Os Selos de Deus: O debate continua


Por Volney Ribeiro*


O estudo sobre “Os Selos de Deus” gerou alguns questionamentos. Compartilhamos com nossos queridos leitores estes questionamentos e as respostas do próprio autor deste estudo, ao mesmo tempo em que os convidamos a fazer parte desse debate.


1.  Se o 4º selo é o mesmo que o 6º, então ao todo são 5, e não 6.



O fato é que, em Ezequiel 9, o sinal foi usado como selo de proteção na mente dos fiéis guardadores do sábado. Os anjos identificaram esse sinal na mente dos assinalados. Ele aparece aqui destacado porque era um momento de juízo para o povo de Deus. No fim da história da humanidade, o selo posto na mente dos fieis ocorre sob circunstâncias semelhantes de juízo. Assim como Deus entregou Jerusalém a Nabucodonosor, que funcionou como instrumento de juízo de Deus, no fim, ele usará as mesmas pragas para punir a Terra. E só serão protegidos os que tiverem o selo, que é o caráter de Deus gravado na alma humana.

“Enquanto Satanás insistia em suas acusações e procurava destruir esse grupo, santos anjos invisíveis estavam indo de um lado para o outro, colocando sobre eles o selo do Deus vivo. Esses são os que se acham sobre o monte Sião com o Cordeiro, tendo o nome do Pai escrito em sua fronte” (EGW. Testemonies, p. 475, v. 5)

Então, são 5 ou 6 selos? O sexto selo é apenas uma forma didática de apresentar o assunto. Porém o 6º selo ou o selo de Apocalipse 14:1-3 que João viu contém o nome do Pai e do Filho. Em Apocalipse 7:2, o selo tem significado de (1) propriedade e (2) caráter – reflete a imagem de Jesus. Marca/selo/sinal/nome e caráter estão intimamente conectados. Ellen White também diz que essa marca não é um sinal visível.     

“The sanctification of the spirit signalizes the difference between those who have the seal of God an those who keep a spurious rest day”. (EGW)
           

2. Se o 4º selo existiu para o tempo histórico da invasão a  Jerusalém (ano 586 a.C.) por Nabucodonosor, então ele coexistiu com o 3º, e este (o sábado) estava contido no 4º = caráter de Deus?





O 4º selo ou sinal na mente (em dias de juízo) coexistiu como o 1º, com o 2º, pois um cordeiro era morto manhã e tarde e só com sangue havia perdão. 

Duas coisas é bom termos em mente: primeiro,  muitos judeus não estavam respeitando o sábado (Jeremias 17:19-27) antes de 586 a. C.; segundo, muitos estavam guardando o sábado e realizando toda as cerimônias que Deus havia orientado, mas faziam isso sem intimidade com Deus, sem comunhão com Ele. Isaías 1 nos diz que Jerusalém e seus líderes são comparados a Sodoma e Gomorra.

É preciso entendermos  que o que define se alguém é de Deus é a sua comunhão com o Criador, e isso se vê na obediência amorosa, no caráter amoroso.

Por exemplo, Abraão já havia recebido a bênção de Deus pela fé. Só 24 anos depois, viu o sinal visível: a circuncisão.

“E recebeu o sinal da circuncisão como selo da justiça da fé que teve quando ainda incircunciso; para vir a ser o pai de todos os que crêem, embora não circuncidados, a fim de que lhes fosse imputada a justiça, [...]” (Romanos 4:11).

Adão e Eva já eram de Deus, e o sinal visível era não comer o fruto proibido. O sinal visível para Abel e Caim era levar o cordeiro (Contudo, em Isaías 1:10-13, lemos que Israel levava cordeiro para sacrificar, etc., mas no coração nada havia de adoração).

Jesus deu um sinal visível para que o mundo identificasse seu povo: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.” (João 13:34-35).

De fato, Deus conhece os que são dEle, pelo que Ele vê no coração. Sua lei, o sábado, a circuncisão ou outra norma, só tem sentido se primeiro o homem tiver comunhão com Deus.


3.   Como ficavam as pessoas do sexo feminino em relação ao 1º selo (circuncisão)?





Antes de Cristo, o sinal do concerto de Deus com Abraão funcionava como sinal de que Deus os havia escolhido como povo especial dentre todas as famílias da terra. Quem não fosse circuncidado seria eliminado do meio do povo (Gênesis 17: 14 / ver também os versos 9-10 e 23-27).

Entre os midianitas, a circuncisão marcava a passagem da criança para o mundo adulto. A circuncisão entre os midianitas ocorria na puberdade. Tanto em mídia quanto em outras nações, a circuncisão ocorria, era feita em idade diferente e por razoes diferentes. Em Israel era o sinal do concerto e aos oito dias. (Êxodo 4: 24-26 – Moisés ainda não havia circuncidado o seu 2º filho, Eliezer, talvez por razões culturais dos midianitas). Essa é a única vez que uma mulher executa a circuncisão (no registro bíblico).

Quem não foi circuncidado no deserto o foi em Canaã (Josué 5: 2-9). A circuncisão exercia um poder preponderante no caráter peculiar da nação israelita. Êxodo 4: 24-26 serve para dramatizar a tremenda importância da circuncisão.  

“Em caminho, quando vinha de Midiã, Moisés recebeu uma advertência assustadora e terrível, a respeito do desagrado do Senhor. Um anjo apareceu-lhe de maneira ameaçadora, como se o fosse imediatamente destruir. Explicação alguma se dera; Moisés, porém, lembrou-se de que havia desatendido um dos mandos de Deus; cedendo à persuasão de sua esposa, negligenciara efetuar o rito da circuncisão em seu filho mais moço. Deixara de satisfazer a condição pela qual seu filho poderia ter direito às bênçãos do concerto de Deus com Israel; e tal negligência por parte do dirigente escolhido de Israel não poderia senão diminuir a força dos preceitos divinos sobre o povo. Zípora, temendo que seu marido fosse morto, efetuou ela mesma o rito, e o anjo então permitiu a Moisés que prosseguisse com a jornada. Em sua missão junto a Faraó, devia Moisés ser colocado em posição de grande perigo; sua vida unicamente podia preservar-se pela proteção de santos anjos. Enquanto vivesse, porém, na negligência de um dever conhecido, não estaria livre de perigo; pois que não poderia estar protegido pelos anjos de Deus.” (EGW. Patriarcas e Profetas, p. 255-256)

Se Moisés não circuncidasse seu filho, o êxodo não poderia ocorrer por meio dele. A libertação de Israel do cativeiro egípcio foi um ato da fidelidade de Deus para com o concerto (Gênesis 15: 12: 18).

Obs¹.: O fato de a circuncisão ter sido feita por uma mulher (Zípora) sugere que Moisés estava, de alguma forma, incapacitado, imobilizado.

Obs².: A circuncisão, claro, não podia nem tinha como ser executada nas mulheres. As pessoas do sexo feminino eram aceitas por Deus, como foram aceitas Rute e Raabe, por exemplo. A sociedade era patriarcal. Deus fazia o concerto com o líder, e os demais seguiam o líder (Romanos 4: 11; Atos 16: 30-32). Como Deus dissera: “A minha aliança estará na vossa carne” (Gênesis 17: 13). Essa carne a mulher nunca teve.


4. Antes do 1º selo, como ficavam as pessoas que formavam o povo de Deus, para que fosse revelado como propriedade autoridade e/ou proteção de Deus?

Antes do 1º selo, o povo de Deus era aquele que o servia após o dilúvio. Abrão, aos 75 anos, era povo de Deus pela fé. Foi somente 24 anos depois que Deus deu a circuncisão, como sinal de seu concerto com Abraão. (Gênesis 15: 12-18).


5. Como posso inferir por Apocalipse 14: 1-3 que o 6º selo é o caráter de Deus impresso na vida do crente?

Em Apocalipse 14: 1-3, os 144.000 estão em situação de completa vitória. A imagem de Deus que se havia perdido no homem foi agora restaurada. “Entoavam um novo cântico”. Novo em tudo. Passaram por uma época da história ainda nunca corrida. Só eles viveram essa experiência. Esse era um novo cântico, até então nunca cantado. Foram comprados e lavados pelo sangue de Cristo. Não se macularam (v. 4); eram puros (v.5). Enfim, nome, aqui, é igual a caráter. Eles possuem semelhança com o caráter do Pai e do Filho, porque o Espírito Santo os santificou. Sem ter na sua vida o caráter do Pai, que é a santificação, ninguém verá a Deus.

“Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor;”  (Hebreus 12:14).


6. Se os cristãos (judeus conversos + gentios conversos) representam o Israel espiritual, o 3º selo ainda não vigora para nós?

Sim! O 3º selo ainda vigora para nós, com todos os outros nove mandamentos (Hebreus 8: 8-10) :

Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, Em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança. Não segundo a aliança que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança, Eu para eles não atentei, diz o Senhor. Porque esta é a aliança que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo;”

Contudo, só aqueles que cumprem João 13: 34-35 vivem de acordo com o sábado e com a lei.

“Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.”

O sábado se tornará o sinal de divisão ou identificação do povo de Deus quando, para se guardá-lo publicamente, o indivíduo correr risco de perder a própria vida. Isso só será real no Brasil, país de liberdade religiosa, quando houver a cassação dos direito civis dos guardadores do verdadeiro sábado, após o Decreto Dominical. (Esses pressupostos, encontramo-los, entre os outros excertos, em Apocalipse 13 e no Espírito de Profecia)


Complementos:

1)  “O selo do Deus vivo é colocado nos que guardam conscienciosamente o sábado do Senhor
.”  (SDA Bible Commentary, v. 7, p. 980)

2) “A observância do memorial do Senhor, o sábado instituído no Éden, o sábado do 7º dia, é a prova de nossa lealdade a Deus.” (EGW. Carta 94, 1900)

3) “O selo do Deus vivo só será colocado sobre os que têm um caráter à semelhança do de Cristo.” (Review and Herald, 21 de maio de 1895)

4) Tão verdadeiramente como foi colocado um sinal sobre as portas das habitações dos hebreus, para proteger o povo contra a ruína geral, será colocado um sinal em cada um dos que pertencem ao povo de Deus. O Senhor declara: ‘Também lhes dei os Meus sábados, para servirem de sinal entre Mim e eles, para que soubessem que Eu sou o Senhor que os santifica’”(Ezequiel 20:12). (SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 969)

5) “Somos trazidos das trevas do mundo para a maravilhosa luz de Deus. Se recebermos a imagem de Deus, se nossas almas forem purificadas de toda contaminação moral, o selo de Deus nos será colocado na testa, e estaremos preparados para as cenas finais da história terrestre. Não temos, porém, tempo a perder. Quanto mais estudarmos a vida de Cristo com o coração disposto a aprender, tanto mais semelhantes a Cristo nos tornaremos.” (Carta 135, 1897).

6) “O tempo do selamento é muito curto, e logo passará. Agora, enquanto os quatro anjos estão contendo os ventos, é o tempo de fazer firme a nossa vocação e eleição.” (Primeiros Escritos, pág. 58).


_____

*Volney Ribeiro, Teólogo, Escritor, Professor, Especialista em Gestão Educacional, Mestrando em Letras.



Comentários

  1. O site Reavivamento e Reforma postou um texto muito interessante hoje:

    "A obra humana torna-se eficaz com o Espírito Santo:

    Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedirem? Luc. 11:13.

    A promessa do dom do Espírito Santo não é compreendida como deveria ser; os privilégios a serem desfrutados mediante sua aceitação não são apreciados como poderiam ser. Deus quer que Sua igreja se apodere de Suas promessas pela fé, e solicite o poder do Espírito Santo para ajudá-los em todo o sentido. Ele nos assegura que está mais disposto a conceder o Espírito Santo aos que Lho pedirem, do que os pais a darem boas dádivas a seus filhos. Como é possível que cada pessoa tenha a unção celestial, “não tendes necessidade de que alguém vos ensine” (I João 2:27), e não há desculpa para esquivar-se a responsabilidades; nenhum dever deveria ser mal acolhido, nenhuma obrigação evitada. Cristo mesmo é o poder renovador, que opera em todo soldado e através dele, por meio da atuação do Espírito Santo. A eficiência do Espírito de Deus tornará eficazes os trabalhos de todos os que estiverem dispostos a submeter-se à Sua orientação.

    Deus está impressionando toda mente suscetível de receber as impressões de Seu Espírito Santo. Ele está enviando mensageiros para que deem a advertência em cada localidade. Deus está provando o devotamento de Suas igrejas e sua disposição para prestarem obediência à orientação do Espírito. O conhecimento precisa ser aumentado. Os mensageiros do Céu devem ser vistos correndo de uma para outra parte, buscando por todos os meios possíveis advertir o povo dos juízos vindouros e apresentar as boas novas de salvação por nosso Senhor Jesus Cristo. A norma da justiça deve ser exaltada.

    O Espírito de Deus está impressionando o coração dos homens, e os que se submetem à Sua influência tornar-se-ão luzes no mundo. Em toda parte são vistos saindo para comunicar a outros a luz que receberam, como sucedeu após a descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes. Ao fazerem sua luz brilhar, recebem cada vez mais do poder do Espírito. A Terra é iluminada com a glória de Deus. Australasian Union Conference Record, 1º de abril de 1898."

    (Ellen White)

    http://reavivamentoereforma.com/2011/09/12/a-obra-humana-torna-se-eficaz-pelo-espirito/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

O Rio Jordão: As Águas de Naamã