Inexistente ou rei da arte de se camuflar?




O Camaleão é o rei dos disfarces! É o animalzinho conhecido por mudar a sua cor para se adaptar a um ambiente ou a uma situação. Esta estratégia o ajuda a se proteger de potenciais predadores e a passar despercebido por eles. Você sabia que o camaleão pode movimentar os dois olhos independentemente? A camuflagem do camaleão é um mecanismo de defesa espetacular, pois ajuda na preservação de sua vida.

Mas, o camaleão não é o único a usar o método da camuflagem, isto é, não é o único a dominar a técnica de misturar-se ao ambiente de forma que além de disfarçado, torna-se praticamente invisível! Há um homem que sabe viver com arte o seu lado camaleão.

Você já ouviu falar em Liu Bolin? Não? Então, deixe-me apresentá-lo. Ele nasceu em 1973 na província de Shandong. Graduou-se na Faculdade de Artes de Shandong e de Pequim Academia Central de Belas Artes.





Veja agora algumas imagens de suas impressionantes apresentações:





















Liu Bolin é espetacular, não acham?
A camuflagem como mecanismo de defesa ou arte é algo muito interessante. Mas, no que se refere ao caráter devemos ser sempre transparentes e verdadeiros. Para que possamos ser amados pelo que somos e não pelo que fingimos ser.

Preciso, entretanto, falar de outro ser que utiliza muito a estratégia de camuflar-se. Ele é muito perigoso, pois chega a utilizar-se do bem para alcançar seus objetivos. Em sua sagacidade tenciona a união dos seres humanos sob o seu comando. Numa relação contraditória, ao mesmo tempo em que os confunde quanto à interpretação das verdades contidas na Bíblia e os divide, ele os une através de alguns conceitos para melhor manipulá-los. Conceitos estes que, embora sendo os mesmos, assumem roupagens e interpretações diferentes. Estamos falando do sobrenatural e de tudo que o compõe: o misticismo, a vidência e a idolatria.

Desde que perdeu sua posição de anjo mais exaltado no Céu, Satanás tenta envolver os seres humanos em sua rebelião, e isto ele consegue quando obscurece nas mentes a ideia da criação divina e da redenção em Cristo. As teorias científicas que negam a existência de um Criador e a doutrina da reencarnação são suas armas mais eficazes. As teses científicas que explicam a origem da vida a partir da negativa da existência de Deus são os resultados de seus estratagemas para afastar o homem de seu Criador. Não estou dizendo que os ateus têm ligação com o diabo. De forma alguma! Por favor, não confundamos as coisas! Mesmo porque os ateus nem creem que ele exista!

Estou dizendo que levar o homem a descrer de Deus é resultado das estratégias de Satanás para afastá-lo de Deus. A questão, entretanto, fica mais séria ainda quando o homem nega também a existência do mal como um ser.

Ele não desiste e quando suas estratégias começam a frustrar-se, ele parte para outro estratagema. Quando leva o homem a desobedecer a Deus, automaticamente faz com que ele rejeite a soberania divina sobre sua vida. Mas, quando não consegue levá-lo a negar a Sua existência e rejeitá-Lo, leva-o a obedecer-Lhe de maneira errada. Induz-lhe a elaborar uma maneira própria de adorar e obedecer. Muitos pensando que estão servindo a Deus e LHE obedecendo, muitas vezes não estão. Por isso, Jesus disse:

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.” (Mateus 7:21-23)

A vontade do Pai é a Sua Lei e esta Lei é o princípio de Seu governo e de Sua relação com a sua criatura. Submeter-se a essa Lei é aceitar Seu domínio. O foco de ação do inimigo de Deus passa, então, a ser essa relação de obediência. Devagarzinho ele tem induzido a humanidade a rejeitar essa relação e a procurar em si mesma a solução para seus problemas. Muitos procuram respostas nas teorias humanas quando deveriam buscar na teologia. E porque a ciência humana é limitada e incapaz de explicar e responder de maneira completa os seus ‘por quês e como’, muitos procuram suas respostas no misticismo. Muitas teorias humanas, teses religiosas e filosofias de vida nasceram desta busca. A crença na imortalidade da alma é uma delas. Dela surgiu o espiritismo, o budismo, o hinduísmo, as inúmeras filosofias que compõem a Nova Era, o culto aos homens e mulheres ditos “santos” e canonizados por seguimentos do cristianismo.

“Muitos cientistas usam o nome de Deus não porque O estão reconhecendo como tal, mas porque O veem dentro de um conceito abstrato, como uma forma de energia impessoal. Muitos cientistas hoje estão enveredando para a linha que estabelece um paralelo entre a física e o misticismo. Declaram que a ciência ultrapassou os limites da capacidade humana de percepção sensorial. Daí porque não se pode mais confiar de forma absoluta na lógica e na razão. E apontam como solução a busca da verdade através da meditação oriental.” (Guilherme Silva, texto “Mundo Reencantado”, editado na Revista Sinais dos Tempos de Julho-Agosto/2001, Casa Publicadora Brasileira.”

O conselho de Paulo, um dos discípulos de Jesus, para o jovem Timóteo vale também para nós: “Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos e profanos e às oposições da falsamente chamada ciência.” (I Timóteo 6:20)

Satanás é o maior interessado de que as pessoas se afastem da verdadeira ciência e busquem o misticismo como respostas às suas dúvidas. Ele é o maior interessado em que o ser humano creia que pode se auto-redimir através da ‘‘evolução espiritual’’, e que o pecado é uma ilusão judaico-cristã. Ele, o inimigo de Deus, que desde o início do mundo vem contestando a forma como Deus governa no Universo.

Quando ele não consegue nos afastar ou nos fazer rejeitar a cruz, ele se utiliza de contrafações. Ele mescla a mentira com a verdade e produz a falsa verdade, que não é outra coisa senão a mentira, com o único objetivo: ENGANAR e às vezes consegue enganar até os servos de Deus. Por isso, mesmo sendo crentes em Deus muitos se perderão. Dogmas conduzem à perda da salvação. Ter fé é imprescindível, mas fé sem a atitude não passa de letras mortas.

Satanás sabe que fragilizando nossa relação com Deus, fica mais fácil nos envolver em seus engodos. Então, ele não bate de frente, ao contrário, consciente do seu próprio alvo, distorce a verdade com dogmas humanos e doutrinas contrárias à Bíblia. No entanto, repletas de motivação espiritual, com sua estratégia conduz milhares ao erro espiritual. Para satanás tanto faz a religião que professamos, ele só não quer que estejamos na comunhão verdadeira com o Criador. Eu não ouso denominar esta comunhão. Apenas digo que Jesus é o único e exclusivo caminho para chegarmos a Deus.

Satanás sabe que quanto menos soubermos sobre Deus e Seu amor mais nos voltaremos para nós mesmos, mais seremos egoístas. A sua velha tese é: não busque a Deus, você não precisa dEle para resolver seus problemas e conflitos. Ou, então, Deus não escutará você, busque intercessores, eles O sensibilizarão quanto às suas necessidades. Neste ponto, um seguimento importante do cristianismo tem caído nos laços da armadilha da fé equivocada. Aqui estão muitos que se perderão mesmo sendo sinceros em sua fé.

Ele se disfarça através de uma teoria ou uma religião, ou de uma filosofia, chegando mesmo a se transformar em um ser de luz, com mensagens de paz. Essa é a sua arma: a mentira, a contrafação.

Segundo Koogan/Houaiss, contrafação “é uma obra que imita ou reproduz fraudulosamente outra.” E o inimigo de Deus é assim, fraudulento, mentiroso e enganador.

Há uma tendência crescente para a incredulidade na existência real de Satanás e seus anjos maus. Sem falar daqueles que o consideram apenas uma energia negativa. Explicam que os anjos bons são apenas os “espíritos desencarnados” de seres humanos falecidos. Para Satanás é bom que se pense assim. Desta forma ele pode continuar mascarando suas reais intenções. Ele ganha terreno quando nos afasta dos ensinamentos contidos na Palavra de Deus, quando distorce as verdades nela inseridas. Quando faz com que ela seja rejeitada, esquecida e negligenciada. Ele exulta quando consegue que homens a considerem ultrapassada e obsoleta. Quando tira de nossos corações o desejo de lê-la, porque ele sabe que somente através da Bíblia ele é desmascarado e suas teses desmistificadas. Ele sabe que seu conflito com o Criador caminha para um desfecho, por isso a cada geração tem intensificado suas ações e mentiras.

Satanás procura desviar-nos, enganar-nos e destruir-nos com o simples propósito de atingir a Deus. Entre ele e os seres humanos não existe naturalmente uma inimizade. A inimizade surge quando o ser humano tem uma relação consciente com Deus, aprende a amá-LO e consequentemente ama ao próximo. É a graça que Deus dá ao ser humano, que gera em sua consciência a inimizade contra Satanás.

Quando Deus tornou-Se homem para nos salvar, vindo a terra, não foi porque Ele veio pobre e humilde que muitos O rejeitaram. A Sua vida de renúncia e amor ao próximo, provocou e tem provocado essa rejeição, pois até hoje é uma reprovação ao nosso orgulho e vaidade. O homem “ama” pelos olhos. Satanás sabe disso, por isso ele trata também de encher de pompa, luxo e vaidade aquilo que ele usa como isca. Por isso, não acredito em poder religioso que se reveste de domínio, do absolutismo, da vaidade e do luxo.

As hostes do mal têm se intensificado em nossos dias. Satanás e seus anjos interferem nos detalhes da vida de cada um de nós: enfraquecem os princípios morais, desfazem casamentos e arruínam famílias, pois sabem que quando a família está enfraquecida é mais fácil de corromper os valores e consequentemente a sociedade como um todo. Ele seduz homens, mulheres e crianças. Semeia a rivalidade entre as nações, o ciúme, a contenda, a mágoa entre casais, amigos, parentes, irmãos, pais e filhos.

Quem não se emocionou com a dor de Pelé ao ver seu filho Edinho preso por denúncias de associação ao tráfico de drogas? Quem não o ouviu pronunciar a frase: “sempre combati as drogas, sempre dei palestras aos jovens sobre os perigos das drogas... e dentro da minha casa aconteceu... Deus vai me explicar por quê.” 

Viu! É isto que acontece. Satanás com a conivência do homem faz e depois tenta nos fazer crer que Deus é o responsável por nossos sofrimentos. Deus não é o autor do mal, mas muitas vezes, inconscientemente o atribuímos a Ele.

O conselho divino é: “sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar.” (I Pedro 5:8)

“[...] fortalecei-vos no Senhor e na força de Seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firme. Estai pois, firmes tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; e calçados os pés na preparação do Evangelho da Paz. Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podeis apagar todos os dardos do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus.” (Efésios 6:6-17)

É preciso que conheçamos o caráter de Deus e de Satanás. Somente assim, poderemos reconhecer a natureza de nossas ações. Satanás é vencido quando é desmascarado em suas mentiras. É importante, porém, que em todo esse processo compreendamos que não estamos órfãos. Deus promete nos ajudar e nos fazer vencer. Ele nos adverte que muita coisa existe entre o Céu e a Terra. A Bíblia está repleta de narrativas envolvendo o mundo visível com o invisível.

Eis, entre muitos, alguns versos existentes na Bíblia que falam da atividade destes seres entre nós:
  • “Então Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar a Israel.” (1 Crônicas 21:1)
  • E vindo um dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles.” (Jó 1:6)
  • “E me mostrou o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do anjo do Senhor, e Satanás estava à sua mão direita, para se lhe opor.” (Zacarias 3: 1)
  • “Então disse-lhe Jesus: vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás. Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviram.” (Mateus 4:10-11)
  • No episódio da expulsão dos demônios (anjos maus) do endemoninhado de Gadara: “Legião é o meu nome, porque somos muitos.” (Mateus 5:9)
  • No episódio da filha da mulher grega que também era atormentada por um demônio: “E esta mulher era grega, siro-fenícia de nação, e rogava-lhe que expulsasse de sua filha o demônio.” (Marcos 7:26)
  •  No episódio do moço que se jogava no fogo por ter um demônio mudo: “E um da multidão, respondendo, disse: Mestre, trouxe-te o meu filho, que tem um espírito mudo; E este, onde quer que o apanha, despedaça-o, e ele espuma, e range os dentes, e vai definhando; e eu disse aos teus discípulos que o expulsassem, e não puderam. E ele, respondendo-lhes, disse: Ó geração incrédula! até quando estarei convosco? até quando vos sofrerei ainda? Trazei-mo. E trouxeram-lho; e quando ele o viu, logo o espírito o agitou com violência, e, caindo o endemoninhado por terra, revolvia-se, escumando. E perguntou ao pai dele: Quanto tempo há que lhe sucede isto? E ele disse-lhe: Desde a infância. E muitas vezes o tem lançado no fogo, e na água, para o destruir; mas, se tu podes fazer alguma coisa, tem compaixão de nós, e ajuda-nos. E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê. E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade. E Jesus, vendo que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai dele, e não entres mais nele. E ele, clamando, e agitando-o com violência, saiu; e ficou o menino como morto, de tal maneira que muitos diziam que estava morto. Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou.” (Marcos 9:17-27)
  • No episódio do endemoninhado cego e mudo: “Trouxeram-lhe, então, um endemoninhado cego e mudo; e, de tal modo o curou, que o cego e mudo falava e via.” (Mateus 12:22)

Estes são alguns dos muitos exemplos, narrados na Bíblia, da presença ativa desses anjos maus entre nós. Todos os exemplos acima mostram possessos passando por muito sofrimento. Porém, a Bíblia também registra casos de possessão sem conflito com as forças do mal. O discípulo de Jesus, chamado Pedro foi um deles. “Mas ele, virando-se, e olhando para os seus discípulos, repreendeu a Pedro, dizendo: Retira-te de diante de mim, Satanás; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas as que são dos homens.” (Marcos 8:33)

Em nossos dias vemos exemplos de classes de pessoas que submetem-se a dominação satânica sem fazer qualquer resistência. Quantas novelas e programas de TV têm invadido nossos lares, cheios de promiscuidade, ódio e assassinato! Uma após outra e há vários e vários anos! Quantos princípios e valores se perderam com seus ensinos imorais! Quantas gerações têm se formado, embaladas pelas mensagens subliminares de Satanás através da mídia!

O que falar dos ‘adivinhadores do futuro’, incorporados nos leitores de cartas, tarôs, jogadores de búzios? E o que falar das crenças da força das pirâmides e dos objetos místicos (gnomos, bruxinhas, etc.)? Em várias ocasiões Deus condenou as práticas adivinhatórias como um todo: “O meu povo consulta a sua madeira, e a sua vara lhe responde, porque o espírito da luxúria os engana, e prostituem-se, apartando-se da sujeição do seu Deus.” (Oséias 4:12) 

Ao nos alertar para não buscarmos essas práticas o Criador não tem a intenção de usurpar o nosso livre arbítrio. Ele nos orienta quanto aos perigos nelas contidos, mas não nos impede de buscá-las. Seremos sempre moralmente livres. O que Deus faz é nos alertar contra as inteligências invisíveis, aparentemente inofensivas e úteis, mas enganadoras e maléficas. É essa a mensagem de Efésios 6:11-18: “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança e súplica...”

Segundo a Bíblia, são estes espíritos inteligentes, enganadores e dissimulados que produzem entre outras coisas essas aparições que inspiram as revelações e predições dos astrólogos, cartomantes, gurus, médiuns, adivinhos, numerólogos, feiticeiros e bruxos antigos e modernos.

Nenhum de nós seria enganado se guardasse no coração a história do jardim do Éden. Não foi a serpente que falou, mas um espírito enganador. O mesmo que, sob a forma de um anjo, tentou enganar Jesus: “E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz”. (2 Coríntios 11:14)

A Bíblia nos adverte: “E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. [...] Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.” (Apocalipse 12:9-10)

Desde o início Satanás tem se esforçado para enganar a humanidade e torná-la inimiga de Deus. Desde aquele dia, no Jardim do Éden, ele tem se disfarçado para nos distanciar do Criador. Desde aquele dia tem ele trabalhado arduamente para confundir a mente humana, a fim de que não compreendesse o plano da salvação e sua relação com a morte. A Bíblia ensina de modo simples o que Deus deseja que saibamos acerca da morte e seu remédio. Compreendendo o plano de Deus em relação à morte e à ressurreição, o aguilhão da morte será removido. Toda pessoa deve interessar-se no que lhe há de acontecer por ocasião da morte. Deve saber justamente para onde vai quando o último suspiro abandonar seu corpo, pois todo vivente defronta o mistério da morte, mais cedo ou mais tarde.

Satanás tem usado de estratagemas e ardises que mascaram sua identidade. Tem lançado mão da mentira para atingir seus objetivos. Sua política é ocultar-se a si mesmo e agir às escondidas. A imortalidade prometida pelo Criador à humanidade estava sob a condição da obediência e foi perdida pela transgressão. Adão e Eva não puderam transmitir para sua posteridade o que não mais possuíam. As interpretações vagas e imaginosas da Bíblia geraram muitos dogmas de fé religiosa e até hoje se encontram no meio cristão. Satanás trabalhou para fazer o homem crer que guardara em sua natureza a imortalidade.

Contraria todo sentimento de amor e misericórdia, e mesmo a todo o senso de justiça a doutrina do purgatório ou dos homens ardendo eternamente em um lago de fogo e enxofre devido a uma curta vida em pecado. Isto é um absurdo! Porém, esta doutrina é aceita por muitos cristãos, embora não tenha base bíblica.

Infelizmente este erro tem levado outros a avançar em novos passos errados. A crença na imortalidade estendeu seu braço nas vias da oração. Muitos fazem orações intercessoras por seus mortos, outros se batizam por seus ente queridos, outros canonizam, beatificam, idolatram seus mortos. E o que é mais grave, os transformam em intercessores espirituais. Mas, a bíblia diz em 1 João 2:1 –2 : “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro.”

Jesus Cristo nos basta em Si mesmo. Procurar outro e outros é confirmar que não se crer que o sacrifício e a intercessão de Cristo seja suficiente em si mesma. E infelizmente, sem Ele não há salvação. Maria, a abençoada mãe de Jesus, compreendeu isto quando disse: “A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador” (Lucas 1:46-47).

Tenho um carinho muito especial por Maria. Quando o Senhor Jesus voltar Ele vai ressuscitar a todos os que dormem o sono da morte. Entre estes, estarão mamãe e Maria. São as mulheres que me inspiram nesta vida. Quero abraçá-las por terem vivido o amor de maneira tão incondicional e verdadeira.

Você está chocado pelo fato de incluir Maria entre os que estão esperando o cumprimento da ressurreição? Saiba, pois que se há alguém que ensina que ela foi assunta ao Céu, não está falando conforme a Bíblia.

Sua assunção é um dogma dentro do cristianismo. Este dogma foi proclamado ‘ex cathedra’ pelo Papa Pio XII, no dia 1º de novembro de 1950, por meio da Constituição Munificentissimus Deus"Depois de elevar a Deus muitas e reiteradas preces e de invocar a luz do Espírito da Verdade, para glória de Deus onipotente, que outorgou à Virgem Maria sua peculiar benevolência; para honra do seu Filho, Rei imortal dos séculos e vencedor do pecado e da morte; para aumentar a glória da mesma augusta Mãe e para gozo e alegria de toda a Igreja, com a autoridade de nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo e com a nossa, pronunciamos, declaramos e definimos ser dogma divinamente revelado que a Imaculada Mãe de Deus e sempre Virgem Maria, terminado o curso da sua vida terrena, foi assunta em corpo e alma à glória do céu".

O Novo Catecismo da Igreja Católica declara: "A Assunção da Santíssima Virgem constitui uma participação singular na Ressurreição do seu Filho e uma antecipação da Ressurreição dos demais cristãos" (n. 966). Precisamos, no entanto, ressaltar que isto não está na Bíblia. Falaremos mais sobre isto em outro texto.

“Não é o servo maior que o senhor”, disse Jesus. Por que, então, negar a Jesus, Nosso Senhor e Salvador, o culto o qual somente Ele é digno de receber? Por que desviar esse culto para alguém que um dia disse necessitar dEle como Salvador?

Continuemos...

Satanás é um especialista na arte de seduzir e enganar. É ele e seus anjos que se disfarçam de espíritos de mortos, aparecem nas sessões espíritas e se apresentam com a aparência física de homens e mulheres que já morreram. Que me perdoem os amigos espíritas, mas não posso me omitir quanto a essa verdade! A Bíblia assim o define.

Para as pessoas mais cultas, manifestam-se nas sessões espíritas tradicionais ou tratamentos de regressão, disfarçando-se de espíritos de mortos para aqueles que tentando descobrir vidas passadas, firmam-se na crença da reencarnação. Muitas dessas atividades, no entanto, se apresentarão no seu estado grotesco, com sangue de galinhas e bodes pretos, ou despachos misteriosos em determinados lugares. Já outras vão se apresentar em forma de atividades de filantropia e beneficência social.

Isto é duro de ler. Você compreende? Talvez esteja se perguntando: mas, não foi Jesus que disse que devemos amar o nosso próximo, prover ajuda aos órfãos e necessitados? Foi e isto está correto, corretíssimo, é a lei do amor.

O problema é que o inimigo de Deus se apropria desta verdade, usa-a para esconder uma grande mentira. Apresenta a salvação pelas obras, afirma que a reencarnação e as boas obras são instrumentos de auto-redenção. Afinal, não é essa a mensagem-lema do espiritismo: “Sem caridade não há salvação”?

Em sua sagacidade Satanás usará de muitas artimanhas para levar o ser humano a adorar e obedecer a qualquer um ou a qualquer coisa, menos a Deus. Ele tem usado, e ainda muito usará como instrumento poderoso para enganar a humanidade, tudo o que estiver relacionado com o estado dos mortos.

O que tenho dito até aqui, com certeza irá de encontro à fé de muitos, por favor, não se magoem com minhas palavras, Deus sabe o quanto estou sendo cautelosa para não lhes ferir a fé. Não posso me omitir diante do que está escrito na Bíblia. Unicamente estudando a Palavra de Deus e conhecendo os enganos usados por esse sinistro poder seremos capazes de escapar de suas ciladas. Isto vale muito para mim também como cristã adventista. Afinal, a Igreja Adventista não está isenta de seus ataques.

Alguns de nossos principais princípios de fé é o reconhecimento da importância da obediência aos Mandamentos do Senhor no exercício da fé. Quantos, no seio da igreja, já não se depararam com membros que idolatram o dia do sábado?

Outro exemplo são os nossos princípios de saúde. Quantos, no seio da igreja, já não se depararam com membros que colocam a salvação em um prato de comida?

Reconhecemos em Ellen White uma mulher usada por Deus para “conduzir as pessoas à Palavra de Deus, a qual elas têm negligenciado em seguir.” Quantos, no seio da igreja, já não se depararam com membros que colocam seus escritos acima ou no mesmo pé de igualdade com a Bíblia? E, portanto, Ellen White mesmo escreveu no livro Grande Conflito: “Em Sua Palavra, Deus conferiu aos homens o conhecimento necessário à salvação. As Santas Escrituras devem ser aceitas como autorizada e infalível revelação de Sua vontade. Elas são a norma do caráter, o revelador das doutrinas, a pedra de toque da experiência religiosa. [...] O Espírito não foi dado - nem nunca o poderia ser - a fim de sobrepor-Se à Escritura; pois esta explicitamente declara ser ela mesma a norma pela qual todo ensino e experiência devem ser aferidos.” (Grande Conflito pág.07)

Ellen White mesmo explica que sua função é de exaltar a Palavra de Deus, “e de direcionar para as Escrituras os pensamentos de todos afim de que a magnífica simplicidade da verdade faça impressão sobre eles” (Testemunhos para a Igreja vol.5 pág. 665). “Os testemunhos, afirma ela, não têm por objetivo trazer nova luz, mas imprimir fortemente no coração as verdades inspiradas já reveladas na Bíblia.” (Testemunho para a Igreja vol.5 pág. 665).

A falta de discernimento espiritual refletida na imaturidade espiritual faz com que certos adventistas distorçam tudo e o sábado é testemunhado como um jugo. Os escritos de Ellen White são tidos como um ‘evangelho’ à parte da Bíblia e os princípios de saúde são postos como ponto de salvação. A mensagem da graça pela fé é escamoteada pela mensagem equivocada de alguns. Precisamos estar atentos para aquilo que é verdadeiro em sua essência.

Mas, voltemos às experiências mediúnicas. Estas experiências têm transposto as fronteiras das sessões espíritas. Este tema tem invadido novelas, filmes e livros. Satanás age por meio de pessoas, ideologias e conceitos religiosos. Seus agentes principais são os que menos suspeitamos estar sob o seu domínio. Nem sempre aquilo que representa paz e caridade pertence a Jesus. Por isso, Jesus disse: “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.” (Mateus 10:16)

A caridade não é consagrada a Deus quando se transforma num poder para o mal, quando alimenta a vaidade, ao encher o homem de justiça própria e autopromoção. A verdade é: somente em Jesus nos tornamos melhores, sem Ele nada somos. Não são nossas atitudes e práticas que nos ‘promovem’ ou nos ‘habilitam’ a sermos filhos de Deus. Mas o que é gerado pela presença de Jesus em nosso caráter que nos faz viver em consequência. Não alcanço a vida eterna com minhas obras, mas a graça de Deus, a obra realizada através da morte expiatória de Jesus (Deus Filho), por mim, me permite obtê-la.

“Quando, pois, vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os adivinhos, que chilreiam e murmuram: Porventura não consultará o povo a seu Deus? A favor dos vivos consultar-se-á aos mortos? À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles.” (Isaías 8:19-20) 

Para os que pensam que compactuo com a intolerância religiosa, digo: Satanás e seus agentes vêm interferindo ao longo da história da humanidade em seus assuntos de fé. Eles têm agido entre os cristãos e os não cristãos. Muitos cultos, evangélicos ou não, hoje estão abarrotados de manifestações sobrenaturais! Muitos púlpitos têm se transformado em verdadeiros palcos de shows. Pregadores gritam, pulam, enquanto os fiéis com as mãos para cima choram e se “contorcem” emocionalmente! Línguas estranhas se manifestam e verdadeiros “shows” de emoções se revelam. Pregadores travam diálogo com os demônios. E isto não é orientado pela Bíblia. Ao contrário, mesmo Jesus Se limitava a expulsá-los. Em raríssima situação perguntou qual o nome de um deles.

Presenciamos hoje em algumas igrejas evangélicas o culto emocional. Deus quer um culto racional. Todo culto impregnado pela emoção tende a irracionalidade e Deus quer nos receber conscientes de nossa fé.

Todos, ateus, islâmicos, budistas, hindus, espíritas e cristãos (católicos ou evangélicos), somos seres inteligentes, dotados do livre arbítrio e moralmente responsáveis diante do fenômeno fé. Porém, a existência de Deus é real e independe de nossa posição. Ele existe como Único Deus, Poderoso e Criador. Ele não nos impede de assumirmos a fé que escolhemos porque Ele nos respeita como seres livres, mas isto não muda a verdade. Toda religião, filosofia de vida ou ato de fé que se contradiz com os Seus princípios não são aceitos por Ele. E, um dia, todos teremos que comparecer perante o Seu tribunal e responderemos as consequências da opção assumida. E isto não ocorre ou ocorrerá por ocasião da morte de cada um, mas somente quando Ele vier a Terra pela segunda vez, com o intuído de retomar Seus filhos das mãos do Seu inimigo. Então, Ele virá não mais como um Salvador, mas como um Juiz.

Saiba que Satanás pode apresentar uma contrafação tão parecida com a verdade, que engana os que estão dispostos a serem enganados. Sobre o erro fatal da imortalidade repousa a doutrina da consciência na morte, doutrina que, semelhantemente à do tormento eterno (inferno, purgatório), se opõe aos ensinos da Bíblia e aos ditames da razão.

Quando o homem se supervaloriza ou se valoriza excluindo a necessidade da intervenção de Deus em seu socorro, é uma presa fácil nas mãos do inimigo de Deus. Lembre, seu maior objetivo é minar a sua confiança em Deus e em Sua Palavra. Então, ele diz: você viverá, não morrerá. Você terá outras oportunidades de vida. Reencarnará e terá novas chances. Em cada uma delas você se esforçará, fará boas obras até chegar a ser um ‘espírito superior’. Algumas crenças dizem: até chegar a ser um deus. Isto não é muito diferente do que Satanás disse para Eva: “não morrereis, sereis como Deus, sabendo o bem e o mal...” (Gênesis 3).

A teoria da imortalidade da alma foi uma das falsidades que o catolicismo romano tomou emprestado do paganismo e incorporou ao cristianismo. Martinho Lutero classificou-a como uma “monstruosa fábula.” (O Problema da Imortalidade, de E. Petavel)

Vivemos sob um grande paradoxo. Avançamos na ciência e muitas doenças terríveis encontraram suas curas e prevenção. Estamos mais próximos e bem informados com a ajuda da internet, dos satélites e dos celulares. Mas, num efeito inverso estamos nos degenerando enquanto seres inteligentes. Estamos desaprendendo a viver em sociedade porque estamos perdendo nossos valores e referências. Estamos cada vez mais orgulhosos, fraudulentos, materialistas, vaidosos... “mais amantes de nós mesmos do que de Deus.”

Entretanto, estamos impotentes diante de todo esse quadro? Não! Mil vezes não! Podemos decidir, escolher. O nosso livre arbítrio Satanás jamais poderá nos roubar, Deus nunca permitirá.
Para aqueles que decidem seguir Sua vontade Deus designa um anjo protetor. Isto o próprio Satanás reconheceu, quando disse: “Então respondeu Satanás ao SENHOR, e disse: Porventura teme Jó a Deus debalde? Porventura tu não cercaste de sebe, a ele, e a sua casa, e a tudo quanto tem? A obra de suas mãos abençoaste e o seu gado se tem aumentado na terra.” (Jó 1:9-10). Em outra ocasião o rei Davi disse: “O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra.” (Salmo 34:7)

Esses anjos, que são os anjos bons, têm acesso à presença de Deus, pois Jesus mesmo disse que “Vede, não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre vêem a face de meu Pai que está nos céus.” (Mateus 18:10)

Por isso, quando decidimos pelo Criador não devemos temer Satanás e seus anjos maus, pois Jesus nos assegura uma incessante proteção. Entretanto, Ele nunca prometeu que Seus filhos não sofreriam durante sua existência. Prometeu sim, que estaríamos amparados quando o sofrimento nos afligisse. Deus nos dá Seu conforto quando aceitamos a dor de uma doença incurável, a dor da morte de um ente querido. Ele pode nos dar a capacidade de administrar essa dor com o Seu conforto. Isto não quer dizer que não devemos chorar. Isto não quer dizer que devemos nos alegrar ante a dor. Não! Afinal, não fomos criados para sofrer. Quer dizer sim, que a presença de Deus em nosso coração nos fortalece e nos conforma nestas horas.

Um dia, quando Jesus vier a segunda vez à Terra, Ele prometeu que “limpará dos olhos toda a lágrima” (Apocalipse 7:17) . Só porque estamos sofrendo isto não significa que perdemos a proteção de Deus, ou que Deus não nos ama. Nem podemos afirmar que os inocentes nunca sofrem ou nunca sofrerão. O profeta Habacuque perguntou a Deus: “Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal, e a opressão não podes contemplar. Por que olhas para os que procedem aleivosamente, e te calas quando o ímpio devora aquele que é mais justo do que ele? (Habacuque 1:13)

Deus não está tão calado assim como muitos afirmam! “Aquele que fez o ouvido não ouvirá? E o que formou o olho, não verá?” (Salmo 94: 9)

Deus não tem que nos explicar nada! Nós é que precisamos reconhecer que dependemos dEle para tudo, que Ele é quem rega com o Seu amor a vida que há em nós e que nos cerca. Nós é que precisamos nos destituir de nossas vaidades e vãs filosofias e correr para os Seus braços em busca de auxílio e socorro contra o grande inimigo.

Meu coração se acalma e aceita a mensagem de que estou de passagem sim, mas não sou invólucro para a ‘vida’ de outro ser. Sou eu que vivo que decido que prestarei contas com Deus por meus atos e decisões tomadas durante minha existência. Não temo a morte. Creio no perdão e na promessa de ressurreição por ocasião do retorno do meu grande Salvador. Creio que Ele revestirá meu corpo corruptível com a incorruptibilidade, como um dom Seu. Não precisarei morrer, renascer, morrer, renascer, num processo sem fim a fim de obtê-la. Jesus já me deu a garantia através de Sua morte. Preciso, porém, viver em consequência dessa fé. Amar e cuidar de mim, de minha espiritualidade, ser cristã no sentido pleno da palavra. Amar a Deus e obedecer Sua vontade. Amar meu próximo, de modo que o meu viver beneficie o seu. Devo ser uma benção para os outros e amá-los.

Desejo, no mais profundo dos meus sentimentos, que essa reflexão produza os sentimentos mais nobres naqueles que a leem. Pois, não há aqui afirmação denominacional. Tudo se baseia nos ensinamentos contidos na Palavra Escrita. Que a razão e a lógica nos permitam perceber nossa real condição: objetos de amor e criaturas de um Ser infinitamente inteligente, amoroso, poderoso, forte e misericordioso.



Ruth Alencar


Todos os textos com o tema O Bem e o Mal podem ser localizados aqui: 4- O Bem e o Mal . Ou ainda acessados através do nosso álbum na nossa página no facebook.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2