. O apóstolo Paulo falou de algumas pessoas que faziam isso nos seus dias, declarando que “o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa” (Romanos 2:24).

Também representamos mal a Deus quando usamos o sagrado nome de maneira leviana e frívola ou o empregamos em expressões vulgares e obscenas. Quando fazemos isso, dizemos a todos que o nome de Deus não é santo, que não tem valor nem importância para nós. Seria ainda mais grave usar o nome de Deus para afirmar algo que é falso, ou deixar de cumprir uma promessa que fizemos em Seu nome.

Promessa mantida

No primeiro capítulo, fiz uma promessa. Eu disse que nunca pediria que você aceitasse cegamente as idéias deste livro, mas que teria ampla oportunidade de testar se elas são válidas. Como fazer a prova neste caso?

Se fosse uma questão de filosofia subjetiva, seria o caso de expressar várias opiniões e discuti-las. No caso de simples reflexões subjetivas e propostas curiosas, poderíamos revirá-las na nossa mente, examinando-as de todos os lados enquanto meditamos ou especulamos a seu respeito. Mas este não é o caso.

Aqui estamos falando de “mandamentos” expressos em termos imperativos. Não se diz: “Tenho a impressão de que seria preferível se vocês não tivessem outros deuses”. Ou: “vocês deveriam realmente considerar a possibilidade de suprimir a adoração de imagens.” O que os mandamentos exigem de nós é obediência.

Isso significa que o teste das declarações deve ser feito mediante a aplicação, e não a análise. Por essa razão, a prova de sua validade virá na forma dos resultados maravilhosos, dos frutos que aparecerão na vida dos que os colocarem em prática.

O primeiro mandamento nos encoraja a amar a Deus e a colocá-Lo no centro da nossa vida, e o segundo esclarece o que isso significa. Agora o terceiro mandamento leva em consideração os dois primeiros e nos diz: “Que decisão você vai tomar? Aceitará o convite que seu Pai celeste lhe faz? Vai colocá-Lo no centro da sua existência, adotando-Lhe o nome e o caráter?”

Nossa resposta determinará se Deus pode derramar sobre nossa vida as bênçãos abundantes que prometeu em Sua Palavra.

Comentários

  1. Louvo a Deus por Sua misericórdia e amor. Por Sua paciência em mostrar-me quem sou e ensinar-me a compreender quem Ele É.

    Não concebo mais minha vida sem Sua presença ao meu lado. É o melhor Amigo que alguém possa ter. Confidente e fiel nunca está ocupado para nos escutar e NEle temos a certeza de que podemos confiar.

    Muito obrigada Senhor por Tua imensa bondade para comigo.

    ResponderExcluir
  2. Amai os vossos inimigos... não é fácil, mas é ordem Divina.

    ResponderExcluir
  3. Verdade Fabiana...
    É um exercício de fé!

    ResponderExcluir
  4. Por isso Jesus disse "Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará".

    Liberdade é saber amar. E saber amar implica na incondicionalidade.

    Ele amou e nós precisamos aprender a amar como Ele amou. E este é tvz o mais dificil aprendizado.

    Tvz devéssemos começar a aprender a amar a Deus. Amando o Senhor desejaremos fazer a Sua vontade e tb se cumprirá o que está escrito.

    Pois quem diz amar a Deus e não ama o seu prórximo é mentiroso. E quem é o nosso próximo? Todo aquele que não sou eu.

    É muito dificil amar quem nos trai, nos violenta, nos machuca, nos prejudica. Só os que tem o Espírito Santo em sua vida consegue.

    Então, só há um caminho... buscar esse Deus que perdoa o pecador, mesmo abominando seus pecados.

    Que Deus nos ajude a compreender e a viver tão grande sentimento.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2