Deus o Pai

por Crescendo em Cristo


“Se vós me tivésseis conhecido, conheceríeis também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto.” (João 14:7)

Deus, o Pai Eterno, é soberano de toda a criação. Ele é justo e santo, misericordioso e cheio de graça, tardio em irar-Se e abundante em amor imutável. “As qualidades e os poderes manifestos no Filho e no Espírito Santo também constituem revelações ao Pai.” (Nisto Cremos, 46)

A Bíblia não faz uma tentativa direta de provar a existência de Deus – ela assume. As primeiras palavras da Bíblia em Gênesis 1:1 indicam que antes do mundo, Ele era. Ele é o Criador e a Fonte de toda a matéria e da vida. Deus sempre foi e sempre será Amor.



NOSSA LIMITAÇÃO E O VALOR DA FÉ


Imagine Albert Einstein tentando explicar a teoria da relatividade a uma criança de três anos de idade. Não há como essa criança captar a complexidade de tudo o que está se passando na cabeça do grande cientista. Encontramo-nos na mesma posição quando tentamos compreender a mente de Deus ou como Ele é.” (Em Plena Certeza, 17 (Divisão Sul-Americana))

“Grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado; a sua grandeza é insondável.” (Salmo 145:3)


“Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos.” (Isaías 55:8-9)


As palavras humanas não podem transmitir adequadamente como Deus é. Embora não possamos compreender plenamente a Deus, que aspecto emocionante de nosso relacionamento com Ele torna possível quando escolhemos crer nEle?


“Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem. [...] De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” (Hebreus 11:1 e 6)


Sendo que é impossível agradar a Deus sem fé, o que está envolvido é que quando realmente temos uma fé viva, por Sua graça, seremos capazes de agradá-LO. O que mais agrada a Deus é ver Seus filhos desejarem ser semelhantes a Ele, não devido as recompensas que prometeu, mas porque O admiramos e respeitamos. (Em Plena Certeza, 17 (Divisão Sul-Americana))



DEUS O PAI É UMA PESSOA E TEM SENTIMENTOS


Através da Bíblia, Deus é descrito como uma pessoa. Ele fala, ouve, vê e escreve. Ele Se arrepende, torna-Se pesaroso e demonstra ira e alegria. Mas as manifestações humanas de tais emoções, no seu melhor, ilustram imperfeitamente a forma infinita na qual Deus atua e sente.


Há alguns aspectos de sentimentos de Deus, como pessoa, indicados em vários versos bíblicos. Por exemplo:


“Pensamos, ó Deus, na tua misericórdia no meio do teu templo.” (Salmo 48: 9)


“Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus que está em Corinto e a todos os santos em toda a Acaia,” (2 Coríntios 1:1)


“no dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho.” (Romanos 2:16)


Deus é justo juiz, Deus que sente indignação todos os dias.” (Salmo 7:11)

“Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao SENHOR, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar.” (Isaías 55:7)


Necessitamos compreender que a pessoa de Deus não está limitada às nossas idéias de personalidade. Ele criou tudo, está acima de tudo, e sustenta tudo. Ele gera propósitos e opera para ver que estes sejam por fim realizados e cumpridos. 



Ele é Onipotente                           

“Então, ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso.” (Apocalipse 19:6)



Ele é alto e sublime                      

“Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.” (Isaías 57:15)



Ele é Onisciente                            

“pois, se o nosso coração nos acusar, certamente, Deus é maior do que o nosso coração e conhece todas as coisas.” (1 João 3:20)


“E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas.” (Hebreus 4:13)


“desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo,” (Efésios 1:9)


“em quem todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos ." 
(Colossenses 2:3)



Ele é eterno e imortal                 

“o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém!” (1 Timóteo 6:16)


“Assim, ao Rei eterno, imortal, invisível, Deus único, honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém!” (1 Timóteo 1:17)



Ele é Onipresente                        

“Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também;” (Salmo 139 :7-8)


“Ocultar-se-ia alguém em esconderijos, de modo que eu não o veja? - diz o SENHOR; porventura, não encho eu os céus e a terra? - diz o SENHOR.” (Jeremias 23:24)



A REVELAÇÃO PARCIAL E A REVELAÇÃO ESPECIAL


Deus tem dois livros – a Bíblia, a revelação especial e o livro da natureza, a revelação parcial.


“Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;” (Romanos 1:20)


Quando da criação, todas as coisas, em seu estado original, era uma expressão do pensamento de Deus e, como tal claramente espelhavam a natureza divina e a bondade do Criador. A natureza estava repleta do conhecimento de Deus, e tudo que a cercava era uma evidência de Sua sabedoria e amor. Porém, assim que Adão e Eva pecaram as conseqüências do pecado tornaram-se evidentes em um mundo danificado e corrompido. “Mas, mesmo nesta condição, muito do que é belo permanece. As lições objetivas de Deus, não são obliteradas; quando bem compreendida, a Natureza fala de seu Criador.” (Parábolas de Jesus, 18) 


“Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos. Um dia discursa a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite. Não há linguagem, nem há palavras, e deles não se ouve nenhum som; no entanto, por toda a terra se faz ouvir a sua voz, e as suas palavras, até aos confins do mundo. Aí, pôs uma tenda para o sol,” (Salmo 19:1-4) 


RJ Voskuyl, ex-professor de química e diretor do Wheaton College, afirma “Não se pode corretamente conhecer a Deus apenas através do mundo natural. Os cientistas podem trabalhar toda a eternidade, mas nunca chegarão a conhecer a Deus e todos os Seus atributos.”


- o homem nada mais é que uma criatura de um Criador; assim o homem não pode aprender sobre Deus apenas através da investigação de sua criação. Ele necessita de uma revelação espiritual. Esta revelação é a palavra de Deus, dada nas Escrituras.” (Members of de American Scientific Affiliation, Modern Science and Christian Faith, Wheaton, III, Van Kampsen Press, 1950), pág. 4.)


“A criação é tão cheia de complexidades que é preciso várias áreas do conhecimento humano para entendê-la. Com todo conhecimento hoje existente um só homem, mesma numa área específica do conhecimento, não é capaz de absorvê-lo em sua totalidade e dominá-lo. Os cientistas se especializam por áreas do conhecimento e, mesmo assim, esta especialização não tem permitido aos cientistas entender, no sentido de dominar, todo o contexto de uma área específica. Resultado: ficam aprisionados a um pequeno universo da ciência. Bem pequeno mesmo! [...] Como que, algo tão complexo pode ser fruto de um imprevisto, sem encadeamento lógico ou racional, sem reflexão, sem pensamento prévio? É difícil acreditar que do acaso surja algo tão complexo e cheio de inteligência. Na complexidade não dá pra acreditar no acaso. [...]


Deus fez seu delineamento inteligente para a criação, mas ele é tão complexo que com nossa pequena inteligência não nos é possível explicar qual foi a Sua metodologia, isto é, quais os materiais e métodos utilizados. Mesmo quando se tenta explicar não conseguimos unir toda sequência lógica de eventos que o Criador executou para realizar Sua criação, ainda que uníssemos todo o conhecimento científico existente nos dias atuais. O homem, portanto, é limitado. E é aí que entra em cena a fé. É preciso ter fé também para acreditar que Ele é o Criador. Admitir essa assertiva é difícil para alguns em função de uma arrogância científica, ou mesmo humana, em não querer aceitar a existência de um Deus Criador.” (Airton Alencar de Araújo. Professor Adjunto da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Estadual do Ceará e Professor do Curso de Pós-Graduação em Zootecnia da Universidade Federal do Ceará. Doutor em Ciências da Vida pela Université François Rabelais de Tour – France e Membro da Academia de Medicina Veterinária do Ceará.) 


COMO É DEUS NO ANTIGO E NOVO TESTAMENTO


“Há os que tentam retratar o Deus do Velho Testamento como implacável e atemorizador. Mas, quando devidamente compreendido o Deus do Velho Testamento pode ser visto como um Deus de justiça. Ele espera a obediência, porém paga um preço infinito para tornar essa obediência possível.” (Parábolas de Jesus)


“Ele ama a justiça e o direito; a terra está cheia da bondade do SENHOR.” (Salmo 33:5)


“O SENHOR é misericordioso e compassivo; longânimo e assaz benigno.” (Salmo 103:8)


“Enviou ao seu povo a redenção; estabeleceu para sempre a sua aliança; santo e tremendo é o seu nome.” (Salmo 111:9)


O amor de Deus não está condicionado, mas brota espontaneamente através de suas obras. Nos atos e no amor de Deus há um mistério além da compreensão humana.


“No Novo Testamento percebemos a ânsia de Deus para revelar o que julgamos quase impossível de compreender completamente – Seu maravilhoso amor e fidelidade. Mas, no Novo Testamento, temos o evento para o qual apontava o Antigo Testamento.” (Parábolas de Jesus)


Se quiser refletir um pouco mais sobre esse tema leia o artigo É o Deus do Antigo Testamento diferente em Misericórdia e Graça do Deus do Novo Testamento?” 



DEUS REVELADO NO FILHO E NO ESPÍRITO SANTO


Deus o Filho e Deus o Espírito Santo não só nos revelam como o pai é, pela demonstração de Suas qualidades e de Seu poder, mas estão também empenhados em nos ensinar sobre o Pai.


“Tudo me foi entregue por meu Pai. Ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.” (Mateus 11:27)


“Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras.” (João 14:7-11)


“nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo. Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade, nas alturas,” (Hebreus 1:2-3)


“Jesus veio não apenas para revelar o Pai, mas também para tornar-Se nosso caminho para o Pai. Ele capacitou as pessoas a verem o Pai unir-Se à humanidade, dando-lhe Sua vida, libertando-os, dando-lhes esperança, e mostrando –lhes a nova terra restaurada.” (Parábolas de Jesus)


Quando Jesus lavou os pés de Seu traidor:


“Pois ele sabia quem era o traidor. Foi por isso que disse: Nem todos estais limpos. Depois de lhes ter lavado os pés, tomou as vestes e, voltando à mesa, perguntou-lhes: Compreendeis o que vos fiz? Vós me chamais o Mestre e o Senhor e dizeis bem; porque eu o sou. Ora, se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros.” (João 13:11-14)


Quando Jesus demonstrou como o Pai é amor, quando alimentou o faminto:


“Então, Jesus lhes ordenou que todos se assentassem, em grupos, sobre a relva verde. E o fizeram, repartindo-se em grupos de cem em cem e de cinqüenta em cinqüenta. Tomando ele os cinco pães e os dois peixes, erguendo os olhos ao céu, os abençoou; e, partindo os pães, deu-os aos discípulos para que os distribuíssem; e por todos repartiu também os dois peixes. Todos comeram e se fartaram; e ainda recolheram doze cestos cheios de pedaços de pão e de peixe. Os que comeram dos pães eram cinco mil homens.” (Marcos 6:39-44)


Tenho compaixão desta gente, porque há três dias que permanecem comigo e não têm o que comer. Se eu os despedir para suas casas, em jejum, desfalecerão pelo caminho; e alguns deles vieram de longe. Mas os seus discípulos lhe responderam: Donde poderá alguém fartá-los de pão neste deserto? E Jesus lhes perguntou: Quantos pães tendes? Responderam eles: Sete. Ordenou ao povo que se assentasse no chão. E, tomando os sete pães, partiu-os, após ter dado graças, e os deu a seus discípulos, para que estes os distribuíssem, repartindo entre o povo. Tinham também alguns peixinhos; e, abençoando-os, mandou que estes igualmente fossem distribuídos. Comeram e se fartaram; e dos pedaços restantes recolheram sete cestos. Eram cerca de quatro mil homens. Então, Jesus os despediu.” (Marcos 8: 2-9)


Quando Jesus curou o surdo e o mudo:


“Vendo Jesus que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai deste jovem e nunca mais tornes a ele. E ele, clamando e agitando-o muito, saiu, deixando-o como se estivesse morto, a ponto de muitos dizerem: Morreu. Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou.” (Marcos 9:25-27)


“Jesus, tirando-o da multidão, à parte, pôs-lhe os dedos nos ouvidos e lhe tocou a língua com saliva; depois, erguendo os olhos ao céu, suspirou e disse: Efatá!, que quer dizer: Abre-te! Abriram-se-lhe os ouvidos, e logo se lhe soltou o empecilho da língua, e falava desembaraçadamente. Mas lhes ordenou que a ninguém o dissessem; contudo, quanto mais recomendava, tanto mais eles o divulgavam. Maravilhavam-se sobremaneira, dizendo: Tudo ele tem feito esplendidamente bem; não somente faz ouvir os surdos, como falar os mudos.” (Marcos 7:33-37)


Quando Jesus curou o paralítico e o leproso:


Vieram, então, uns homens trazendo em um leito um paralítico; e procuravam introduzi-lo e pô-lo diante de Jesus. E, não achando por onde introduzi-lo por causa da multidão, subindo ao eirado, o desceram no leito, por entre os ladrilhos, para o meio, diante de Jesus. Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Homem, estão perdoados os teus pecados. E os escribas e fariseus arrazoavam, dizendo: Quem é este que diz blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?


Jesus, porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse-lhes: Que arrazoais em vosso coração? Qual é mais fácil, dizer: Estão perdoados os teus pecados ou: Levanta-te e anda? Mas, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados - disse ao paralítico: Eu te ordeno: Levanta-te, toma o teu leito e vai para casa. Imediatamente, se levantou diante deles e, tomando o leito em que permanecera deitado, voltou para casa, glorificando a Deus. Todos ficaram atônitos, davam glória a Deus e, possuídos de temor, diziam: Hoje, vimos prodígios.” (Lucas 5:18-26)


“Aconteceu que, estando ele numa das cidades, veio à sua presença um homem coberto de lepra; ao ver a Jesus, prostrando-se com o rosto em terra, suplicou-lhe: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. E ele, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo! E, no mesmo instante, lhe desapareceu a lepra.” (Lucas 5:12-13)


Quando Jesus expulsou demônios:


“E eis que uma mulher cananéia, que viera daquelas regiões, clamava: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim! Minha filha está horrivelmente endemoninhada. Ele, porém, não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, aproximando-se, rogaram-lhe: Despede-a, pois vem clamando atrás de nós. Mas Jesus respondeu: Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Ela, porém, veio e o adorou, dizendo: Senhor, socorre-me! Então, ele, respondendo, disse: Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos. Ela, contudo, replicou: Sim, Senhor, porém os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos. Então, lhe disse Jesus: Ó mulher, grande é a tua fé! Faça-se contigo como queres. E, desde aquele momento, sua filha ficou sã.” (Mateus 15: 22-18)


Quando Jesus ressuscitou o morto:


“Falava ele ainda, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, a quem disseram: Tua filha já morreu; por que ainda incomodas o Mestre?


Mas Jesus, sem acudir a tais palavras, disse ao chefe da sinagoga: Não temas, crê somente. Contudo, não permitiu que alguém o acompanhasse, senão Pedro e os irmãos Tiago e João. Chegando à casa do chefe da sinagoga, viu Jesus o alvoroço, os que choravam e os que pranteavam muito. Ao entrar, lhes disse: Por que estais em alvoroço e chorais? A criança não está morta, mas dorme. E riam-se dele. Tendo ele, porém, mandado sair a todos, tomou o pai e a mãe da criança e os que vieram com ele e entrou onde ela estava. Tomando-a pela mão, disse: Talitá cumi!, que quer dizer: Menina, eu te mando, levanta-te! Imediatamente, a menina se levantou e pôs-se a andar; pois tinha doze anos. Então, ficaram todos sobremaneira admirados.” (Marcos 5: 35-42)


“Chegando Jesus, encontrou Lázaro já sepultado, havia quatro dias. Ora, Betânia estava cerca de quinze estádios perto de Jerusalém. Muitos dentre os judeus tinham vindo ter com Marta e Maria, para as consolar a respeito de seu irmão. Marta, quando soube que vinha Jesus, saiu ao seu encontro; Maria, porém, ficou sentada em casa.


Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se estiveras aqui, não teria morrido meu irmão. Mas também sei que, mesmo agora, tudo quanto pedires a Deus, Deus to concederá. Declarou-lhe Jesus: Teu irmão há de ressurgir. Eu sei, replicou Marta, que ele há de ressurgir na ressurreição, no último dia. Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês isto? Sim, Senhor, respondeu ela, eu tenho crido que tu és o Cristo, o Filho de Deus que devia vir ao mundo. Tendo dito isto, retirou-se e chamou Maria, sua irmã, e lhe disse em particular: O Mestre chegou e te chama. Ela, ouvindo isto, levantou-se depressa e foi ter com ele, pois Jesus ainda não tinha entrado na aldeia, mas permanecia onde Marta se avistara com ele. Os judeus que estavam com Maria em casa e a consolavam, vendo-a levantar-se depressa e sair, seguiram-na, supondo que ela ia ao túmulo para chorar.


Quando Maria chegou ao lugar onde estava Jesus, ao vê-lo, lançou-se-lhe aos pés, dizendo: Senhor, se estiveras aqui, meu irmão não teria morrido. Jesus, vendo-a chorar, e bem assim os judeus que a acompanhavam, agitou-se no espírito e comoveu-se. E perguntou: Onde o sepultastes? Eles lhe responderam: Senhor, vem e vê! Jesus chorou.


Então, disseram os judeus: Vede quanto o amava. Mas alguns objetaram: Não podia ele, que abriu os olhos ao cego, fazer que este não morresse? Jesus, agitando-se novamente em si mesmo, encaminhou-se para o túmulo; era este uma gruta a cuja entrada tinham posto uma pedra. Então, ordenou Jesus: Tirai a pedra. Disse-lhe Marta, irmã do morto: Senhor, já cheira mal, porque já é de quatro dias. Respondeu-lhe Jesus: Não te disse eu que, se creres, verás a glória de Deus?


Tiraram, então, a pedra. E Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: Pai, graças te dou porque me ouviste. Aliás, eu sabia que sempre me ouves, mas assim falei por causa da multidão presente, para que creiam que tu me enviaste. E, tendo dito isto, clamou em alta voz: Lázaro, vem para fora! Saiu aquele que estivera morto, tendo os pés e as mãos ligados com ataduras e o rosto envolto num lenço. Então, lhes ordenou Jesus: Desatai-o e deixai-o ir. Muitos, pois, dentre os judeus que tinham vindo visitar Maria, vendo o que fizera Jesus, creram nele.” (João 11: 17-45)



Quando Jesus perdoou os pecadores:


“disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério. E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes? Isto diziam eles tentando-o, para terem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo. Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra. E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão. Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava. Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.” (João 8: 4-11)


Nos dias atuais, o Espírito Santo dirige nossa mente para o maior dom de amor do Pai, manifestado em Seu Filho. Ele insiste em que não resistamos a Seus apelos, mas aceitemos o único meio pelo qual podemos ser reconhecidos com o nosso amorável e gracioso Pai.


“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis. E aquele que sonda os corações sabe qual é a mente do Espírito, porque segundo a vontade de Deus é que ele intercede pelos santos.” (Romanos 8:26-27)


“quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar. Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso é que vos disse que há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar.” (João 16:13-15)


"Deus é frequentemente descrito como um juiz implacável, um Deus de vingança de quem se deva ter medo. Esta descrição é estranha à Bíblia."


“Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?” (Salmos 42: 1-2)


Confia os teus cuidados ao SENHOR, e ele te susterá; jamais permitirá que o justo seja abalado.” (Salmos 55: 22)


“Como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR se compadece dos que o temem. Pois ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó.” (Salmos 103: 13-14)



Há quatro categorias de crenças relativas à doutrina de Deus

1- Ateísta: crê que não há Deus

2- Agnoística: crê que é impossível conhecer se há um Deus, uma vida futura ou alguma coisa que seja corpórea.

3- Deísta: crê que Deus criou o mundo, mas não exerce o controle sobre ele ou sobre a vida de seus habitantes.

4- Teísta e Cristã: creem na existência e no poder controlador de Deus.

“O Evangelho tem de ser apresentado, não como uma teoria sem vida, mas como força viva para transformar a vida. Deus deseja que os que recebem Sua graça sejam testemunhas do poder da mesma.” (O Desejado de Todas as Nações, 790)


“A Bíblia ensina que Deus o Pai eterno é uma pessoa divina. Ele é Todo poderoso, conhece todas as coisas, e é capaz de estar em todos os lugares ao mesmo tempo. Seu grande amor pelos seres humanos caídos levou-O a um sacrifício infinito pela salvação deles. Embora, a perfeita equidade e justiça do pai nunca tolerem ou justifique o pecado, Ele faz o supremo esforço de redimir os pecadores e de restaurá-los a uma condição de perfeita pureza.” (O Desejado de Todas as Nações, 22)



Ruth Alencar

Comentários

  1. "Sendo que é impossível agradar a Deus sem fé, o que está envolvido é que quando realmente temos uma fé viva, por Sua graça, seremos capazes de agradá-LO. O que mais agrada a Deus é ver Seus filhos desejarem ser semelhantes a Ele, não devido as recompensas que prometeu, mas porque O admiramos e respeitamos. (Em Plena Certeza, 17 (Divisão Sul-Americana)"

    Isto é muito importante! O nosso relacionamento com Deus não pode fundamentar-se no receber de Deus, mas em Quem Ele É. Ás vezes a resposta de Deus vem diferente do que pedimos e não pode haver em nós a confusão de que Ele não escuta, não nos ama, nos entregou á própria sorte!

    "O que mais agrada a Deus é ver Seus filhos desejarem ser semelhantes a Ele, não devido as recompensas que prometeu, mas porque O admiramos e respeitamos.",

    Outra coisa importante a considerar é que nossa postura diante do agir de Deus revela como vemos Deus.

    “O Evangelho tem de ser apresentado, não como uma teoria sem vida, mas como força viva para transformar a vida. Deus deseja que os que recebem Sua graça sejam testemunhas do poder da mesma.” (O Desejado de Todas as Nações, 790)

    Quanta verdade há nessas palavras!

    "Adoração, na Bíblia, é assunto sério. Não é uma questão de gosto pessoal, nem é uma questão de fazer as coisas preferidas ou seguir as próprias inclinações. Embora haja sempre o perigo de se envolver em tradições e rituais mortos, devemos ser cuidadosos para não permitir que a autoexaltação, a satisfação pecaminosa e o desejo de glória pessoal ditem nossa maneira de adorar.[...] a verdadeira adoração ao Senhor, de uma forma que muda nossa vida e nos coloca em conformidade com Sua vontade e caráter", deve ser o foco do nosso agir diante de Deus.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

Refletindo um pouquinho sobre 2 Reis 2: 9- 13