O Amor, o Ódio e os Personagens do Grande Conflito


O texto que contem a parte nº1 pode ser facilmente visualizado neste texto Criou Deus o Mal?

“O conhecimento de Deus não começa com a razão humana, mas com a revelação. Isto é, Deus precisa primeiro revelar-Se. Não podemos descobri-Lo por meio de nossos próprios esforços. E essa revelação de Deus teve a expressão máxima em Jesus Cristo.”
 (Loron Wade - Os Dez Mandamentos, pág. 18)

Muitos pensam que Jesus morreu porque os sacerdotes judeus O acusaram e O prenderam. É bem verdade que eles foram personagens ativos em todo o processo, mas é realmente um julgamento feito na calada da noite a única explicação para um fato tão marcante na história da humanidade? Jesus não foi morto porque o Sinédrio e Pilatos O sentenciaram. Terá sido porque Judas O traiu? Porque Pedro O negou? Porque os soldados O pregaram na cruz?

Não. Os sacerdotes O fizeram porque tiveram inveja e ciúme por causa da liderança de Jesus. Pilatos se omitiu porque foi covarde. Judas O traiu por finanças, assim como Pedro por covardia e os soldados por crueldade.

Muitos pensam que Aquele que morreu na cruz foi muito permissivo e submisso. Pois vou dizer uma coisa, dou graças e louvores a Jesus por Sua obediência passiva... Por tão grande e imensurável amor! Por tão sublime e incomparável humildade e nobreza do Ser.

Não... Decididamente não! Deus não foi à cruz porque alguém O condenou. Ele aceitou aquela morte na cruz por amor. Deixe-me lhes falar de uma mensagem especial: da justiça e do amor de um SER que foi além, muito além do nosso critério de amor e que às vezes por não compreendê-LO somos tentados a julgá-LO.

Pergunto-lhes, pode nossa mente finita alcançar tal conhecimento? Como julgar se justa ou injusta as ações divinas tendo como princípio a nossa imperfeita justiça e questionável ética? Quando escuta o nome do SENHOR que imagem lhe vem à mente? A de um justiceiro impiedoso, sanguinário e vingativo sempre pronto e veloz em aplicar a punição às Suas criaturas? Um SER exigente e intransigente que nos observa a todo instante procurando nossos erros e transgressões a fim de aplicar a Sua Lei? Um SER que Se omite diante do mal e da injustiça, que a tudo observa de forma inativa? Um SER que abandonou-nos ao sabor de nossos próprios erros ou a de um SER que ama a justiça porque o Bem é a Sua própria essência?

Onde podemos encontrar as melhores respostas às nossas indagações sobre este Deus tão intrigante? Penso que isto só se torna possível através da Sua Palavra. Qual é a Palavra de Deus? Com certeza responderemos todos que é a Bíblia. Então, com certeza é nela que encontraremos as respostas sobre Deus.

Esse não é um tema superficial. Requer maturidade espiritual. Compreender esta questão nos ajuda a compreendermos o quanto importante é sabermos em que cremos, em Quem cremos e por que cremos. E disto resultará a compreensão plena do que representa para nós a morte de Jesus Cristo na cruz do calvário.

Faço parte do grupo que defende o "Sola Scriptura". Compartilho o pensamento de que a Bíblia é um livro contextualizado e que tem a capacidade de explicar-se a si mesma. E essa contextualização não pode ser vista como um fator negativo ou que possa pontuar a favor dos argumentos de que a Bíblia é um livro que se contradiz, mas como um instrumento de comprovação da verdade teológica de Deus. Gosto do pensamento que afirma que a Bíblia traz nela mesma a marca de sua origem. De que nenhum livro tem a capacidade de responder ao ser humano as suas mais profundas interrogações. E de que apesar de sua historicidade ela encerra uma mensagem para todas as épocas e todas as condições de vida. E exatamente porque é rica da essência divina que é eficaz e eficiente para nos iluminar não somente a inteligência, mas o ser por inteiro.

A Bíblia fala de um ser que em essência é antagônico ao Bem. Segundo a Bíblia, o Mal existe também sob a forma de uma criatura e é neste ser que se encontram as explicações sobre o mal e suas consequências: a morte, a dor, a tristeza, o ódio... 

Foi o Mal a causa da morte de Jesus naquela cruz. O Mal é um princípio e é dele os frutos que não vêm do Bem. Conhecemos uma árvore por seus frutos, lembra? Poderia o Mal ser parte de Deus? Sinceramente, não do Deus Criador da Vida. Sendo Onisciente, como poderia criá-lo sabendo todo o estrago que causaria? Lembram que Jesus ensinou que deveríamos mostrar a outra face? Foi essa face, a Sua face, que Deus mostrou naquela cruz. O Mal O pôs lá, mas porque Ele é amor o venceu e aquela cruz transformou-se no maior instrumento de resgate contra o Mal. E o que é mais maravilhoso, Seu sacrifício retirou a minha máscara porque aquela cruz deveria ser minha. Ele tomou o meu lugar e a Sua morte me deu vida. Ele abriu o túmulo (da morte) de dentro para fora e me deu vida em abundância. Porque foi isto que Sua presença fez na minha vida. Ele foi ao túmulo para me colocar no Céu. Libertou-me do cativeiro do Mal. Da potestade de satanás. Deu-me liberdade. Reconquistou para mim a imortalidade. Tornou-me filha Sua.

É esta mensagem que compreendo quando escuto as Suas palavras: “Está consumado!” (João 19:30).

O Mal é um princípio que desencadeia más ações. São coisas intrínsecas embora distintas. A morte de Jesus sobre aquela cruz quebrou todos os paradigmas do orgulho humano. Por isso, muitos rejeitam a Jesus. Como pode o Ser divino permitiu-Se estar suspenso entre a Terra e o Céu, sofrer sede, dor, vergonha, humilhação e abandono? O Grande Eu Sou?! Não! Imagina!

Jesus foi o instrumento divino para enfrentar a morte haja vista que Deus é imortal. A Bíblia diz que Ele esvaziou-Se ao ponto de tornar-Se servo. Esvaziou-Se para revestido de humanidade vencer e nos dá a mesma vitória. Foi perseguido, cuspido, preso, açoitado, morto! Sendo Deus Se fez homem. Sendo santo Se fez pecado, sem nem mesmo ter cometido nenhum pecado! Sendo bendito Se fez maldição e o mais impressionante, sendo o autor da vida e tendo o dom da vida em Si mesmo, a subjugou através da morte para que tivéssemos vida eterna e abundante.

Não existe Deus do Velho Testamento e Deus do Novo Testamento. A Bíblia diz que Jesus era Deus conosco. Aprendi uma coisa com Jesus: Ele é a maior expressão de amor de Deus e como eu creio que Jesus é Deus a conclusão que posso tirar é que ainda que em nome de Sua justiça o “mal” tenha que vir sobre minha vida, vou dizer que esse “mal” será sempre o resultado do pecado que como intruso entrou no Universo. Guardo a esperança em meu coração de que este intruso, sem autoria divina, será para sempre exterminado porque o meu Deus tem poder e autoridade sobre ele.

Não há registro na Bíblia de como se originou o mal no coração de Lúcifer, apenas narra que começou com ele e “nos expõe as consequências do mal. O objetivo de Deus é mostrar-nos que o mundo é regido por leis perfeitas estabelecidas para a preservação da vida, e que o desrespeito a essas leis pode ter consequências trágicas (...) Porém, não pode existir amor onde não existe liberdade. Portanto, a possibilidade de amar ou rejeitar a Deus, de servi-Lo ou abandoná-Lo, de fazer o bem ou o mal, era parte de um mundo perfeito. Se não existisse a possibilidade do mal, as criaturas celestes não seriam livres. Seriam escravas do bem. Fariam o bem porque não teriam opção de fazer o mal. (...) O mal não é a simples possibilidade. O mal é a rebelião contra os princípios do bem, é a escolha deliberada da possibilidade do mal.(...) Infelizmente esta foi a decisão de Lúcifer, o anjo mais famoso do universo. Ele se rebelou contra Deus e tentou derrubá-Lo do governo celestial. Acusou o Criador de duas coisas: em primeiro lugar, na opinião de Lúcifer, as criaturas celestiais poderiam ser mais felizes e mais livres se não existissem todas essas leis que regem o Universo. Em segundo lugar, Deus, na opinião do anjo caído, era um ditador arbitrário que amputava a liberdade de Suas criaturas e portanto ele, Lúcifer, era a pessoa certa para governar o Universo. (...) Lúcifer começou a semear entre os anjos suas dúvidas e acusações. E Deus não podia permitir por tempo indefinido essa situação no céu.” (Alejandro Bullon. O Terceiro Milênio e as Profecias do Apocalipse – Como viver sem medo do futuro. Pág. 20- 22. Casa Publicadora Brasileira. 1998)

Esta é 
a origem da manifestação do mal segundo a Bíblia: a rebelião aconteceu primeiro no Céu, em seguida, sobre a Terra. Quando a guerra surgiu no Céu, Miguel - o Cristo antes de sua encarnação - combateu contra Lúcifer (hoje Diabo, Satanás).

“Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos.”
 (Apocalipse 12:7-9)

Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta.” 
(Apocalipse 12:12)

O diabo existe e não é uma força ou energia negativa. Ele é um ser real e pessoal e está presente neste mundo, trazendo dor, tristeza, morte, depravação e corrupção aos seres humanos.

Lúcifer introduziu não somente o espírito de rebelião na Terra, mas também todo o sofrimento e dor. Agora, observado por todo o Universo, nosso mundo tornou-se o palco dessa controvérsia universal, dentro do qual será finalmente desmascarado o verdadeiro inimigo da humanidade e vindicado o Deus de amor.

Mas, por que Deus não destruiu os rebeldes ao invés de simplesmente expulsá-los? Deus não destruiu os rebeldes simplesmente porque Deus, o Criador, ama respeitar o livre arbítrio de Suas criaturas. Estamos falando de um Criador que nos fez para sermos livres e os seres criados, até a instigação de Lúcifer, só conheciam o bem. Eles não tinham nenhuma experiência com a rebelião. A principal acusação de Lúcifer era de que Deus era injusto ao exigir de todos a obediência às Suas leis. Essa acusação parecia ter algum sentido, segundo seus argumentos. Como saber a resposta? Ele precisava de um tempo para provar a validade de suas ideias

Mostrar ao Universo os dois argumentos, o do Criador e o da criatura, por isso neste primeiro momento, o Criador “apenas” o expulsou do Céu, juntamente com aqueles que aceitaram suas ideias, e continuou com o Seu plano de expansão da criação. Se Deus o tivesse destruído, as criaturas O teriam obedecido por temor de serem destruídas também e não por amor. Daí em diante, pairaria para sempre a dúvida de que talvez Lúcifer tivesse tido razão. Eu creio que, como cristãos, somos o argumento vivo do Deus Criador. 

Quanta responsabilidade temos em meio a essa controvérsia espiritual! Este tema, o Bem e o Mal, terá continuidade em nossas próximas reflexões. Há muito o que ser dito, lido e escutado sobre ele. Apresentaremos reflexões sobre algumas passagens bíblicas apresentadas como argumento por parte dos que têm a visão de que o Deus do Antigo Testamento era mau. Se os púlpitos não fossem desperdiçados com temas sem grande ou nenhuma importância muitos equívocos e enganos não estariam hoje no meio cristão.


Que Deus nos ilumine.  

Todos os textos sobre o tema O Grande Conflito já publicados pelo Nossas Letras estão condensados neste álbum em nossa página do facebook. Você pode acessá-los a partir de suas imagens neste link aqui. Basta clicar na imagem e o novo tema surge.

Ou ainda, se preferir, pode acessar diretamente da página Índice Geral no item : 8 - O Bem e o Mal 


Ruth Alencar


Comentários

  1. nemarcosta4 de novembro de 2010 13:46

    Foi por amor + justiça = verdade.

    Ruth, este teu blog (e da Brígida, quando eu a conhecer melhor liberto-a dos parenteses.)Está entre os blogs que recomendo (e são muito poucos).

    Já me alistei como teu seguidor. (a relação dos que recomendo estão registradas no meu "nemarcosta.blogspot.com./" Minha foto já está neste. Cumprimentos do novo assíduo leitor.

    Nemar Costa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 4 de novembro de 2010 14:35

      Nemar... que honra tê-lo conosco. Faço o convite para nos brindar com textos seus.

      Brígida é um amor de pessoa, logo vc a libertará. hehehehehehe

      Tomei nota de todas as sugestões de tema que vc enviou. Logo, logo estaremos conversando sobre eles.

      Um grande abraço... essa casa é suatambém.

      Excluir
  2. Pedro6 de novembro de 2010 17:21
    .
    .

    “O conhecimento de Deus não começa com a razão humana, mas com a revelação. Isto é, Deus precisa primeiro revelar-Se.”

    Entendo que todo aprendizado é fruto da revelação Divina. Nós desenvolvemos entendimentos, não criamos nada. E, Deus nós dotou de razão para entendê-LO.
    .
    .

    “Os sacerdotes O fizeram porque tiveram inveja e ciúme por causa da liderança de Jesus. Pilatos se omitiu porque foi covarde. Judas O traiu por finanças, assim como Pedro por covardia e os soldados por crueldade.”

    Inveja, ciúme, covardia, crueldade:

    Ter inveja de Deus é uma bruta ignorância;
    Sentir ciúme de Deus é ignorância pura;
    Praticar covardia contra Deus é ignorância sem limite;
    Ser cruel com Deus é o cúmulo da ignorância.

    Todo engano é fruto da ignorância de não se conhecer o que é divino.
    .
    .

    “Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se eu falo por mim mesmo.” (João 7:17


    “Pergunto-lhe, pode nossa mente finita alcançar tal conhecimento?”

    Claro que não, por isso somos ignorantes, estamos sempre buscando conhecimento do que é divino. Única forma de evitarmos os enganos que nos afligem.

    Pedro

    ResponderExcluir
  3. Pedro6 de novembro de 2010 17:24
    .
    .

    “Deus quer de nós um culto racional, um culto que se confirme através de um agir fundamentado nos princípios divinos. Foi exatamente a não obediência ao espírito da vontade divina que fez surgir a manifestação do Mal.”

    Ruth, o que significa um culto racional fundamentado nos princípios divinos?
    Não é usar a razão para aplicação do conhecimento que se tem do que é divino?
    Existe razão para quem ignora o que é divino?
    Pode-se conhecer o Divino e não se agir com a razão?

    Acredito que grande parte do nosso problema está no fato de querermos estabelecer índices para o nível de conhecimento das pessoas. Não dá para se afirmar que alguém tem pleno conhecimento de absolutamente nada. Portanto seremos sempre ignorantes em relação a tudo.
    .
    .

    “O Mal. Esse não é um tema superficial. Requer maturidade espiritual.”

    O mal foi herdado, desenvolvido, criado, inventado?

    O que é o mal?

    A quem, ou que, se atribui a sua origem?
    Qual a verdadeira causa do mal?

    Entendo que só o conhecimento do que é divino pode nos dar o entendimento capaz de nos livrar da prática de enganos.
    .
    .

    ”Faço parte do grupo que defende o "Sola Scriptura".

    Eu também. “Sola Scriptura”, quando analisada e entendida sob o ponto de vista da essência da sua mensagem, contém a verdade divina. Literalidade pode ser é um perigo!

    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um culto racional é um culto fundamentado no amor e reconhecimento a quem decidimos respeitar e servir. Não se trata da intelectualização da fé. É fé por discernimento e aprendizado.

      Em se tratando do mal, Pedro, há uma literalidade sim, pois o principio moral só ganha fôlego, existência se houver agentes que o operacionalize.

      Excluir
  4. Pedro6 de novembro de 2010 17:25
    .
    .

    “Pelo que alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo.” (Apocalipse 12:12)

    O livro de Apocalipse é um exemplo contundente da força de expressão literal e das figurações na Bíblia. Essas figurações, quando não analisadas sob o ponto de vista da essência do propósito divino, podem tornar a literalidade bíblica uma faca de dois gumes.

    Um exemplo: Os céus e seus habitantes deveriam alegrar-se por terem se livrado do seu feroz inimigo, lançando-o contra os pobres terráqueos?

    A ênfase na literalidade, se não entendida, compromete a essência da mensagem.
    .
    .

    “Está consumado!” (João 19:30).

    “Está consumado”. Eu paguei a “conta”, conforme programei no plano da redenção. Não mais deveis nada à Lei, nem a ninguém mais, exceto a Mim. Eu sou o credor único das vossas dívidas. Só a Mim deveis confessar os vossos enganos e pedir perdão. Só Eu posso lhes perdoar, pois sou o credor absoluto de tudo que deveis.
    Mas, lembrem da minha misericórdia!
    “Pai, perdoa-lhes porque eles não sabem o que fazem”.
    Eu não levo em conta o tempo da ignorância em que viveis. Dia há de vir em que porei em vossas mentes o conhecimento necessário para que não mais cometais enganos. E ninguém mais enganará ou será enganado.

    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas


    1. Pedro sobre:

      “Pelo que alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo.” (Apocalipse 12:12)


      É assim que compreendo. Os Céus não se alegram porque o diabo veio sobre a Terra. Os céus se alegram porque ele foi expulso de lá. Porque ele não está mais entre eles. Usa-se aqui uma distinção territorial: a esfera celeste, onde outrora ele habitava, e a Terra para onde ele se dirige.

      Excluir
  5. 6 de novembro de 2010 17:27
    .
    .

    “Portanto, a possibilidade de amar ou rejeitar a Deus, de servi-Lo ou abandoná-Lo, de fazer o bem ou o mal, era parte de um mundo perfeito.”

    Perfeição pressupõe a impossibilidade de imperfeição!
    Só é perfeito aquele, ou aquilo, que reúne, em si mesmo, tudo em absoluta ordem.
    .
    .

    “Se não existisse a possibilidade do mal, as criaturas celestes não seriam livres. Seriam escravas do bem.
    Fariam o bem porque não teriam opção de fazer o mal. (...) O mal não é a simples possibilidade”.

    Que me perdoe o Pastor Bullon, mas, entendo que não poderia existir “escravas do bem”. Escravidão é um estado de dependência perniciosa a uma força opressora. Se opressão é uma maldade, poderia Deus abrigá-la em Seu caráter, ou ser considerado opressor por praticar o bem absoluto?
    .
    .
    “O mal é a rebelião contra os princípios do bem, é a escolha deliberada da possibilidade do mal.(...) Infelizmente esta foi a decisão de Lúcifer, o anjo mais famoso do universo. Ele se rebelou contra Deus e tentou derrubá-Lo do governo celestial.”

    Por ventura, pode existir ignorância, estupidez, falta de conhecimento, maior do que acreditar na possibilidade de derrubar a Deus?
    Donde veio a maldade de Lúcifer?
    Ele herdou, desenvolveu, criou, inventou, como foi que ela apareceu?
    Numa coisa eu acredito: Lúcifer, como todos os seres, herdou, de Deus, conhecimento limitado. Ele era, e sempre será, ignorante em relação ao todo. Onisciente só Deus.
    .

    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedro, vc diz: Perfeição pressupõe a impossibilidade de imperfeição! Só é perfeito aquele, ou aquilo, que reúne, em si mesmo, tudo em absoluta ordem.

      Pedro, perfeito somente Deus. Tudo o que Ele fez foi perfeito. A imperfeição que passou a existir não se abriga na natureza divina, apenas nas de Suas criaturas.

      Perfeição nessa sua visão implica em absolutismo e isso Deus não é. Essa foi a acusação de Lúcifer. O plano da Redenção foi perfeito. Jesus morreu por todos. Mas, a execução prática da salvação implica na aceitação humana. O plano de Deus deixou de ser perfeito porque haverá homens ou mulheres que não pertencerão ao Seu reino?

      Não. Claro que não! O plano foi perfeito ainda que alguns se percam. Essa é exatamente a questão. A perfeição do Seu plano tinha que ter em sua natureza a liberdade humana de escolha, ainda que essa fosse a de rejeitar o plano de salvação já executado por Jesus.

      Excluir
  6. Pedro6 de novembro de 2010 17:30
    .
    .

    “O diabo existe e não é uma força ou energia negativa. Ele é um ser real e pessoal e está presente neste mundo, trazendo dor, tristeza, morte, depravação e corrupção aos seres humanos.”

    Eu creio que todo ser, em virtude da sua ignorância, estará sempre cometendo enganos. Uma das formas de se cometer enganos é influenciar outros seres com as suas idéias errôneas.
    Se isto é fato, quem mais comete enganos é também o maior ignorante. Mas, aí surge um problema a ser digerido pela nossa mente ignorante: “onde abundou o pecado (o engano, a ignorância) superabundou a misericórdia”. Misericórdia que é infinita, segundo eu creio.

    .
    .

    “Se Deus o tivesse destruído, as criaturas teriam obedecido ao Criador por temor de serem destruídas também e não por amor. Daí em diante, pairaria para sempre a dúvida de que talvez Lúcifer tivesse tido razão.“

    Deus não precisa fazer nada, além de dar-Se a conhecer, a fim de que toda dúvida seja esclarecida. Ele será mais, ou menos, amado à proporção que for, ou deixar de ser, conhecido.

    CONHECER A DEUS É TUDO...

    Fraternalmente.

    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todas as suas questões Pedro são apresentadas nos textos sobre a série o Bem e o Mal:

      http://nossasletrasealgomais.blogspot.com.br/p/indice-geral.html

      Excluir
  7. Reeditamos esse texto para aproveitar o tema desta semana das lições da Bíblia que teremos em nossa Escola Sabatina deste novo trimestre.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2