O Verdadeiro e Eterno Natal



Não, não há exclusivismos no amor de Deus. Está escrito que “Porque Deus amou tanto o mundo que deu Seu Filho Único, para que todo aquele que nele confia possa ter vida eterna, em vez de ser completamente destruído.” (João 3:16) O mundo não é somente o palco onde Deus cumpre os Seus propósitos de redenção. O mundo compreende todo e qualquer ser humano.

Não! O natal não é uma festa cristã, é a alegria de todos os homens, mulheres e crianças, independente de sua religião ou não religião, posição social e nacionalidade. Independente de toda e qualquer condição humana: heteros ou homossexuais. Honestos ou desonestos, adúlteros ou não, prostituídos ou não... A missão de Deus ao nascer como um de nós através de Jesus Cristo é uma só: salvar e não condenar. Esta é a verdadeira mensagem do natal.

O natal tem essa magia, traz sensibilidade, desejo de compartilhar... 

São maravilhosos os encontros, as ceias, as luzes! Como ficam lindas as casas decoradas com motivos natalinos! Como ficam iluminadas as cidades decoradas! Sim, o natal é uma data a ser comemorada! Eu gosto do natal por tudo o que ele representa. Por isso, comemore. Apenas não deixe que isto fique por um período de 24 horas. Nem viva esse dia por motivos errados.

O mundo está embriagado com o discurso do Anticristo: A mentira ganha corpo como se tivesse poder para matar a Verdade. Um pai que se fantasia na ilusão do consumismo e da falsa paz. Eu não quero esse natal. Eu quero o de Deus. Este que vai na contramão do discurso humanista e hedonista e que não colhe os frutos amargos do egoísmo, da vaidade, da soberba, da arrogância, da mentira e da vida preocupada com o ter, tão próprio do horizonte do umbigo! Quero o natal de Deus que se mostra inclusivo, que me ensina que o lugar onde o viver para si deve ser substituído pelo viver para Deus, o que em termos práticos significa viver para o próximo.

A vinda e vida de Jesus nas páginas da história da humanidade constitui uma crise na história mundial, no panorama dos valores humanos, obrigando os homens, por uma série de fatos ou a virem para a luz, ou a permanecerem em trevas.

Essa é a essência do natal: Jesus nasceu para nos dar a alegria da salvação. Salvação e julgamento se coadunam na pessoa de Cristo, pois Sua obra discerne o bem do mal. O natal não pode ser entendido sem esta verdade. Natal é nascimento, um nascimento para a morte.

Eis o julgamento que Jesus trouxe ao mundo. A nós de escolhermos...  “Quem realiza coisas más odeia a luz e a evita, para que suas ações não sejam expostas. Mas, quem realiza o que é verdadeiro se aproxima da luz, para que todos possam ver que suas ações são realizadas por meio de Deus.”(João 3:20-21)

Jesus Cristo veio mostrar como os seres humanos podem obedecer à lei de Deus mediante a força do Pai celestial. Ao assim proceder, Cristo demonstrou a justiça e equidade de Deus. Embora fosse totalmente humano, e fosse tentado assim como nós, Jesus nunca pecou. Por Sua morte, pagou o preço por nossa culpa; por Sua vida, Ele nos mostrou como viver.

A morte de Jesus na cruz foi o evento mais surpreendente na história de nosso universo. O próprio Deus sofreu a punição por todos os pecados da humanidade. E se Jesus não houvesse ressurgido da morte não haveria esperança para os que têm fé, quer tenham vivido antes ou após a cruz. Sua ressurreição torna possível nossa ressurreição tanto da morte física quanto da espiritual.2

Quando aqui esteve na Terra, Ele revitalizou a fé dos Seus discípulos com a maravilhosa certeza de que este velho mundo seria substituído por um mundo livre do pecado, da doença e da morte: “Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras.” (Mateus 16:27)

Sim, a história do natal não é um mito. Jesus Cristo é o Messias prometido pelos profetas do Antigo Testamento. Ele nasceu de uma virgem e viveu uma vida irrepreensível e um ministério abnegado. Ele era Deus no mais alto sentido, e humano em todo aspecto, exceto que não nasceu em pecado. Ele sofreu por toda a culpa humana, morreu e ressuscitou. Ascendeu ao Céu, onde atua como Advogado e Juiz.

“A evidência mais convincente da identidade de Jesus como Messias diz respeito ao número de profecias do Tanakh (Antigo Testamento) cumpridas por Ele em Sua primeira vinda. Segue uma lista parcial dessas profecias messiânicas, com a localização, no Novo Testamento, de seu cumprimento por Jesus:1








A Jesus, o Messias prometido, “a testemunha fiel ... A ele, que nos ama, e nos libertou dos nossos pecados ao preço do seu sangue... A ele sejam a glória e o domínio para todo o sempre! Amém!” (Apocalipse 1:5-6)

Sim celebremos o natal, mas que seja no seu sentido verdadeiro. Mas, se você não crê em Cristo não se sinta inibido de comemorar esta data. O amor, a amizade, o doar são experiências que demonstram nossa elegância.

Mas, que venha logo o natal eterno e que tenhamos humildade espiritual para com inteligência vivermos os natais de nossas vidas com sabedoria.

Um Natal verdadeiro e muito, muito especial para você,


Brígida e Ruth Alencar









____

1- Bíblia Judaica Completa

2- Nisto Cremos

Comentários

  1. Feliz Natal pra vc tb! Que Deus a abençoe muito com uma noite e uma manhã muito feliz na presença dos seus amados.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2

O Rio Jordão: As Águas de Naamã