Alcançando as Pessoas sendo fiéis aos Princípios



por Vanedja Cândido*


Cristãos em todo o mundo têm falhado. Falhado gravemente. Não me refiro a regras comportamentais. Refiro-me a cumprir o imperativo de Cristo - “Ide”. Ir pregar alguns até vão, porém, quando chega o cerne da questão, o “fazendo discípulos”, a coisa fica feia.

Um dos motivos do desastre é que um número assombroso de crentes só sabe (ou pior, só quer) lidar com crente (e olhe lá!). Esquecem que o sal precisa estar misturado na panela para ser eficaz. Esquecem que o próprio Jesus disse que sal insípido serve apenas para ser lançado fora e pisado pelos homens: “Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.” (Mateus 5:13).

A verdade é que muitos de nós temos sido pisados no trabalho, na faculdade, na vizinhança, na sociedade... por aqueles que deveríamos conduzir à salvação. A verdade é que nós, como igreja, temos nos recusado a nos misturar, ou, no máximo, temos oferecido um cristianismo insípido às pessoas. Mergulhamos em um pernicioso autismo espiritual.

A carta de João diz: “Não ameis o mundo” (1 João2:5). Por outro, o livro do mesmo apóstolo diz que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu filho unigênito” (João 3:16). Tais textos se contradizem? Como seria possível encontrar um equilíbrio? Como alcançar as pessoas, sendo fiéis aos princípios?


1- Nutrir uma vida de oração e estudo da Palavra

É possível cativar pessoas sem ser um exímio conhecedor de técnicas de aproximação, porém, pode-se dizer que é impossível impactá-las duradouramente sem uma vida de comunhão com Céu. Lembre-se que ninguém pode dar o que não tem. Como oferecer Jesus às pessoas se você não convive com Ele? É como tentar “vender” um “produto” do qual você mesmo não está convencido, e por isso não o experimenta. Assim, dificilmente seu testemunho será convincente. Assim, você não estará capacitado a dar os passos seguintes.

Jesus subia o monte a fim de ficar sozinho com o Pai, era isso o que O capacitava a lidar com as multidões quando descia do monte, quando voltava à realidade diária. Então, busque o Pai todos os dias. Dependa dEle como se sua vida dependesse disso, porque realmente depende.

Mantenha uma vida de oração. Sobretudo, oração intercessora por quem você deseja alcançar: “Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.” (Tiago 5:16).

Já disse alguém que “antes de falar de Deus aos homens é preciso falar dos homens a Deus”.


2- Tratá-las com Naturalidade e Respeito

“Não por força nem por poder, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos.” (Zacarias 4:6)






Se a pessoa tem um estilo de vida pouco usual, por mais que a tentação seja grande, cuide para não tratá-la ou olhá-la como a um ser de outra galáxia. Tal tratamento poderá deixá-la pouco à vontade, ou pôr lenha na fogueira dela. Sim, porque muitos querem apenas chocar. Pode ser por meio de costumes incomuns, palavras rudes, qualquer coisa que considerem fora dos padrões sociais pré-estabelecidos, ou que, inconscientemente, imaginem que sirva como autodefesa.

Dificilmente alguém atrairá uma atenção saudável dessas pessoas se é muito afetável, chocável, escandalizável. Como cristãos inteligentes, do século XXI, que buscam sempre a maturidade, não podemos viver alienados do que há ao nosso redor. Esquisitos existem. Revoltados existem. Amargos existem. Homossexuais existem. Invejosos existem. Ateus existem. Depravados existem. E, a menos que vivamos num monastério ou numa bolha, e queiramos nos esquivar de cumprir a ordem de Cristo, estaremos em contato com gente de vários tipos. Tais pessoas não são piores nem melhores que quaisquer outras. Não há o que temer nem assombrar-se. Não são bichos-papões! Em baixo da armadura, são nada mais nada menos do que seres humanos buscando a felicidade, assim como você e eu; a diferença é que você e eu sabemos onde está a Fonte - e precisamos mostrar essa Fonte a elas, mas não será com olhares condenatórios, indiferentes ou abismados que conseguiremos isso.

Tratar as pessoas com naturalidade faz com que não tenham medo nem receio de você. Assim fica mais fácil ganhar sua confiança.


Tratar as pessoas com respeito não significa ecumenismo. Não significa jogar confete sobre as atitudes e crenças equivocadas delas. Nem que você abrirá mão de seus princípios para fazer média. Não significa ser covarde e esconder sua fé. Tratar as pessoas com respeito, entre outras coisas, significa não ser aquele tipo de crente chato que está sempre jogando na cara dos outros o quanto estão errados. Significa não amar mais uma regra ou uma verdade do que um ser humano.

Significa não ser alguém que fica falando as mesmas coisas, sobretudo a quem não quer ouvir naquele momento. Significa não fazer anedotas ou qualquer tipo de comentário constrangedor e inoportuno sobre o modo de viver ou crer de outrem. Significa saber que as pessoas não se tornam mais cristãs ou mais salvas apenas por pertencer à mesma igreja que você. Significa saber reconhecer o que há de bom nas pessoas e nas crenças delas. Significa saber a hora de calar. Significa aceitar que as pessoas serão convertidas não por força, nem por violência, mas pelo manso e sábio Espírito de Cristo. Significa tratar os outros como você gostaria de ser tratado.


3. Amá-las incondicionalmente

“E Jesus, fitando-o, o amou e disse: Só uma coisa te falta: Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me.” (Marcos 10:21)

“disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.” (João 8:11)

“Se alguém ouvir as minhas palavras e não as guardar, eu não o julgo; porque eu não vim para julgar o mundo, e sim para salvá-lo.” (João 12:47)
E não "amar" simplesmente com a finalidade de catequizar. Esse tipo de “amor”, proselitista, soa falso. O amor que cativa verdadeiramente é aquele desinteressado. Aquele que vai muito além do mero respeito e educação (coisas para as quais nem mesmo é necessário ser cristão para possuir). É aquele amor que transpõe as barreiras do preconceito. Que não “ama” pensando no que o outro pode oferecer em troca. Que não acontece meramente pela inteligência do outro ou pelo prestígio que ele desfruta na sociedade, mas porque Cristo deu Seu sangue por ele. O amor que conquista é aquele que não espera o outro apresentar uma conduta exemplar, mas que entende que todos precisam urgentemente da graça de Cristo tanto quanto eu, você, Bruna Surfistinha e Alexandre Nardoni. O amor genuíno tem como única condição para se manifestar, a transformação diária operada pelo Espírito Santo na vida do crente. Buscar amar ao próximo, seja ele quem for, é inevitável quando se está em comunhão com Aquele que é amor.

Aceite. Acolha. Valorize os outros como seres humanos - seres humanos pelos quais Cristo morreu. AME! Isso não é passar a mão na cabeça, nem ser conivente com os pecados das pessoas (lembre-se que “amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceito, desconfio que há falta de amor". Vladimir Maiakovski), mas amar as pessoas simpatizando com elas ou não, amá-las apesar de seus pecados e de qualquer outro fator. Exatamente como Jesus fez. Exatamente como Jesus faz conosco e quer que façamos com todos. Sem exceção.

Claro que é extremamente difícil, mas a quem apresenta comportamento hostil, não pague na mesma moeda. Não quer dizer que você consentirá que lhe façam de besta, mas que tratará com misericórdia, como Cristo nos capacita a fazer (algo muito diferente de “coitadismo”). Constante hostilidade pode ser apenas o método de defesa que a pessoa encontrou para esconder uma vida deprimente. Agindo com mansidão, você mostrará a ela que não há necessidade de se armar (“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”. Provérbios 15:1). Além do que, quando a pessoa quer chocar, às vezes nada é mais chocante para ela do que um gesto de misericórdia e naturalidade inesperados. Ela irá querer chocar e ela quem sairá chocada, porque poucas coisas chocam mais (positivamente) do que a misericórdia num mundo onde ela inexiste. Assim devemos agir, mesmo porque as ações do cristão devem ser determinadas pelo caráter de Cristo e não pelo caráter e ações de outros, tão trapos de imundície quanto eu.

Tratar as pessoas não como merecem, mas como precisam, é como age quem aprende diariamente dAquele que é manso e humilde de coração (Mateus 11:29). Ninguém está dizendo que é fácil. Ninguém está dizendo que é do dia pra noite. Mas que é necessário, e plenamente possível, quando morremos dia após dia e deixamos que Cristo viva em nós (Gálatas 2:20).”


4- Seja Amigo

“Pois ide, ordenou-lhes Jesus. E eles, saindo, passaram para os porcos; e eis que toda a manada se precipitou, despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e nas águas pereceram.” (Mateus 8:32)

“Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos.” (João 15:13)

Você fará muita diferença na vida das pessoas se ao menos escutá-las. Procure entender seu modo de pensar, suas necessidades. Demonstre interesse sincero pelo bem-estar delas. Repare nas virtudes. Elogie. Incentive. Demonstre apreço.

Separe tempo. Seja para um papo espiritual, seja para ouvir suas opiniões, seus anseios, ou para rir e contar piada. Convide-as não só a programas de igreja, mas também a passeios, almoços etc. Dificilmente você criará vínculos com alguém se não faz coisas junto com ele, se não há verdadeira interação.

Conheça a pessoa. Atenda, na medida do possível, às necessidades dela. Não era assim que Jesus fazia? Primeiro demonstrava simpatia, curava, conquistava a confiança, atendia as necessidades mais urgentes do pecador, e só então dizia: “Segue-me”? Além do mais, como alguém pode entender o sacrifício de Cristo pelos seres humanos se já esqueceu que é humano, pois vive em condições subumanas, seja material ou psicologicamente? Alguém disse certa vez que antes de procurarmos salvar a alma das pessoas, devemos fazê-las saber que possuem uma (sic). Ou seja, espiritismos a parte, devemos restaurá-las a uma condição digna, restaurar seu respeito próprio, para que seja possível que elas consigam vislumbrar algo melhor.

Deixe seus amigos saberem que podem contar com você sempre que precisarem. Que podem ligar até mesmo às 3 da madrugada se realmente estiverem necessitando de uma voz amiga àquela hora. “Devemos sempre ajudar as pessoas porque podem ter fome de pão ou de amizade” (Madre Tereza de Calcutá).

Como disse Randy Maxwell, "o grande erro é querer fazer discípulos sem fazer amigos antes". Seja amigo. Para todas as horas.


5- Livre-se dos Jargões de Crente




Fale a linguagem das pessoas, isso não significa rebaixar princípios, mas falar num nível acessível.

É lamentável que muitos quando entram para a igreja não conseguem esquecer-se do mundo, mas conseguem esquecer justamente as pessoas que ainda estão lá: Esquecem como elas pensam e como compreendê-las. Lembre-se que nem todos possuem o mesmo nível de conhecimento bíblico e/ou de termos específicos que você, membro familiarizado com praxes de igreja, possui. É triste ver que muito crente, só sabe se comunicar com crente; se fecham no seu mundinho e pronto, todos têm a obrigação de entender seu "idioma".

Paulo disse que se fez de gentio para atingir os gentios, isso não é conformidade com o mundo, falta de personalidade... É inteligência! Por vezes temos falado, sem comunicar nada.  Comunicação é algo que ocorre apenas quando a pessoa a quem é direcionada a mensagem compreende-a devidamente. Uma mensagem embaçada por termos dispensáveis, que não fazem parte do cotidiano das pessoas, não é comunicação, é chatice.

Jesus, ao falar com gente simples, dava exemplos simples, relacionados ao dia a dia do povo. Paulo, Jesus... todos usaram uma linguagem relevante à cultura em que estavam inseridos. Por que muitos cristãos relutam em fazer o mesmo?

“De modo geral, as novas gerações não perguntam: ‘O que é a verdade?’. Elas perguntam principalmente: ‘Será que eu quero ser igual a você?’. Em outras palavras, elas veem a verdade como algo relacional. ‘Se eu quero ser igual a você, então quero considerar o que você crê. Se eu não vejo nada real ou atrativo em você ou em seus amigos como seguidores de Cristo, não importa quão 'verdadeiro' você pense que algo seja, não estou interessado’” (John Burke).

Atenção: Aqui não estamos falando de adaptação doutrinária, mas puramente linguística.


6- Seja Bem-Humorado e Educado


Não significa que você tenha de ser o palhaço da festa, mas alguém cuja presença seja agradável. Seja alguém que não fica se queixando e lamentando por tudo. Que sabe levar as coisas na esportiva. Deixe a timidez ou orgulho um pouquinho de lado e cumprimente as pessoas (antes de ser cristianismo, isso é educação e cortesia).

A escritora norte-americana Ellen White, chega a comentar que veríamos cem conversões ao evangelho onde há apenas uma, se tão-somente fôssemos mais corteses.

Mesmo ao tratar de temas bíblicos ou ética cristã, faça-o sem deixar um clima pesado, sem ser insistente, inconveniente. Tenha tato. Sabedoria.

A Bíblia diz que “todo aquele que deseja viver piedosamente em Cristo Jesus, padecerá perseguição” (2 Timóteo 3:12), porém, você jamais precisa atrair perseguição desnecessária (1 Pedro 3:13-17). 

Às vezes não há saída, por mais que você seja uma pessoa do bem, haverá alguém para criticar (até mesmo por inveja. Tratamos sobre como lidar com esse tipo de pessoa no item 2). Se você vai ser criticado, que seja por ser fiel aos princípios bíblicos, não por ser realmente um mala sem alça.


7- Cuide das suas palavras e ações em Geral






Fuja de fofocas, intrigas; não importa se é o que todos estão fazendo. Você pode não reparar, mas há sempre alguém notando esse tipo de coisa. Às vezes, a pessoa nem nota que nota, mas, depois de algum tempo, pode lembrar como você procurava não se envolver em comentários maldosos, o quanto era aplicado no trabalho, honesto em suas transações. Todas essas coisas tão simples produzem um alto impacto. Como disse Dwight Moody, “de 100 pessoas, 1 lerá a Bíblia, 99 lerão o cristão”.

“A maior necessidade do mundo é a de homens, homens que se não comprem nem se vendam; homens que no mais íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens que sejam tão fiéis ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto ainda que caiam os céus” (Educação, p.57).


8- Seja Convicto

Atos 4:13


Não tema posicionar-se ao lado de seus princípios. Não haja como se fosse uma desvantagem crer no que você crê. Respeitar as pessoas não significa que você não deva ser firme e convicto ao expor as razões da sua fé.

Estude. Leia. Questione. Reveja periodicamente em que bases sua fé está alicerçada, isso lhe dará segurança ao falar dela a outros.



Tenha plena convicção de que você é portador de uma mensagem da qual o mundo precisa urgentemente. Deixe que essa certeza permeie todas as áreas de sua vida.

Em comunhão com o Céu, Jesus lhe dará sabedoria e coragem para aproveitar as oportunidades de conduzir outros a Ele


_______

.1 - Vanedja Cândido Barbosa, acadêmica em Ciências Biológicas

Comentários

  1. Mais uma vez muito obrigada Vanedja... que Deus abençoe vc.

    grande abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

O Rio Jordão: As Águas de Naamã