Um altar chamado Getsêmani ( O Messias parte 3)



“[...] A evidência mais convincente da identidade de Yeshua (Jesus) como Messias diz respeito ao número de profecias do Tanakh cumpridas por ele em sua primeira vinda. [...] Jesus cumpriu todas as profecias referentes à Sua primeira vinda; [...] As restantes serão cumpridas quando Ele retornar em glórias.”2




“Se Jesus não tivesse sido condenado e crucificado, ele teria feito uma entrega espontânea? Teria ele sido encaminhado até o templo de Israel e sido imolado no altar como o verdadeiro cordeiro de Deus e pelas mãos do sumo sacerdote de Israel?”. Esta foi a maravilhosa pergunta que nosso amigo Denis Cruz nos fez em nosso grupo de evangelismo BibleCast1.

Eu não pude pensar em outro lugar, a não ser no Jardim do Getsêmani... É sempre lá que encontro as respostas para as minhas perguntas.

Deixe-me apresenta-los o texto de Isaías 53 na versão da Bíblia Judaica Completa:


Ainda que você pense nesta descrição tendo como palco a cruz garanto para você que no Getsemani Jesus cumpriu todas elas também com um diferencial: a questão do pecado foi tratada no âmbito da mais profunda justiça divina tendo todos os elementos necessários para que a justiça seja cumprida. A Jesus foi dado o livre arbítrio para decidir se queria dar Sua vida no processo de salvação para a humanidade e Ele o fez espontaneamente. Ninguém O conduziu. Para a cruz Ele foi levado. Embora, seja verdade que Ele não ofereceu nenhuma resistência até Seu último suspiro naquela cruz.

Se para a cruz Ele foi mudo, mudo também esteve ao Se apresentar diante de Deus no Getsêmani. Se na cruz o sangue jorrou, provocado pelos ferimentos que Lhe fizeram no corpo, no Getsêmani o sangue que jorrou do Seu corpo brotou da mais profunda angústia do Seu ser. A Sua entrega emocional provinha das intenções do Seu coração: queria salvar o ser humano. Não queria falhar e assim perder Sua ligação com o Pai. Ele não queria morrer, embora estivesse disposto já em Seu coração a entregar Sua própria vida em favor do homem.

Diferentemente do homem, Deus julga as intenções do coração e Ele viu a entrega sincera de Jesus. Deus aceitou Sua intercessão e pagamento pela dívida espiritual da humanidade.

Respondi então a meu amigo que a verdadeira entrega de Jesus não foi sobre aquela cruz, mas no Getsemani. Sim, Ele Se entregou espontaneamente. A cruz foi apenas o método. Um método de tortura sob o qual tantos outras milhares de pessoas morreram. A morte de Jesus foi ali aos pés de Deus em oração.

Leiam essas palavras escritas no livro Desejado de Todas as Nações. O texto a seguir nos apresenta a mais bela mensagem de amor que um ser humano já possa ter escutado ou poderá ouvir um dia...

Foi por mim, foi por você. O Jardim do Getsêmani foi o palco de salvação da humanidade. Tudo foi definido lá, por isso Ele pode dizer com serenidade “Pai, perdoa porque não sabem o que fazem”, quando O colocaram naquela cruz.

Que em sua mente agora haja o silêncio profundo de quem deseja ouvir a voz dAquele que Se calou para que você e eu tivéssemos vida. Que seus olhos contemplem o quadro que só um coração ardendo em fé é capaz de revelar. Não deixe de ler o texto a seguir:


por Ellen White – O Desejado de Todas as Nações, Cap. 74, pág. 658 - 668

Este capítulo é baseado em Mateus 26:36-56; Marcos 14:32-50; Lucas 22:39-53; João 18:1-12.

Em companhia dos discípulos, fez o Salvador vagarosamente o caminho para o jardim de Getsêmani. [...]

Jesus estivera conversando animadamente com os discípulos, instruindo-os; mas ao aproximar-Se do Getsêmani, tornou-Se estranhamente mudo. Muitas vezes lá estivera, para meditar e orar; mas nunca com o coração tão cheio de tristeza como nessa noite de Sua última agonia. [...] Quando em conflito com homens que eram inspirados pelo próprio espírito de Satanás, podia dizer: “Aquele que Me enviou está comigo; o Pai não Me tem deixado só, porque Eu faço sempre o que Lhe agrada”. João 8:29. Agora, porém, parecia excluído da luz da mantenedora presença de Deus. Era então contado entre os transgressores. Devia suportar a culpa da humanidade caída. Sobre Aquele que não conheceu pecado, devia pesar a iniquidade da raça caída. Tão terrível Lhe parece o pecado, tão grande o peso da culpa que deve levar sobre Si, que é tentado a temer que ele O separe para sempre do amor do Pai. Sentindo quão terrível é a ira de Deus contra a transgressão, exclama: “A Minha alma está profundamente triste até à morte”. Marcos 14:34.

Ao aproximarem-se do jardim, os discípulos notaram a mudança que se operara em seu Mestre. Nunca antes O tinham visto tão indizivelmente triste e silencioso. À medida que avançava, mais se aprofundava essa estranha tristeza; todavia, não ousavam interrogá-Lo quanto a causa da mesma. Seu corpo cambaleava como se estivesse prestes a cair. Ao chegar ao jardim, os discípulos, ansiosos, procuraram o lugar habitual do retiro do Mestre, para que Ele pudesse descansar. Cada passo que dava agora, fazia-o com extremo esforço. Gemia alto, como sob a opressão de terrível fardo. Por duas vezes os companheiros O sustiveram, do contrário teria tombado por terra.

[...] Em companhia de Pedro, Tiago e João, penetrou nos mais retirados recessos do mesmo horto. Esses três discípulos eram os mais íntimos companheiros de Cristo. Contemplaram-Lhe a glória no monte da transfiguração; viram Moisés e Elias conversando com Ele; ouviram a voz do Céu; agora, em Sua grande luta, Cristo os desejava ter perto de Si. Muitas vezes passaram a noite ao Seu lado nesse retiro. Nessas ocasiões, depois de um período de vigília e oração, costumavam dormir imperturbados a pequena distância do Mestre, até que os despertava pela manhã, para irem novamente ao trabalho. Agora, porém, desejava que passassem a noite com Ele em oração. No entanto, não podia admitir que nem mesmo eles testemunhassem a agonia que devia suportar. “Ficai aqui”, disse-lhes, “e velai comigo”. Mateus 26:38. 

Foi a uma pequena distância deles — não tão afastado que O não pudessem ver e ouvir — e caiu prostrado por terra. Sentia que, pelo pecado, estava sendo separado do Pai. O abismo era tão largo, tão escuro, tão profundo, que Seu espírito tremeu diante dele. Para escapar a essa agonia, não deve exercer Seu poder divino. Como homem, cumpre-Lhe sofrer as consequências do pecado do homem. Como homem, deve suportar a ira divina contra a transgressão.

[...] Como substituto e refém do pecador, estava Cristo sofrendo sob a justiça divina. Viu o que significa justiça. Até então, fora como um intercessor por outros; agora, ansiava alguém que por Ele intercedesse.

Ao sentir Cristo interrompida Sua unidade com o Pai, temia que, em Sua natureza humana, não fosse capaz de resistir ao vindouro conflito com os poderes das trevas. No deserto da tentação, estivera em jogo o destino da raça humana. Cristo saíra então vitorioso. Agora viera o tentador para a última e tremenda luta. Para isso se preparara ele durante os três anos de ministério de Cristo. Tudo estava em jogo para ele. Falhasse aqui, e estava perdida sua esperança de domínio; os reinos do mundo tornar-se-iam afinal possessão de Cristo; ele próprio seria derrotado e expulso. Mas se Cristo pudesse ser vencido, a Terra se tornaria para sempre o reino de Satanás, e a raça humana estaria perpetuamente em seu poder. Com os resultados do conflito perante Si, a alma de Cristo Se encheu de terror da separação de Deus. Satanás dizia-Lhe que, se Se tornasse o penhor de um mundo pecaminoso, seria eterna a separação. Ele Se identificaria com o reino de Satanás, e nunca mais seria um com Deus.

E que se lucraria com esse sacrifício? Quão desesperadas pareciam a culpa e a ingratidão humanas! Satanás apertava o Redentor, apresentando a situação justamente em seus piores aspectos: “A nação que pretende achar-se acima de todas as outras quanto às vantagens temporais e espirituais, rejeitou-Te. Procuram destruir-Te, a Ti, fundamento, centro e selo das promessas que lhes foram feitas como povo particular. Um de Teus próprios discípulos, que tem ouvido Tuas instruções e sido um dos de mais destaque nas atividades da igreja, trair-Te-á. Um de Teus mais zelosos seguidores Te há de negar. Todos Te abandonarão.” Cristo repeliu esse pensamento com todo Seu ser. Que aqueles a quem empreendera salvar, aqueles a quem tanto amava, se unissem aos tramas de Satanás — isto Lhe traspassava a alma. Terrível era o conflito. Media-se pela culpa da nação, de Seus acusadores e traidor, pela culpa de um mundo imerso na impiedade. Os pecados dos homens pesavam duramente sobre Cristo, e esmagava-Lhe a alma o sentimento da ira divina.

Contemplai-O considerando o preço a ser pago pela alma humana. Em Sua agonia, apega-Se ao solo frio, como a impedir de ser levado para longe de Deus. [...] De Seus pálidos lábios irrompe o amargo brado: “Meu Pai, se é possível, passe de Mim este cálice.” Mas mesmo então acrescenta: “Todavia não como Eu quero, mas como Tu queres”. Mateus 26:39.

O coração humano anseia simpatia no sofrimento. Esse anseio, experimentou-o Cristo até ao mais profundo de Seu ser. Na suprema angústia de Sua alma, foi ter com os discípulos, com o aflitivo desejo de ouvir algumas palavras reconfortantes daqueles a quem tantas vezes concedera bênçãos e conforto, e protegera na dor e na aflição. Aquele que para eles tivera sempre expressões de simpatia, sofria agora sobre-humana dor, e almejava saber que estavam orando por Ele e por si mesmos. Quão negra se Lhe afigurava a malignidade do pecado! Terrível foi a tentação de deixar que a raça humana sofresse as consequências de sua própria culpa, e ficasse Ele inocente diante de Deus. Se tão-somente soubesse que os discípulos compreendiam e avaliavam isso, seria fortalecido. Erguendo-Se num doloroso esforço, dirigiu-Se cambaleante ao lugar onde deixara os companheiros. Mas “achou-os adormecidos”. Mateus 26:40. Houvesse-os encontrado em oração, e ter-Se-ia sentido aliviado. Estivessem buscando refúgio em Deus, para que as forças satânicas não prevalecessem sobre eles, e Jesus Se teria sentido confortado por sua firme fé. Mas não deram ouvidos à repetida advertência: “Vigiai e orai”. Mateus 26:41. A princípio ficaram perturbados ao ver o Mestre, de ordinário tão calmo e de tanta compostura, lutando com uma dor que estava além da compreensão. Tinham orado enquanto ouviram os grandes clamores do Sofredor. Não pretendiam abandonar seu Senhor, mas pareciam paralisados por um torpor que teriam sacudido de si, caso houvessem continuado a rogar a Deus. Não compreendiam a necessidade de vigilância e fervorosa súplica, a fim de resistir à tentação.

Mesmo antes de Se dirigir para o horto, Jesus dissera aos discípulos: “Todos vós esta noite vos escandalizareis em Mim.” Haviam-Lhe assegurado firmemente que O acompanhariam à prisão e à morte. E o pobre, presunçoso Pedro acrescentara: “Ainda que todos se escandalizem em Ti, eu nunca me escandalizarei”. Marcos 14:27, 29. Mas os discípulos confiavam em si mesmos. Não olharam para o poderoso Ajudador, como Cristo os aconselhara a fazer. Assim, quando o Salvador Se encontrava em mais necessidade das simpatias e orações deles, foram achados dormindo. Mesmo Pedro dormia.

E João, o amorável discípulo que se reclinara ao peito de Jesus, estava adormecido. [...]

Os discípulos acordaram à voz de Jesus, porém mal O conheceram, tão mudado estava Seu semblante pela angústia. Dirigindo-Se a Pedro, disse Jesus: “Simão, dormes? Não podes vigiar uma hora? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito na verdade está pronto, mas a carne é fraca”. Marcos 14:37, 38. A fraqueza dos discípulos despertou a simpatia de Jesus. Temia que não fossem capazes de resistir à prova que lhes sobreviria em Sua entrega e morte. Não os reprovou, [...] Mesmo em Sua grande agonia, buscava desculpar-lhes a fraqueza. [...] Novamente foi o Filho de Deus tomado de sobre-humana aflição e, desfalecido e exausto, arrastou-Se outra vez para o lugar de Sua luta anterior. Seu sofrimento era ainda maior que antes. Ao sobrevir-Lhe a agonia da alma, “Seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão”. Lucas 22:44. [...]

Pouco tempo antes, Jesus Se mostrara qual vigoroso cedro, resistindo à tempestade da oposição que desencadeava contra Ele sua fúria. Vontades obstinadas e corações cheios de maldade e sutileza, em vão lutaram para O confundir e oprimir. Apresentara-Se em divina majestade, como o Filho de Deus. Agora era como uma cana açoitada e pendida por furiosa tempestade. Vencedor, aproximara-Se da consumação de Sua obra, havendo conquistado a cada passo a vitória sobre os poderes das trevas. [...] Agora se Lhe ouvia a voz no silêncio da noite, não em notas de triunfo, mas plena de humana angústia. As palavras do Salvador foram levadas aos ouvidos dos entorpecidos discípulos: “Meu Pai, se este cálice não pode passar de Mim sem Eu o beber, faça-se a Tua vontade”. Mateus 26:42.

[...] Quando Jesus chegou a eles, achou-os ainda adormecidos. De novo sentira Ele o anseio da companhia, de algumas palavras dos discípulos, que trouxessem alívio e quebrassem o encanto das trevas que quase O venciam. Mas seus olhos estavam carregados; “e não sabiam que responder-Lhe”. Marcos 14:40. Sua presença os despertou. Viram-Lhe o rosto manchado com o suor sanguinolento da agonia, e encheram-se de temor. Sua angústia mental, não a podiam compreender. “O Seu parecer estava tão desfigurado, mais do que o dos outros filhos dos homens”. Isaías 52:14.

Voltando, Jesus tornou a procurar o Seu retiro, caindo prostrado, vencido pelo horror de uma grande treva. A humanidade do Filho de Deus tremia naquela probante hora. Não orava agora pelos discípulos, para que a fé deles não desfalecesse, mas por Sua própria alma assediada de tentação e angústia. O tremendo momento chegara — aquele momento que decidiria o destino do mundo. Na balança oscilava a sorte da humanidade. Cristo ainda podia, mesmo então, recusar beber o cálice reservado ao homem culpado. Ainda não era demasiado tarde. Poderia enxugar da fronte o suor de sangue, e deixar perecer o homem em sua iniquidade. Poderia dizer: Receba o pecador o castigo de seu pecado, e Eu voltarei a Meu Pai. [...]

[...] Surge, porém, então, a história da raça humana diante do Redentor do mundo. Vê que os transgressores da lei, se deixados, têm de perecer. Vê o desamparo do homem. Vê o poder do pecado. As misérias e os ais do mundo condenado erguem-se ante Ele. Contempla-lhe a sorte iminente, e decide-Se. Salvará o homem custe o que custar de Sua parte. Aceita Seu batismo de sangue, para que, por meio dEle, milhões de almas a perecer obtenham a vida eterna. [...] Tornar-Se-á a propiciação de uma raça que quis pecar. Sua prece agora respira apenas submissão: “Se este cálice não pode passar de Mim sem Eu o beber, faça-se a Tua vontade”. Mateus 26:42.
Havendo tomado a decisão, cai moribundo no solo do qual Se erguera parcialmente. [...] O Salvador pisou sozinho o lagar, e do povo nenhum com Ele havia. 

Mas Deus sofria com Seu Filho. Anjos contemplavam a agonia do Salvador. Viam seu Senhor circundado de legiões das forças satânicas, Sua natureza vergada ao peso de misterioso pavor que todo O fazia tremer. Houve silêncio no Céu. Nenhuma harpa soava. Pudessem os mortais ter testemunhado o assombro das hostes angélicas quando, em silenciosa dor, observavam o Pai retirando de Seu bem-amado Filho os raios de luz, amor e glória, e melhor compreenderiam quão ofensivo é aos Seus olhos o pecado.

Os mundos não caídos e os anjos celestiais vigiavam com intenso interesse o conflito que se aproximava do desfecho. Satanás e suas hostes do mal, as legiões da apostasia, seguiam muito atentamente essa grande crise na obra da redenção. Os poderes do bem e do mal aguardavam para ver qual a resposta que seria dada à oração de Cristo — três vezes repetida. Os anjos anelavam trazer alívio ao divino Sofredor, mas isso não podia ser. Nenhum meio de escape havia para o Filho de Deus. Nessa horrível crise, quando tudo estava em jogo, quando o misterioso cálice tremia nas mãos do Sofredor, abriu-se o Céu, surgiu uma luz por entre a tempestuosa treva da hora da crise, e o poderoso anjo que se acha na presença de Deus, ocupando a posição da qual Satanás caíra, veio para junto de Cristo. O anjo não veio para tomar-Lhe o cálice das mãos, mas para fortalecê-Lo a fim de que o bebesse, com a certeza do amor do Pai. Veio para dar força ao divino-humano Suplicante. Ele Lhe apontou os Céus abertos, falando-Lhe das almas que seriam salvas em resultado de Seus sofrimentos. Afirmou-Lhe que Seu Pai é maior e mais poderoso que Satanás, que Sua morte redundaria na sua inteira derrota, e que o reino deste mundo seria dado aos santos do Altíssimo. Disse-Lhe que Ele veria o trabalho de Sua alma, e ficaria satisfeito, pois contemplaria uma multidão de membros da família humana salvos, eternamente salvos.

A agonia de Cristo não cessou, mas Sua depressão e desânimo O deixaram. A tempestade não amainou de maneira alguma, mas Aquele que dela era objeto estava fortalecido para lhe enfrentar a fúria. Saiu calmo e sereno. Uma paz celestial pairava-Lhe no rosto manchado de sangue. Suportara aquilo que criatura alguma humana jamais poderia sofrer; pois provara os sofrimentos da morte por todos os homens.

Os adormecidos discípulos foram subitamente despertados pela luz que circundava o Salvador. Viram o anjo inclinado sobre o prostrado Mestre. Viram-no erguer a cabeça do Salvador sobre seu seio, e apontar para o Céu. Ouviram-lhe a voz, qual música suave, proferindo palavras de conforto e esperança. Os discípulos recordaram a cena do monte da transfiguração. Lembraram a glória que, no templo, envolvera a Jesus, e a voz de Deus, que falara da nuvem. Agora se revelava aquela mesma glória, e não tiveram mais temor pelo Mestre. Ele Se achava sob o cuidado de Deus; um poderoso anjo fora enviado para O proteger. Novamente os discípulos, em sua fadiga, cedem àquele estranho torpor que os domina. Novamente Jesus vai os encontrar adormecidos. Contemplando-os dolorosamente, diz Ele: “Dormi agora, e repousai; eis que é chegada a hora, e o Filho do homem será entregue nas mãos dos pecadores.”

Mesmo ao proferir essas palavras, ouviu as pisadas da turba que vinha em Sua procura, e disse: “Levantai-vos, partamos; eis que é chegado o que Me trai”. Mateus 26:45, 46.

Nenhum vestígio de Sua recente agonia se podia divisar ao adiantar-Se Jesus para enfrentar o traidor. Achando-Se à frente dos discípulos, disse: “A quem buscais?” Responderam: “A Jesus Nazareno.” Jesus disse: “Sou Eu”. João 18:4-6. Ao serem proferidas essas palavras, o anjo que há pouco estivera confortando a Jesus interpôs-se entre Ele e a multidão. Uma luz divina iluminou o rosto do Salvador, e uma como que pomba pairou sobre Ele. Em presença dessa divina glória, a turba assassina não pôde permanecer um momento. Cambalearam em recuo. Sacerdotes, anciãos, soldados e o próprio Judas caíram como mortos por terra.

O anjo retirou-se, e dissipou-se a luz. Jesus tivera oportunidade de escapar, mas permaneceu, calmo e senhor de Si. Como pessoa glorificada, ficou em meio daquele bando endurecido, agora prostrado e impotente a Seus pés. Os discípulos contemplavam tudo silenciosos, com admiração e respeitoso temor.

Rapidamente, porém, mudou a cena. A turba ergueu-se. Os soldados romanos, os sacerdotes e Judas reuniram-se em redor de Cristo. Pareciam envergonhados de sua fraqueza, e receosos de que Ele ainda escapasse. Novamente fez o Redentor a pergunta: “A quem buscais?” Tinham tido a prova de que Aquele que Se achava diante deles era o Filho de Deus, mas não se queriam convencer. À pergunta: “A quem buscais?” tornaram a responder: “A Jesus Nazareno.” O Salvador disse então: “Já vos disse que sou Eu; se pois Me buscais a Mim, deixai ir estes” (João 18:7, 8) — e apontou aos discípulos. Sabia quão fraca era a fé deles, e buscou protegê-los contra a tentação e a prova. Por eles estava pronto a Se sacrificar.

Judas, o traidor, não esqueceu a parte que devia desempenhar. Quando a turba penetrou no horto, fora ele que a conduzira, seguido de perto pelo sumo sacerdote. Aos perseguidores de Jesus dera um sinal, dizendo: “O que eu beijar é esse; prendei-O”. Mateus 26:48. Pretende então não ter parte nenhuma com eles. Achegando-se a Jesus, toma-Lhe a mão como um amigo familiar. Com as palavras: “Eu Te saúdo, Rabi”, ele O beija repetidamente e parece chorar, como sentindo com Ele o perigo que corria.

Jesus lhe diz: “Amigo, a que vieste?” Mateus 26:50. A voz tremia-Lhe de dor, ao acrescentar: “Judas, com um beijo traís o Filho do homem?” Lucas 22:48. Esse apelo deveria ter despertado a consciência do traidor, e tocado seu obstinado coração; mas a honra, a fidelidade e a brandura humana o haviam abandonado. Permaneceu ousado e em desafio, não mostrando nenhuma disposição de abrandar-se. Entregara-se a Satanás, e não tinha poder para lhe resistir. Jesus não recusou o beijo do traidor.

A massa tornou-se ousada, ao ver Judas tocar a pessoa dAquele que tão pouco antes fora glorificado diante de seus olhos. Apoderaram-se, pois, de Jesus e começaram a atar aquelas preciosas mãos que sempre se haviam empregado em fazer bem.

Os discípulos haviam julgado que o Mestre não seria aprisionado. Pois o mesmo poder que fizera com que os da turba caíssem como mortos, mantê-los-ia impotentes até que Jesus e Seus companheiros escapassem. Ficaram decepcionados e indignados, ao verem as cordas trazidas para ligar as mãos dAquele a quem amavam. Em sua indignação, Pedro puxou precipitadamente da espada e procurou defender o Mestre, mas apenas cortou uma orelha do servo do sumo sacerdote. Quando Jesus viu o que fora feito, soltou as mãos — ainda que firmemente presas pelos soldados romanos — e dizendo: “Deixai-os; basta” (Lucas 22:51), tocou a orelha, e esta sarou instantaneamente. Disse então a Pedro: “Mete no seu lugar a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada à espada morrerão. Ou pensas tu que Eu não poderia agora orar a Meu Pai, e que Ele não Me daria mais de doze legiões de anjos?” (Mateus 26:52, 53) — uma legião em lugar de cada um dos discípulos. Oh! por que, pensaram os discípulos, não Se salva Ele e a nós? Respondendo a seu pensamento não expresso, acrescentou: “Como pois se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça?” Mateus 26:54. “Não beberei Eu o cálice que o Pai Me deu?”

A dignidade oficial dos guias judaicos não os impediu de se unirem à perseguição de Jesus. Sua prisão era coisa demasiado importante para ser confiada a subordinados; os astutos sacerdotes e anciãos se juntaram à polícia do templo e à plebe, para seguir Judas ao Getsêmani. Que companhia para aqueles dignitários se lhe unirem — uma turba ávida de excitação e armada com toda espécie de instrumentos, como para perseguir um animal selvagem!

Voltando-se para os sacerdotes e anciãos, Cristo neles fixou o penetrante olhar. As palavras que Ele proferiu, jamais as esqueceriam, enquanto vivessem. Foram como setas agudas do Todo-poderoso. Com dignidade, disse: Saístes contra Mim como para um ladrão ou salteador, com espadas e varapaus. Todos os dias Me assentava, ensinando no templo. Tínheis oportunidade de deitar-Me as mãos, e nada fizestes. A noite é mais adequada para vossa obra. “Mas esta é a vossa hora e do poder das trevas”. Lucas 22:53.

Os discípulos ficaram aterrorizados, ao ver que Jesus permitia que O prendessem e ligassem. Escandalizaram-se de que Ele suportasse essa humilhação, feita a Si e a eles. Não Lhe podiam entender a conduta, e censuraram-nO por Se submeter à turba. Em sua indignação e temor, Pedro propôs que se salvassem. Seguindo essa sugestão, “todos os discípulos, deixando-O, fugiram”. Mas Cristo predissera essa deserção. “Eis que chega a hora”, dissera, “e já se aproxima, em que vós sereis dispersos, cada um para sua parte, e Me deixareis só; mas não estou só, porque o Pai está comigo”. João 16:32.

Sob todos os aspectos, seja na cruz seja no Getsêmani as profecias quanto à entrega de Jesus se cumpriram. Mas, foi no Jardim do Getsêmani que Jesus vivenciou toda a complexidade de uma entrega espontânea por amor...

Que desculpa teremos se não herdarmos a eternidade com Ele?

1- Se você quiser conhecer o grupo BibleCast visite-nos.

2- Bíblia Judaica Completa. (David H. Stern é doutor em Economia, pela Universidade de Princeton. Mestre em Teologia pelo Seminário Fuller, e prestou serviços para a University of Judaisme. Judeu, em 1972 passou a confiar em Yeshua (Jesus), como o Messias. Dr. Stern é autor do Manifesto judeu messiânico, que delineia o destino, identidade, história, teologia e objetivos do movimento messiânico moderno. Escreveu também Restoring de Jewishness of the Gospel: a Message for Christians (Restaurando o caráter judaico do evangelho: uma mensagem para os cristãos), que consiste em trechos seletos do Manifesto para cristãos não familiarizados com o caráter judaico do evangelho. Seu Jewish New Testament Commentary (Comentário Judaico do Novo Testamento) discute questões judaicas suscitadas pelo Novo Testamento e o cristianismo; perguntas que os judeus messiânicos fazem sobre a própria identidade e papel.)

Parte 1 

Ruth Alencar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2