1- Permaneçam em Mim - (parte 1)

Hoje escutei uma música cantada pelo jovem Jota Quest intitulada “Do seu lado” . A letra dessa música é de Nando Reis. Você pode ver a letra da música e ouvi-la aqui se quiser. Há uma estrofe nesta música que me fez refletir...

“Viver é uma arte, um oficio, só que precisa cuidado, para perceber que olhar só pra dentro é o maior desperdício, o seu amor pode estar do seu lado. O amor é o calor que aquece a alma. O amor tem sabor pra quem bebe a sua água.”

Pensei na vida e em todo o amor que ela proporciona. Pensei no amor humano. Aquele que se molda a partir do conhecimento mútuo, das experiências do perdão e da paciência. Mas, pensei também no amor deselegante. Aquele que mata, ou porque provem de alguém com a mente doente ou simplesmente porque não é amor. Pensei nos jovens Lindemberg e Eloá...

Quanto desperdício de sentimento! Obsessão, ciúme e ódio são apenas algumas das reações de um sentimento egoísta, nascido na mente de quem olha só para si mesmo. Alguém que realmente não enxerga o outro. Alguém que não sabe amar nem mesmo a si próprio. Falta-lhe o conhecimento, resultado do saborear.

“O amor tem sabor pra quem bebe a sua água.” Que grande verdade! Só quem ama compreende o que a extensão, a largura e a profundidade do amor pode proporcionar! 

Pensei então, no amor por excelência. Jesus é o exemplo perfeito, o verdadeiro maestro do amor. Um amor livre, tão livre que permitiu-Se humilhar, desnudar-Se, exatamente porque por Sua própria essência não poderia agir diferente. Ele é Quem Ele É e tem consciência de Quem Ele é.

Está escrito que Deus é amor:   “Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” (1 João 4:8)

“Porque ele é bom, porque a sua benignidade dura para sempre...” (2 Crônicas 5:13)

“E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem permanece em amor, permanece em Deus, e Deus nele.” (1 João 4:16)

“O amor tem sabor pra quem bebe a sua água.” “Nós amamos, porque ele nos amou primeiro.” (1 João 4:19) O amamos porque experimentamos a alegria do viver sustentados por Sua misericórdia e amor. Esta parece ser uma pergunta que devemos nos fazer com frequência: Quais são os meus sentimentos como cristão? Que “sabor” tem Jesus para mim?

Ele disse de Si mesmo: “Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, receba de graça a água da vida.” (Apocalipse 22:17)

“Nunca terão fome nem sede; não os afligirá nem a calma nem o sol; porque o que se compadece deles os guiará, e os conduzirá mansamente aos mananciais das águas.” (Isaías 49:10)

Assim como na canção de Nando Reis, não seria tolice dizer que viver espiritualmente também é uma “arte”, uma missão, onde o que mais importa é diminuir para que o que É espiritual cresça. É deixar de olhar para o próprio eu e cercar-se do amor infinito que está ao nosso lado. Literalmente ao nosso lado: DeuS. É um amor certo, afinal somos “objeto” do Seu amor incondicional e eterno. Um amor que não desiste: “Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, [...]” (Isaías 55:1)

Por que razão, quando eu vim, ninguém apareceu? quando chamei, não houve quem respondesse? Acaso tanto se encolheu a minha mão, que já não possa remir? ou não tenho poder para livrar?” (Isaías 50:2)

“O Senhor te guiará continuamente, e te fartará até em lugares áridos, e fortificará os teus ossos; serás como um jardim regado, e como um manancial, cujas águas nunca falham.” (Isaías 58:11)

Por que o mundo secular, ainda que deseje tanto o amor e o que ele proporciona, rejeita o amor de Deus, sendo este o provedor do amor por excelência?

A Bíblia dá a resposta: “Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram para si cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas.” (Jeremias 2:13).Interessante que Deus aqui refere-Se a rejeição do Seu povo, não dos indivíduos incrédulos. No que concerne aos cristãos, encontraria parte do ateísmo sua razão de existir no próprio testemunho dos cristãos? Estaria a dúvida da existência de Deus respaldada em nossas grandes demonstrações de religião?

Ao filho pródigo é lançado o convite para que volte. Somos, por nossa natureza pecaminosa, tendenciosos a experiência do filho pródigo. Se não fora a misericórdia e amor de Deus, o clamor do Seu Espírito em nossos corações e mentes não haveria retorno. O passo maior é sempre Deus quem dá. É Ele quem sempre vem quando por falta de sabedoria ou descuido espiritual deixamos o caminho certo. Mas, qual é o caminho certo? Como saber se a estrada em que me encontro é a que realmente me conduzirá a plenitude da verdade?

Tem que haver a presença de Jesus, tem que haver o agir em consequência. Não posso pensar que estou nEle se meu viver diz o contrário. Há de haver harmonia entre o meu falar e o meu agir. Ele disse de si mesmo: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14:6)

E este é o Seu conselho: “Não sejais como vossos pais, aos quais clamavam os profetas antigos, dizendo: Assim diz o Senhor dos exércitos: Convertei-vos agora dos vossos maus caminhos e das vossas más obras; mas não ouviram, nem me atenderam, diz o Senhor.” (Zacarias 1:4)

Temos que retornar para os braços do Pai, esse é o trajeto, não o contrário.

“Bendito o varão que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. Porque é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto.” 
(Jeremias 17:7-8)

“... aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna.” (João 14:13-14 )



“Como o Pai me amou, assim também eu vos amei; permanecei no meu amor.” (João 15:9)

"Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará." (João 8:31-32)

Jonh Piper, pastor Batista, escreveu em seu livro “O que Jesus Espera de Seus Seguidores”“As ordens de Jesus são para a vida inteira. Não se restringem a decisões isoladas de arrepender-se, aproximar-se dEle, crer nEle amá-LO, ouvi-LO. Todas as ordens têm prosseguimento. A transformação pelo arrependimento é contínua. A aproximação com Jesus é contínua. Crer nEle o tempo todo é um ato contínuo. Ouvir Suas palavras como fonte diária de vida espiritual também é um ato contínuo. Jesus ordena que nossa mente e nosso coração estejam em sintonia com Ele todos os dias de nossa vida.

Um encontro com Jesus no passado que não tenha tido continuidade em nossa vida foi um encontro falso. Quando Jesus declara: “Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos”, Ele está dizendo que, se não permanecermos, não seremos Seus discípulos de verdade, e o oposto de discípulos verdadeiros é discípulos falsos. É o que seremos, se confiarmos em experiências passadas, sem uma consagração contínua a Jesus.

[...] Não existe nada especificamente de religioso na palavra “permanecer”. Na linguagem do Novo Testamento, é um verbo comum que designa “ficar”, “continuar” e , às vezes, “habitar”. Jesus queria dizer: “Fiquem comigo. Continuem comigo. Habitem em Mim”. Nosso encontro com Jesus deve durar a vida inteira.

O contexto desse mandamento é a analogia da videira e seus ramos, Jesus compara-Se à videira, e nós somos os ramos: “Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.” (João 15:4-5).

Essa ilustração da videira, ajuda-nos a compreender o que Jesus queria dizer com “permanecer nEle”. O ponto principal da analogia é que o poder de produzir frutos, ou seja, o poder de viver uma vida frutífera de amor semelhante ao de Cristo (v.12), flui de Jesus, se estivermos ligados a Ele. Seremos semelhantes a um ramo ligado à videira, da qual flui toda a seiva que sustenta a vida e produz frutos. Jesus diz claramente que Ele é o poder de que necessitamos para ter uma vida produtiva. Ele diz: “sem mim nada podeis fazer.” (v.5). Permanecer em Jesus significa estar ligado a quem dá vida e poder, ao ramo que produz frutos – Jesus.

Jesus, portanto, ordena que Ele seja a causa de todas as boas coisas de nossa vida, momento após momento: “sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.”  Coisa alguma! Verdade? Bem, podemos pecar, parar de produzir frutos e perecer sem Ele. Mas não é o que Ele promete produzir. Ele quer dizer: “sem mim, vocês não podem fazer nada que seja verdadeiramente bom, que honre verdadeiramente a Deus e exalte a Cristo. Sem mim, vocês não podem humilhar a si mesmos nem ser eternamente úteis aos outros.” Permanecer em Jesus significa estar virtualmente ligado, hora após hora, àquele que produz em nossa vida tudo o que Ele ordena. Só Jesus é capaz de fazer isso.

Em termos práticos, o que isto significa no dia –a - dia? O que significa “estar virtualmente ligado”? Como fazer isso? Antes de tudo, é preciso deixar claro que permanecer em Jesus não é o mesmo que produzir frutos ou obedecer Seus mandamentos. Produzir frutos e obedecer aos mandamentos são consequências de permanecer. Se permanecermos, produziremos frutos.

Jesus não Se contradiz quando afirma: “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor;” (v.10). Não significa que obedecer aos Seus mandamentos seja permanecer em Seu amor. Seria o mesmo que dizer: frutificar é estar ligado à videira. Não. Frutificar é consequência de estar ligado à videira. Uma coisa é diferente da outra. Jesus quer dizer que, se não obedecermos aos Seus mandamentos, isto é, se não produzirmos o fruto do amor (porque o amor é a soma de todos os Seus mandamentos, v.12), não permaneceremos nEle. A verdade se destaca: “Quem permanece em mim [...] dá muito fruto...” (v.5).

Portanto, a resposta à pergunta: “Como permaneceremos em Jesus?” não é “porque produzimos frutos” nem “porque obedecemos aos mandamentos”. Isto foge à questão principal, que é saber como produzir frutos. A resposta é: permanecendo em Jesus. [...].

Jesus faz uso de duas outras expressões semelhantes que apontam para a reposta. Ele Se refere a permanecer em Seu amor. E também a permanecer em Suas palavras. [...] ambos indicam que permanecer é confiar continuamente na verdade das palavras de Jesus e na certeza de seu amor."

Aqui faço um pequeno parêntese... como foi profundamente importante para mim conhecer e ter certeza deste amor em muitas fases de minha vida... a contar com esta em que vivo atualmente. O Senhor tem sido a minha força e o socorro verdadeiro...

Continuemos...

“Não permanecer no amor de Jesus significa deixar de acreditar que somos amados por Ele. Olhamos para nossos problemas – perseguição, enfermidade, abandono – e concluímos que não somos mais amados por Jesus. Isto é o oposto de permanecer no amor de Jesus. Permanecer em Seu amor significa crer continuamente, momento após momento, que somos amados.

Tudo o que entra em nossa vida sob a autoridade soberana de Jesus faz parte de Seu amor por nós. Reflita em Mateus 8:8. Se for agradável, ele diz: “Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não valeis vós muito mais do que elas?

Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua estatura?

E pelo que haveis de vestir, por que andais ansiosos? Olhai para os lírios do campo, como crescem; não trabalham nem fiam; contudo vos digo que nem mesmo Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles. Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós, homens de pouca fé?” (Mateus 6:26-30)

Se for uma experiência dolorosa Ele diz: “Não tenham medo, o pior que poderá acontecer é a morte, e eu venci a morte. Estarei com vocês  e até o fim dos tempos, e vocês serão recompensados na ressurreição dos justos” ( ver Mateus 10:28;  Mateus 28:20; Lucas 14:14 e João 11:25-26). Permanecer em Jesus significa confiar que isto é verdade – e vale para você. [...].

De forma semelhante, o mesmo se aplica a “permanecer em minha palavra”. (Veja João 8:31). Essa expressão não significa simplesmente: “obedeçam aos meus mandamentos, e sim: Confiem em minha palavra. Confiem no que Eu revelei a vocês a respeito de mim mesmo, de meu Pai e de minha obra”. O contexto de João 8: 31-32 confirma.

“Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sois meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” A consequência de permanecer nas palavras de Jesus é ser liberto. De que? Do pecado. Da escravidão que Jesus tinha em mente quando disse: “Todo aquele que vive pecando é escravo do pecado” (v.34).

A libertação do pecado é o fruto de permanecer nas palavras de Jesus: “Se vós permanecerdes na minha palavra, [...] e a verdade vos libertará.” Não pecar é o fruto, não a definição, de permanecer nas palavras de Jesus. Portanto, obedecer aos Seus mandamentos, que é outra maneira de descrever a libertação do pecado, não é 0 significado de permanecer em Suas palavras, mas o fruto de permanecer nelas. 

Concluímos, então, que permanecer em Jesus – em Seu amor e em Suas Palavras  –  é confiar que Ele nos ama  realmente em todos os momentos  e que tudo o que revelou acerca de Si mesmo, de Sua obra por nós e de nosso futuro com Ele é verdadeiro.  Crer em Jesus como nossa água viva significa beber a água – saboreá-la e ficar satisfeito com ela. É o que ocorre com a seiva que flui da videira para o ramo. Nós a recebemos, bebemos, saboreamos e satisfazemos a alma com ela. Essa satisfação diária e continuamente renovada em Jesus é o segredo para produzir frutos. [...]

Pode parecer fácil permanecer, ficar implantado e descansar em Jesus e beber a água da vida, mas a verdade é que muitas vezes somos tentados a procurar em outra planta a seiva que nos dá vida. Além de nossas tendências pecaminosas, o Diabo quer arrancar-nos da videira. Jesus disse que precisamos orar diariamente para que Deus nos livre do mal (veja Mateus 6:13)Devemos, portanto, nos lembrar de que Jesus não nos abandona à própria sorte. Embora ordene que permaneçamos nEle – somos responsáveis por isso e culpados se não Lhe obedecermos, Ele  próprio cuida disso. Sem sua ajuda, não conseguiríamos permanecer nEle.

Jesus mostrou-nos essa verdade pelo menos de três maneiras. Ele afirmou que ninguém poderia arrancar suas ovelhas (os ramos verdadeiros) de sua mão.

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem; eu lhes dou a vida eterna, e jamais perecerão; e ninguém as arrebatará da minha mão” (João 10:27-29).

Em seguida, Jesus orou, pedindo que o Pai nos guardasse em Seu nome (em  Jesus). “Pai santo, guarda-os no teu nome, o qual me deste, [...] Enquanto eu estava com eles, eu os guardava no teu nome que me deste; e os conservei, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura.”  (João 17: 11-29). É Deus, portanto, quem realiza a obra decisiva de nos manter ligados à videira.

Jesus dá o exemplo de como Ele orava por Seus discípulos e os livrava, para que nenhum deles se perdesse. Ele predisse na véspera de sua morte, que Simão Pedro o negaria três vezes. Em seguida, porém, declarou com autoridade soberana, palavras de incentivo que servem para todos nós.

“Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, fortalece teus irmãos.” (Lucas 22:31-32)

Jesus orou para que Simão mantivesse a fé, e tinha conhecimento do que aconteceria. Ele disse: “... quando te converteres...” e não “se te converteres...”. A resposta de Deus à oração de Jesus foi soberanamente decisiva. Sim, a fé de Simão vacilou, e ele pecou ao negar que conhecia Jesus. Mas, sua fé não vacilou completamente. Ele não foi cortado da videira. Jesus orou por ele, e não há motivos para pensar que tenha cessado de orar por nós dessa maneira. [...] Ninguém pode arrancar-nos de sua mão. Jesus e o Pai são maiores que tudo,. Portanto, Seu mandamento para que permaneçamos nEle significa que devemos continuar a confiar nAquele que nos ajuda a continuar confiando.”

Falaremos mais sobre o tema...

  
Ruth Alencar


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2