O Conflito na Terra durante o Antigo Testamento (parte 2)







Quando vi este vídeo pela primeira vez pensei... puxa eles estavam tão distraídos e de repente uma mensagem, sob forma de canção, é anunciada. E que mensagem! E que canção!

Jesus disse que por ocasião de Seu retorno a Terra os homens estariam como estavam no tempo de Noé: “Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão o Pai. Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do Homem. Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem.” (Mateus 24: 36-39)

A vinda do Messias é a mensagem central das Escrituras. Naturalmente as pessoas que estavam naquela praça de alimentação exibida no vídeo após ouvirem a canção voltaram a fazer o que faziam antes, alimentar-se. Não pude deixar de pensar na atitude que tem tomado o ser humano com relação a grande mensagem do retorno interventivo de Deus na história da humanidade. Aqui se aplica bem a Parábola do Semeador contada por Jesus Cristo. Você pode lê-la aqui se ainda não a conhece.

Vimos no texto O Conflito na Terra durante o Antigo Testamento (parte 1) que segundo Frank Holbrook1: “a intenção divina de, pelo testemunho da nação de Israel, preparar o mundo para o advento do prometido redentor parece ter falhado grandemente. Mas, como está escrito em Efésios 3:11, “o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor” não conhece fracasso. A despeito da confusa experiência humana, Deus cumpre Seu propósito de colocar em prática o plano da salvação. Observemos como o Céu fez avançar a causa da verdade em sua batalha contra Satanás”.

E ele prossegue:

“Dois textos no Antigo Testamento chamam Satanás pelo nome:

Jó 1:6-12; 2:1-8: A experiência de Jó aparece fora da cultura hebraica e ocorre aparentemente em tempos patriarcais. [...] Satanás aparece, no livro de Jó, nos conselhos celestiais como representante deste planeta.

“Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles. Então, perguntou o SENHOR a Satanás: Donde vens? Satanás respondeu ao SENHOR e disse: De rodear a terra e passear por ela.”

Com referência à guerra moral entre Deus e Satanás, destacam-se dois pontos principais na terrível experiência de sofrimento pela qual passou Jó:

1- Visto que o Criador, em Sua sabedoria, permitiu a Satanás e aos anjos caídos viverem e amadurecerem os princípios do egocentrismo e do pecado, os seguidores de Deus, assim como os outros, podem esperar sofrer os ataques desses inimigos de todo o bem (mas dentro de certos limites – 1 Coríntios 10:13);

2- apesar disso, nem todo sofrimento pessoal é necessariamente consequência de pecado pessoal. Pode ser um ataque direto de Satanás, como no caso de Jó.

Zacarias 3:1-10. Os hebreus penitentes exilados voltaram do cativeiro babilônico para a Palestina durante a liderança política de Zorobabel e a superintendência espiritual do sumo sacerdote Josué, provavelmente na primavera de 536 a.C. A intenção deles era reconstruir o templo e restabelecer a nação. Mas a oposição das nações circunvizinhas foi quase irresistível. O profeta Zacarias contemplou em visão o sumo sacerdote Josué trajado de vestes sujas – os pecados anteriores da nação – diante do anjo do Senhor enquanto suplicava por perdão e graça divinais, a fim de que a nação fosse restabelecida.

Satanás é descrito também como pronto para acusar a nação (representada ali pela pessoa do sumo sacerdote) de seus pecados anteriores e protestando contra o desejo divino de conceder perdão. Mas o anjo do Senhor repreende Satanás, e o arrependimento do sacerdote (representando a nação) é aceito. As vestes sujas são tiradas, e ele é vestido nos belos trajes de seu sacerdócio. A misericórdia divina prevalece sobre as acusações de Satanás.

O Senhor permitiu a severa disciplina do cativeiro babilônico porque pretendia assim salvar e purificar um remanescente da nação que voltaria para sua pátria, a fim de preparar o mundo para o advento do Messias (ver Jeremias 24). Na verdade, pouco mais de 50 mil retornaram durante o governo de Zorobabel (Esdras 2:64-65). Não se fornece nenhuma quantidade para a segunda leva migratória durante o governo de Esdras em 457 aC., mas os dados sugerem um número muito menor (ver Esdras 8). A maior parte dos judeus decidiu permanecer nas terras fora da Palestina, onde seus captores os haviam estabelecido.

Alguns anos depois, durante o reinado do rei persa Xerxes (o Assuero bíblico, 486-465 a.C.), o principal cortesão do rei, Hamã, o agagita, planejou destruir todos os judeus do império num único dia (Ester 3:8-15). Pela providência de Deus e a intervenção da rainha judia Ester, a conspiração foi impedida. Mais uma vez fracassou a tentativa de Satanás de silenciar o testemunho hebreu acerca do Deus verdadeiro.


Crescente Centralidade das Escrituras

Não mais preocupada com os cuidados da autonomia política, após o cativeiro babilônico, a restabelecida nação de Judá ficou mais disponível para o estudo da vontade de Deus conforme revelada nas Sagradas Escrituras. Cerca de 80 anos após os primeiros exilados voltarem para a Palestina, “Esdras, escriba da Lei do Deus do céu” (Esdras 7:11-12) chegou com a comissão do rei Persa Artaxerxes I (v.11-26). “Porque Esdras tinha disposto o coração para buscar a Lei do SENHOR, e para a cumprir, e para ensinar em Israel os seus estatutos e os seus juízos.” (v.10). Junto com Neemias, que se uniu depois a ele como governador nomeado pelo rei, Esdras fez a nação se dedicar novamente ao Deus verdadeiro, por meio de um movimento de “retorno a Bíblia” (Neemias 8-10).

Embora essa iniciativa tenha sido depois estorvada pelos ensinos dos rabinos, a posse e o acesso à Palavra escrita de Deus se tornaram um dos estimados privilégios do judaísmo. O apóstolo Paulo observa: “Qual é, pois, a vantagem do judeu? Ou qual a utilidade da circuncisão? Muita, sob todos os aspectos. Principalmente porque aos judeus foram confiados os oráculos de Deus.” (Romanos 3:1-2).


A Dispersão (Diáspora, João 7:35)

“Disseram, pois, os judeus uns aos outros: Para onde irá este que não o possamos achar? Irá, porventura, para a Dispersão entre os gregos, com o fim de os ensinar?”

Durante os vários séculos do período inter-testamentário  ocorreu ampla e voluntária dispersão dos judeus no mundo mediterrâneo. Estimativas conservadoras calculam que a população judaica no Império Romano (com exceção da Palestina) era de quatro milhões, mais três milhões adicionais na própria Palestina e outro milhão nas terras de seu exílio anterior, a oriente do Império Romano. O fenômeno da Diáspora levou a dois importantes avanços entre as populações judaicas fora da Palestina:

1- O estabelecimento de sinagogas onde quer que houvesse 10 homens judeus;

2- a tradução da Bíblia Hebraica para o grego (LXX, terceiro e segundo século a. C.).


A Missão Judaica

Entre 50ª.C. e 70 d.C. desenvolveu-se uma missão judaica no império. Milhares de gentios superlotavam as sinagogas. A ênfase judaica no monoteísmo e os elevados padrões éticos da lei moral os atraiam. Muitos se tornaram prosélitos da fé judaica, embora a maior parte hesitasse em aceitar a circuncisão e outros elementos da prática judaica. Esses assistentes eram designados por duas expressões técnicas: “tementes a Deus” (ver Atos 10:1-2; 13;16, 26) ou “adoradores de Deus” (ver Atos 16:14; 18:7). Assim, quando o apóstolo ou outros judeus cristãos recebiam permissão para falar em determinada sinagoga (Atos 13:15) , dirigiam-se a duas classes de adoradores sérios: “Paulo, levantando-se e fazendo com a mão sinal de silêncio, disse: Varões israelitas e vós outros que também temeis a Deus, ouvi.” (v.16). O rápido crescimento do cristianismo no império foi resultado, em parte desse grupo de gentios – já instruídos nas verdades espirituais pela mediação da tradução grega das Escrituras – que encontraram em Jesus de Nazaré o Messias/ Cristo, a suprema esperança da fé judaica. Por essas e outras maneiras, Deus anulou o fracasso judaico e a ignorância dos gentios em preparar a Terra para seu maior acontecimento: a encarnação e o ministério dos gentios de Deus Filho.

Evidentemente, grande é o mistério da piedade: Aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória. (1 Timóteo 3:16)

As Escrituras tratam do primeiro advento de Cristo e dos  eventos relacionados como o climax do grande conflito. Satanás é derrotado e julgado na cruz, o plano da salvação e, favor da humanidade pecadora é confirmado, a expiação dos pecados é feita e a lei moral e o caráter de Deus vindicados. Deus sai vitorioso. As batalhas que prosseguem servem apenas para expor em detalhes mais claros a verdadeira natureza da rebelião e o desenvolvimento mais pleno dos princípios em conflito. O Novo Testamento retrata as incessantes tentativas de Satanás de dificultar o ministério de Cristo, enfraquecer Sua influência  para com o povo e matá-Lo, se possível fosse.

A vitória de Cristo nas Profecias

A multifacetada profecia de Apocalipse 12 simboliza o intenso propósito de Satanás de destruir Cristo ainda criança:

“Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça, que, achando-se grávida, grita com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz. Viu-se, também, outro sinal no céu, e eis um dragão, grande, vermelho, com sete cabeças, dez chifres e, nas cabeças, sete diademas. A sua cauda arrastava a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a terra; e o dragão se deteve em frente da mulher que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse.  Nasceu-lhe, pois, um filho varão, que há de reger todas as nações com cetro de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono.” (v. 1-5)

Assim em pinceladas gerais, o simbolismo aponta para a tentativa de Satanás de destruir a Cristo logo no Seu nascimento:

“Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém. E perguntavam: Onde está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo. Tendo ouvido isso, alarmou-se o rei Herodes, e, com ele, toda a Jerusalém; então, convocando todos os principais sacerdotes e escribas do povo, indagava deles onde o Cristo deveria nascer. Em Belém da Judéia, responderam eles, porque assim está escrito por intermédio do profeta: E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar a meu povo, Israel. Com isto, Herodes, tendo chamado secretamente os magos, inquiriu deles com precisão quanto ao tempo em que a estrela aparecera. E, enviando-os a Belém, disse-lhes: Ide informar-vos cuidadosamente a respeito do menino; e, quando o tiverdes encontrado, avisai-me, para eu também ir adorá-lo. Depois de ouvirem o rei, partiram; e eis que a estrela que viram no Oriente os precedia, até que, chegando, parou sobre onde estava o menino. E, vendo eles a estrela, alegraram-se com grande e intenso júbilo. Entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra. Sendo por divina advertência prevenidos em sonho para não voltarem à presença de Herodes, regressaram por outro caminho a sua terra.” (Mateus 2: 1 -18)

A profecia não menciona especificamente a morte de Cristo durante o mandato do Procurador Pilatos, embora depois faça alusão a seus resultados. Apocalipse 12 nos mostra que a visão ressalta o fato de que a encarnação e a entrada de Cristo no domínio de Satanás (este Planeta) resultou em Ele ser vitorioso sobre o Diabo, e não sua vitima.

Durante Seu ministério, o primeiro conflito direto de Jesus com Satanás ocorreu logo depois do Seu batismo como o Messias/Cristo, o Ungido:

“Por esse tempo, dirigiu-se Jesus da Galiléia para o Jordão, a fim de que João o batizasse. Ele, porém, o dissuadia, dizendo: Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim? Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por enquanto, porque, assim, nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o admitiu. Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” (Mateus 3:13-17)

“... como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele;” (Atos 10:38)

Durante 40 dias de Jejum, Cristo buscou a comunhão com o Pai a fim de Se preparar para Sua breve, mas intensa missão. Foi então que Satanás confrontou o Salvador com três severas tentações, destinadas a desviá-LO de Seu propósito.”1

Estudaremos num texto próximo sobre essas três tentações de Jesus.

John Foxe em seu livro “O Livro dos Mártires” disse: Cristo, nosso Senhor, no Evangelho de Mateus, ao ouvir a confissão de Simão Pedro, que, antes de todos os outros, abertamente O reconheceu como sendo o Filho de Deus, e pelo fato de perceber a mão secreta de Seu Pai, chamou-o (numa alusão ao nome dele) de "pedra", sobre a qual Ele construiria a Sua Igreja tão forte que as portas do inferno não prevaleceriam contra ela. Nessas palavras há três pontos dignos de nota: primeiro, que Cristo teria uma igreja neste mundo. Segundo, que essa Igreja seria fortemente combatida, não apenas  pelo mundo, mas também pelas forças e poderes supremos de todo o inferno. E em terceiro, que essa mesma Igreja, apesar de todo o esforço do demônio e de toda a sua malícia, continuaria.

A profecia de Cristo nós a vemos admiravelmente realizada, de tal modo que todo o percurso da Igreja até o dia de hoje pode parecer simplesmente a sua concretização. Primeiro, não é preciso dizer que Cristo estabeleceu uma Igreja. Segundo, que exércitos de príncipes, reis, monarcas, governadores e dirigentes deste mundo, juntamente com seus súditos, pública e privadamente, com toda força e astúcia, voltaram-se contra a igreja! E, terceiro lugar, como essa Igreja, apesar de tudo isso, sempre resistiu e preservou o que é seu! As tormentas e tempestades por ela superadas formam um quadro admirável. [...]

No início da pregação de Cristo e da chegada do evangelho, quem senão os fariseus e escribas daquele povo que detinha a Sua lei deveria tê-Lo reconhecido e recebido? No entanto, quem O perseguiu e rejeitou mais do que justamente eles? Qual foi a consequência? Eles recusando Cristo como seu rei e escolhendo serem súditos de César, pelo próprio César foram com o tempo destruídos.”2 

Continuaremos com o tema, mas agora abordando o Grande Conflito na Terra durante o Novo Testamento. Sabendo que “talvez tenhamos sentido a necessidade de um mestre, um exemplo, um revelador, um intérprete da vontade de Deus, um baluarte contra o mal. Podemos encontrar tudo isso nEle, e muito mais, embora a ideia principal seja a de que Ele é Deus e Salvador.”3





1-  Frank B. Holbrook, Tratado de TeologiaAdventista do Sétimo Dia, vol.9, O Grande Conflito.

“O Tratado Teológico Adventista é parte da Série Logos, que será completada com a publicação de sete volumes do Comentário Bíblico Adventista, mais o Dicionário Bíblico. Essa coleção trata-se da primeira exposição sistemática de toda a Bíblia produzida pela Igreja Adventista, com base nas línguas originais. Ela também incorpora pesquisas arqueológicas que oferecem o contexto histórico para a interpretação do texto sagrado.”

2- John Foxe, “O Livro dos Mártires”, pág. 13-14. Editora Mundo Cristão.

3- Raoul Dederen, Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, vol.9, Cristo: Pessoa e Obra, pág.183.

Todos os textos sobre o tema O Grande Conflito já publicados pelo Nossas Letras estão condensados neste álbum em nossa página do facebook. Você pode acessá-los a partir de suas imagens neste link aqui. Basta clicar na imagem e o novo tema surge.

Ou ainda, se preferir, pode acessar diretamente da página Índice Geral no item:  8 - O Bem e o Mal

Ruth Alencar 

Comentários

  1. Handel costumava fechar a porta de seu quarto quando ia compor e na última semana, demorou muito a sair do quarto; sua fiel serva resolveu abrir e o ouviu dizer, como em êxtase:“acabei de ver os céus abertos e os anjos de Deus subindo e descendo...” Compôs assim, a sua obra mais famosa "MESSIAS", composta de 3 partes:

    Parte I - apresenta a Profecia e o nascimento de Jesus, a parte II - a paixão culminando no "Hallelujah Chorus" e a parte III- traz o tema da Redenção.

    É impossível não se emocionar com tanta exaltação ao Deus Todo Poderoso!

    The Messiah Hallelujah (Tradução)
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia
    Aleluia, aleluia

    Para o Senhor Deus onipotente
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia
    Para o Senhor Deus onipotente
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia
    Para o Senhor Deus onipotente
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia

    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia
    (Para o Senhor Deus onipotente)
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia

    Para o Senhor Deus onipotente
    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia

    O reino deste mundo é tornado o reino de nosso Senhor
    E do Seu Cristo, e do Seu Cristo

    E reinará para todo o sempre
    E ele reinará eternamente
    E reinará eternamente
    E reinará eternamente

    Ao Rei dos reis eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia
    E Senhor dos senhores eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia
    Ao Rei dos reis eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia
    E Senhor dos senhores eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia
    Ao Rei dos reis eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia
    E Senhor dos senhores eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia

    E reinará
    E reinará
    E reinará, reinará
    E reinará eternamente e sempre

    Ao Rei dos reis eternamente e sempre
    E Senhor dos senhores eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia
    E reinará eternamente e sempre

    Ao Rei dos reis eternamente e sempre
    E Senhor dos senhores eternamente e sempre
    Aleluia, aleluia
    E reinará eternamente e sempre

    Eternamente e sempre e sempre e sempre
    (Rei dos reis e Senhor dos senhores)

    Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia, aleluia

    Lúcia Vasconcelos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

O Rio Jordão: As Águas de Naamã