O Anticristo e seus braços de Atuação - parte 2

Continuando a reflexão tendo por base o texto do apóstolo Paulo em 2 Tessalonicenses 2

Em Mateus 24 Jesus nos adverte de que está chegando a hora em que milhões de pessoas serão esmagadas pelo mais poderoso e sofisticado engano de todos os tempos. Líderes religiosos altamente convincentes operarão “grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos”  (ver também 2 João 7). Líderes religiosos? Sim, a Bíblia nos alerta de que a obra mais maligna do Anticristo sairá de dentro do cristianismo. Certamente do cristianismo apostatado.

"Anticristo (do grego αντιχριστός i.e. "opositor a Cristo") é uma denominação comum no Novo Testamento para designar aqueles que se oponham a Jesus Cristo, e também designa um personagem escatológico, que segundo a tradição cristã dominará o mundo nos últimos dias antes que haja a segunda vinda de Cristo." (google)


A missão de Cristo desde o início foi dizer a verdade acerca de Deus: Perguntou-lhe, pois, Pilatos: Logo tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. (João 18:37).


A missão de Cristo desde o início foi dizer a verdade acerca de Deus: Perguntou-lhe, pois, Pilatos: Logo tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. (João 18:37).

Mais interessante foi ainda a segunda pergunta de Pilatos: “Que é a verdade? E dito isto, de novo saiu a ter com os judeus, e disse-lhes: Não acho nele crime algum. (João 18:38) Pilatos perguntou, mas não ficou para ouvir Jesus. Saiu. Saiu convicto de que Jesus era inocente. Foi ter com seus acusadores, expôs sua opinião, mas não agiu com justiça. Numa decisão política cedeu aos caprichos de um grupo de líderes religiosos sedento por livrar-se dAquele que expunha suas hipocrisias religiosas.

Alguém disse certa vez que: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é suprimi-la”.  Toda e qualquer ação que se aplique contra a exposição da verdade das Escrituras Sagradas é uma atitude que se assemelha a de Pilatos. E ao longo da sua história a humanidade vivenciou a covardia dos injustos e a esperteza dos mentirosos e enganadores. Religiosos ou não. Penso que os braços do anticristo são tão perversos quanto ele mesmo. Embora compreenda que "no fim, sejam quais forem as manifestações políticas e religiosas exteriores ao grande conflito, que ocorre na Terra, o evangelho de Jesus Cristo, não eventos políticos, sempre tem sido o principal divisor entre o bem e o mal ao longo da história cristã. O Anticristo revela seu verdadeiro caráter usurpando a vida, morte e reinado celestial de Jesus. Todos os outros atores no drama desempenham papéis secundários.1

Em Romanos 1:18 lemos: “Pois do céu é revelada a ira de Deus contra toda a impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade em injustiça.

Engana-se quem pensa que Deus está Se omitindo diante de todo o sofrimento da vida na Terra. Há uma promessa sólida na Bíblia de que Deus intervirá na história da humanidade, o mal não dará a última palavra.

A humanidade tem muitas questões existenciais. Sempre se perguntou: De onde vim, por que estou aqui? Para onde vou? A questão não é a ausência das respostas, pois elas existem claramente expressas na Bíblia. A questão é, está a humanidade disposta a ouvi-la e aceitá-la? Quem recusa aceitar a verdade de Deus é certo de ser enganado pelo erro. Jesus em Mateus 24 faz uma profecia para Jerusalém com aplicações também para outros tempos futuros na história de Seu povo.

“Quando, pois, virdes estar no lugar santo a abominação de desolação, predita pelo profeta Daniel (quem lê, entenda), [...] porque haverá então uma tribulação tão grande, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem jamais haverá. E se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias.Se, pois, alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei-lo aí! não acrediteis; porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios; de modo que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. [...] Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até o ocidente, assim será também a vinda do filho do homem.

Essa “abominação desoladora” no lugar santo, da profecia de Cristo, o “chifre que fazia guerra contra os santos” de Daniel 7, o “chifre pequeno que se engrandeceu até contra o exército do céus” de Daniel 8 e o anticristo pessoalmente assentado no templo de Deus, da profecia de Paulo, são o mesmo fenômenoDaniel 11:36-39 também fala de um poder blasfemador, permitindo-nos concluir que se aplicam tanto ao próprio Satanás quanto a seus perversos agentes ao longo da história cristã.

As epístolas aos Tessalonicenses são cartas escritas pelo apóstolo Paulo aos cristãos de Tessalônica enquanto estava na cidade de Corinto. Paulo soube que eles estavam bastante perturbados com algumas mensagens que circulavam a respeito do tempo da segunda vinda de Cristo. Especulações sobre o dia e a hora da volta de Jesus fez com que eles passassem a acreditar que Jesus estava voltando naqueles dias. Chegaram à conclusão de que a segunda vinda de Cristo estava próxima ou já havia ocorrido de algum modo secreto. 

Temendo que eles perdessem o foco Paulo lhes explica que Jesus não havia ainda voltado e que antes de Sua vinda, como prometera, uma grande apostasia aconteceria. Paulo lhes exorta a permanecerem na esperança e amor à verdade a fim de que não fossem enganados pelos inúmeros charlatões que percorriam o mundo romano revendendo panaceias religiosas ou filosóficas.

“Ao corrigir algumas ideias erradas dos tessalonicenses acerca dos eventos dos últimos dias, Paulo apresenta preciosas verdades sobre o tema. Porém, a questão fundamental dos últimos dias não é o tempo dos eventos, nem mesmo todos os detalhes, mas de que lado estamos no grande conflito.1

Aos lhes escrever Paulo revela-se um excelente líder religioso, um fiel pastor, que cuida do bem estar espiritual deles com genuíno interesse. Corrigindo a falsa teologia que começara a circular entre os cristãos de Tessalônica, Paulo revela-nos também a verdade sobre os enganos do fim dos tempos. Este tema é muito interessante, pois em nosso contexto temos desafios semelhantes com um grande número de pregadores e movimentos religiosos que insistem em marcar datas, especulam no terreno das conspirações e dos documentos secretos.

Em nossos dias há quem pregue sobre chips na mão e na testa como sinal indicativo de adoradores da “Besta” (inimigo de Deus). Sobre este assunto falamos neste texto aqui. Infelizmente até púlpitos têm sido utilizados na pregação de tais delírios.

Paulo nos adverte que Satanás está preparando poderosos enganos mundiais que serão apresentados pouco antes da volta de Cristo. Infelizmente, a maioria dos habitantes do mundo será enganada por não estudar a Bíblia. Não será por ignorância, será por não desejar conhecer a verdade, por não optar por estar do lado da verdade. Serão os Pilatos da história. Terão a oportunidade de escrever um final diferente para sua própria história de vida, estarão frente a frente com a verdade, mas optarão por mergulhar as mãos nas cisternas rasas plenas da vaidade e orgulho religioso.

Observa Paulo: o anticristo, “o homem da iniquidade” (2 Tessalonicenses 2:3), virá “com todo poder, e sinais, e prodígios da mentira, e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos” (versos 9 e 10). Porque não amam a verdade milhões de pessoas serão vencidas pelo último grande engano.

“Como ato culminante no grande drama do engano, o próprio Satanás personificará Cristo... Em tom manso e compassivo apresentará algumas das mesmas verdades celestiais e cheias de graça que o Salvador proferia;... Somente os que forem diligentes estudantes das Escrituras e receberem o amor da verdade estarão ao abrigo dos poderosos enganos que dominam o mundo” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 624, 625).

Já há muito o princípio de rebelião do anticristo tem se estabelecido. Esse poder está associado àquele que no passado ao longo de sua trajetória exerceu forte perseguição contra o sincero povo de Deus. Um poder que vem ganhando terreno e que o livro de Apocalipse nos revela claramente em suas profecias: a besta que emerge do mar terá autoridade sobre todo o mundo, e daí receberá apoio em sua nefasta obra de combater a Deus e a Seu povo (Apocalipse 13:3, 7, 8, 12, 14 e 16). Esse poder apocalíptico é o mesmo representado pelo “homem do pecado, o filho da perdição” de 2 Tessalonicenses 2: 3.

O desenrolar dos acontecimentos históricos têm sempre sua origem no coração do homem, por isso Paulo escrevendo aos hebreus disse: "Porque do coração procedem os maus pensamentos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.” (Hebreus 15:19) O coração é o palco onde os dois livros proféticos, Daniel e Apocalipse, encontram espaço e também se desenrolam. É nele que se dá a batalha do ‘Armagedom’.

A rebelião do homem contra Seu Criador e sua tentativa de gerenciar a História subestimando a soberania de Deus são as apresentações loucas e irrefletidas de homens e mulheres, religiosos ou não, que têm se confundido sobre qual é o seu verdadeiro papel na história ou se arvorado o direito de se fazerem semideuses.

É preciso que ressaltemos que há muitos que estão sendo extremamente fiéis em sua espiritualidade, mas infelizmente estão sendo enganados e o que é mais triste ainda, sendo também enganadores ao ensinar doutrinas que não têm base bíblica a não ser nas tradições religiosas. Por isso, o apóstolo Paulo ressalta em sua epístola aos tessalonicenses que um fenômeno se processará antes da volta de Cristo: a apostasia. Ora, apostasia é o abandono da verdade. Paulo contesta as falsas doutrinas lembrando sobre essa apostasia.

A história do cristianismo nos revela que o princípio da rebelião contra Deus já está agindo na oposição feita ao evangelho em todos os tempos e lugares, porém ainda não está abertamente entronizado como estará na breve duração do domínio do anticristo, porque diz o verso 7, “há um que agora o detém”. Falaremos sobre isto no próximo texto.

O que é esse princípio de rebelião? Apostasia significa ruptura, separação, divórcio, abandono da fé, ou o exercício de fé corrompido. E é exatamente este estado de fé corrompido que será o braço de atuação do Anticristo, pois propiciará a Satanás o exercício e aplicação do seu sistema de rebelião contra Deus. Neste primeiro momento esta manifestação está sendo feita de forma velada. Mas, no futuro ele empregará instrumentos humanos, poder político e sistemas religiosos para se opor e se levantar “contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, apresentando-se como Deus”. (verso4)

O que isto nos ensina? Aprendemos que o Anticristo encontrará forças e apoio dentro do próprio cristianismo para operação dos seus erros e enganos (verso 3). Mas, que isto ocorrerá porque entre os cristãos haverá aqueles que serão negligentes, apenas professos cristãos. O cristão zeloso por amar a verdade estará resguardado desta apostasia, pois conhece a verdade e a ama.

“Ninguém de modo algum vos engane; porque isto não sucederá sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição,

A apostasia é o grande sinal da proximidade da volta de Cristo e ela ocorrerá porque houve negligência no estudo da Palavra de Deus. Por isso, Paulo explica que é preciso também a religião do conhecimento. Quem não estuda a Bíblia é facilmente conduzido por boatos e distorções dos ensinos bíblicos. Quem não estuda a Bíblia constrói sua fé nos alicerces dos dogmas religiosos, nas invenções humanas. Quem não estuda a Bíblia e professa ser um cristão finda por reproduzir as inverdades que escuta, tornando-se instrumentos nas mãos de Satanás em sua operação de engano e projeto de luta contra Deus e Suas verdades.  Estes findam por ensinar distorções da verdade:

. ensinam que há um arrebatamento secreto; (posteriormente publicaremos alguns estudos sobre este tema)

. ensinam que a Trindade não existe;

. ensinam que só devemos orar de joelhos;

. ensinam que o Espírito Santo não é Deus;

. questionam a divindade de Cristo;

. afirmam que o cristão pode ser perfeito igual a Jesus Cristo;

. ensinam que há vida após a morte (numa dimensão de imortalidade da alma);

. desvirtuam o caráter misericordioso de Deus ensinando a existência de um inferno eterno;

. colocam a salvação num prato de comida;

. ensinam que a salvação é por predestinação;

. ensinam o batismo dos mortos;

. ensinam que Jesus não é o único caminho (não é suficiente, então?). Nesse instante uma grande procissão religiosa passa em frente a minha casa e em meio a fogos de artifício os fiéis cantam dizendo: “viva Nossa Senhora da Salete, a restauradora dos homens!”. Desculpem-me os que creem nisto, mas isto é uma mensagem antibíblica.

É isso que a Bíblia ensina: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. E para onde eu vou vós conheceis o caminho. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho? Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João4:1-6)

Jesus Cristo identifica-Se como o Caminho (João 14.6), pois que é por Ele somente que os crentes obtêm a comunicação com o Pai. Estas expressões ‘o Caminho’, ‘este Caminho’, usavam-se a respeito da crença e prática cristãs (Atos 9:2; 19:9,23; 22:4; 24:14,22), talvez para contrastar com o sistema judaico de regras para a vida diária, chamadas Halacote ou Caminhos. De qualquer forma a Bíblia afirma que não há outro nome em que podemos encontrar a salvação e intercessão:

“E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro  nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos.” (Atos 4:12) 

“mas, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.” (1 João 2: 1-2)

. mudam a Lei de Deus esquartejando Sua vontade. Ensinando que não é o sábado o dia reservado por Deus para uma comunhão dos Seus filhos com Ele, mas qualquer dia da semana. Ou chegam mesmo a determinar outro dia. Verdade seja dita todos os dias são dias para usufruirmos das bênçãos de uma comunhão com Deus. A questão não é essa. A questão é que Deus reservou o sétimo dia, o sábado para Ele. Nós que somos Seus filhos devemos servi-LO segundo a Sua vontade e não a nossa ou dos homens religiosos. Sobre este tema indicamos os textos os textos  Encontrando Paz  e Antes Importa Obedecer a Deus do que aos Homens.

É preciso conhecimento da Bíblia para que haja discernimento do que vem e o que não vem de Deus. Devemos decidir e estudar a Bíblia diariamente para que o aprendizado da verdade nos salvaguarde dos enganos de Satanás, que é o maior interessado na destruição dos cristãos e de sua fé.

Precisamos saber que para compreendermos a figura do Anticristo implica compreendermos a existência de duas forças espirituais. Antagônicas, mas não iguais, pois sendo Deus uma e Satanás outra, jamais a criatura poderá ter a sua potencialidade equiparada a do Criador. Precisamos compreender que em se tratando de conflito a ordem é vigiar e orar.

“Acautelai-vos; não sejais enganados; porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu; e: O tempo é chegado; não vades após eles.” (Lucas 21:8)





Continuaremos...
  
Referência



Ruth Alencar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

O Rio Jordão: As Águas de Naamã