A Oração e o Reavivamento Espiritual

“Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade. Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo;” (Filipenses 2: 13-15)

O que é Oração? A oração é um dom de Deus. Orar é o abrir humilde do coração a Deus. É o instrumento através do qual exercitamos o que a nossa mente decidiu: buscar a Deus, ir ao Seu encontro, para conversar com Ele.

Por que a oração é a força vital do relacionamento espiritual? Porque ela é o testemunho de nossa aceitação à soberania de Deus em nossas vidas.

“Eis que estou a porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e comerei com ele, e ele comigo.”( Apocalipse 3:20)

“Amo você com amor perpétuo; é por isso que, em minha graça, eu a atrai a mim.” ( Jeremias 31:3)

Nossa oração é a resposta prática que damos ao convite do Senhor. Porque eu disse sim, digo sim e direi sim ao Senhor eu me entrego e desejo falar com o Senhor e ouvir a sua voz. Oro porque o Espírito Santo age em mim e me atrai com o Seu amor. Oro porque tenho fé em Jesus Cristo e em Suas palavras. Oro porque decidi dar uma resposta positiva à oferta de amor, de salvação que Deus me ofereceu e providenciou para mim através de Jesus Cristo.

“Porque Deus é quem lhes concede a disposição e a realização do que lhe agrada. Façam tudo sem queixas nem discussões, para que sejam filhos de Deus inculpáveis e puros, sem defeito em meio a uma geração desorientada e pervertida, na qual devem brilhar como estrelas no céu, à medida em que se apegam à Palavra da vida.” (Filipenses 2:13-15)

A fé também é um dom de Deus. Então, os homens e mulheres que oram o fazem porque Deus já está agindo neles. Isto já é estar em  processo de reavivamento espiritual.

Precisamos estar atentos ao perigo de estar entorpecidos pela própria performance. A apresentação do nosso ‘desempenho’ não é o mesmo que estar reavivados. Se focarmos neste terreno teremos dado um passo firme no processo do fracasso espiritual, pois estaremos obcecados por nós mesmos! Esse foi o erro fatal de Lúcifer: ficou obcecado por si mesmo!

Outro ponto é não estereotiparmos a ação de Deus.  O formato do derramamento do Espírito Santo em Pentecostes ocorreu num contexto específico: havia uma diversidade de nações e o Evangelho a ser anunciado.

O derramamento do Espírito Santo atendeu a necessidade de um dom específico: o de línguas. Este tipo de dom para nós hoje não tem o mesmo sentido. Não devemos esperar o derramamento do Espírito Santo como línguas de fogo, ou simplesmente um fenômeno transcendental.

Qual é o nosso contexto hoje? É um contexto de medo, de violência, de falta de fé, de escassez do amor, de formalismo religioso. Há um mundo em desespero, há uma espiritualidade adormecida e arrogante. Há um Evangelho a ser anunciado.

É provável que o que necessitamos hoje seja do poder do Espírito Santo para promover o Reino de Deus através do amor, da fé, do perdão, da paz. Como herdeiros das promessas de Deus, como redimidos e salvos em Jesus, precisamos compartilhar com este mundo em sofrimento a experiência do viver com Cristo.


Não existe uma receita para o agir de Deus. Deus é Aquele que gera nos homens o desejo de uma vida regenerada espiritualmente.  Ele é a nossa fonte de poder espiritual. Quando um homem ou uma mulher decide tomar prazer na oração é porque o Espírito Santo já está operando na renovação de sua natureza. 

Sempre será uma ação de Deus em nós. Um agir de dentro para fora. Nossas aspirações pessoais estarão em sinergia com as aspirações divinas. Entramos num processo onde decidimos colocar de lado tudo aquilo que nos submerge, que interfere na nossa entrega, que polui nossa mente e esconde de nós o essencial. Aprendemos a ver que o essencial está aos pés do trono de Deus.  Como isto acontece? 

Fomos concebidos para participar da natureza divina. Fomos concebidos para viver em sinergia com Ele. Precisamos e dependemos dEle. O derramamento do Espírito Santo não ocorrerá jamais de forma mecânica. No contexto do reavivamento Deus não é apenas um distribuidor de poder! Deus é dotado de vontade, inteligência e poder. Quando Ele nos concede uma benção, um poder, é porque Ele já examinou o efeito cascata dessa concessão. Ele não nos dá simplesmente para atender a nossa vontade, mas nos concede porque fomos concebidos para vivermos em sinergia com Ele, em harmonia de pensamento e intenções. O que Ele quer é que haja justiça, paz, felicidade no Universo que Ele criou.

“O melhor argumento em favor do cristianismo é a vida do cristão. Ninguém pode contestar o argumento de uma vida transformada. Por outro lado, o maior descrédito do cristianismo é a incoerência da pessoa que aceitou a teoria do ensinamento evangélico, mas não permitiu que a mensagem se tornasse realidade na sua experiência diária. O cristianismo de fachada é tolo e prejudicial por dois motivos: o primeiro deles é que Deus conhece tudo e não pode ser enganado. Seus olhos contemplam os rincões mais escuros do coração. Podemos argumentar e discutir. Podemos repetir nossas explicações a ponto de acreditar nas mentiras que inventamos. Mas existe Alguém que sabe tudo, e diante dEle até os pensamentos mais íntimos são expostos. Esse Deus, segundo o salmista, é Deus que não “Se agrada com a iniquidade” (Salmo 5:4). Portanto, “aparentar” ser cristão, para quê? Qual é a vantagem? O respeito dos demais? A opinião alheia? O reconhecimento público? [...]

Mas isso não é tudo. Existe mais um motivo por que o viver somente a “aparência” do cristianismo é tolice e agride a própria natureza humana. Explico: A entrada do pecado neste mundo trouxe a morte, acompanhada de seu séquito de coisas nocivas, como a inveja, o crime, o egoísmo, a cobiça, a mentira, a hipocrisia e outras. Mas o ser humano foi criado com vocação para a vida, e a vida também traz suas virtudes: honestidade, verdade, sinceridade, enfim. Sendo assim, cada vez que o ser humano pratica a hipocrisia, a mentira, ou vive apenas a fachada daquilo que crê, violenta a si mesmo, se destrói, fere seu mundo interior a ponto de sangrar. Ele pode não ver o sangue, mas sente suas consequências nas diferentes áreas de sua experiência. [...]




Você que se sente desanimado por tantas vezes cair nos mesmos erros, deixe-me lembrar que existe Alguém que conhece tudo o que se pode saber a respeito de você, e Ele sabia disso tudo antes de decidir ir até a cruz. Ao sondar as profundezas de sua alma Ele poderia facilmente ter dito "Ah, eu não vou morrer por esse aí". Em vez disso Ele estende os braços para você e diz: ‘Eu o abraço como você é, abraço você com todas as suas deficiências, abraço você com todas as suas tentativas de enganar a si mesmo, abraço-o com todos os seus mecanismos de defesa. E se você permitir pretendo erguê-lo para sentar-se comigo no Meu trono’ [...]” (Pr. Alejandro Bullon)

“Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.” (Apocalipse 3:21)

Como a verdade é maravilhosa! O Eterno, o Grande Eu Sou, tão injustamente acusado de tirano declara Ele mesmo que terá prazer em nos ter ao Seu lado, compartilhando a conosco da alegria da nossa vitória.

Nós, os que somos tão ligeiros a cair e na maioria das vezes tão incoerentes em nossa espiritualidade. Nós, tão descrentes muitas vezes do Seu poder para nos erguer novamente... Tão confiantes em nós mesmos! Nós, tão cheios de justiça própria. Nós, que por fazermos algo de bom achamos que somos melhores do que os outros. E que os outros estão em falta porque não fazem o que fazemos.

Obrigada, Senhor, pelo privilégio de podermos conversarmos com o Senhor e nos permitir a oportunidade de escutar a Tua vontade dirigida às nossas mentes. Que a Tua Palavra não retorne a Ti sem produzir o efeito em nós. Não Te vemos com nossos olhos físicos, nem Te ouvimos com nossos ouvidos, mas experimentamos, através da oração, a força e o encorajamento espiritual. Sabemos que isto vem de Ti. Sabemos que Tu és o autor principal da nossa fé. 

Através da oração nossa natureza espiritual é renovada. Precisamos como nunca orar. A oração está no interior do conflito cósmico em que estamos inseridos. É o nosso instrumento para pedirmos assistência divina nos momentos de crises. Sem oração não temos como enfrentar o conflito espiritual. Sem oração não venceremos. A oração é um processo do qual nenhum cristão pode negligenciar!

Que nossas orações possam de fato ser um encontro entre nós, criaturas, e o grande Criador. Que nossas orações sejam a expressão mais profunda do nosso ser. E que sejamos humildes o suficientes para reconhecermos que dependemos dEle. Que possamos compreender que uma vida espiritual madura, renovada é o agir dEle em nós, num mistério que muitas vezes foge à nossa compreensão, pois ainda que seja uma providência divina ao mesmo tempo nos respeita em nossa vontade. Que aprendamos a não colocar Deus dentro de uma fórmula do comportamento humano. Ou então, não O coloquemos num universo à parte quando decidirmos por uma vida espiritual atuante.

Não se trata de elaborar julgamentos, mas acontece de às vezes não querermos encontrar Deus. Este é o dilema de toda grande religião. E é isto que torna o reavivamento tão difícil. Temos a capacidade de desejar e buscar um reavivamento espiritual onde Deus exerce um papel que queremos Lhe impor. 
Costuramos um despertar espiritual que se baseia no número de vezes em que oramos por dia. Baseamos sua qualidade pela hora em que devemos despertar para orar. Queremos um reavivamento baseado no nosso desempenho espiritual e que se torna o centro do nosso modelo de reavivamento. E, portanto, todo o poder reside unicamente no Senhor. A oração não tem poder nela mesma, ela é o instrumento para acessar o poder que Deus nos quer conceder.

Que Ele seja o Senhor e nós os servos. Que Ele seja o Mestre e nós discípulos Seus. Que nossa fé nos encha de satisfação nEle. Que tudo seja por Ele e para Ele, exatamente porque nosso relacionamento com Ele nos inunda de prazer e  amor em tudo o que Deus é para nós em Jesus Cristo.

“Por fim, cresçam poderosamente em união com o Senhor, ligados a seu forte poder! Usem toda a armadura e as armas providas por Deus, para que sejam capazes de resistir às táticas enganosas do Adversário.  Porque não  lutamos contra seres humanos, mas contra os líderes, as autoridades e os  poderes cósmicos que governam as trevas, contra as forças espirituais do mal na esfera celestial. Por isso, usem as peças do equipamento de guerra concedido por Deus, para que, quando o dia mau vier, vocês sejam capazes de resistir a ele; e quando a batalha for vencida, permaneçam em pé. Assim resistam! Usem o cinto da verdade, preso em torno da cintura; revistam-se da justiça como couraça, e usem nos pés a prontidão procedente das boas-novas de paz. Sempre usem o escudo da confiança, com o qual poderão apagar todas as setas inflamadas do maligno. Tomem o elmo da libertação com a espada concedida pelo Espírito Santo, que é a Palavra de Deus, enquanto oram em todas as ocasiões, com todos os tipos de oração e súplica, no Espírito, de forma vigilante e persistente, por todo o povo de Deus.” (Efésios 6:10-18)



Ruth Alencar

Comentários

  1. Esta palavra deu-me discernimento para ver o que esta se passando com a minha vida e da minha família, trouxe-me luz onde havia trevas. Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que Deus seja louvado por sua experiência de crescimento espiritual. Que o Senhor seja com vc e sua família, Que haja paz, amor e consolo no Senhor Jesus Cristo. Um grande e fraterno abraço..

      Excluir

Postar um comentário

Estamos felizes com sua participação. Volte sempre. Responderemos seu comentário logo que possível.

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

O Rio Jordão: As Águas de Naamã