Barreiras Derrubadas


O Messias parte 4

"Devemos buscar a Cristo e não o milagre do Cristo. [...] A resposta de Deus ao sofrimento humano não é o milagre, é Jesus Cristo." (Rev. Ed Kivitz)
  
“[...] A evidência mais convincente da identidade de Yeshua (Jesus) como Messias diz respeito ao número de profecias do Tanakh cumpridas por ele em sua primeira vinda.”1




Depois do encontro com os fariseus, retirou-Se Jesus de Cafarnaum e, atravessando a Galiléia, dirigiu-Se para a região montanhosa das fronteiras da Fenícia. [...] Além, achava-se a extensão azul do Mediterrâneo, por sobre o qual os mensageiros do evangelho deveriam levar as boas-novas aos centros do grande império do mundo. Mas ainda não era o tempo. A obra que se achava diante dEle agora, era preparar os discípulos para a missão que lhes seria confiada. Ao buscar essa região, esperava Ele encontrar o retiro que não conseguira obter em Betsaida. Todavia, não era esse o único desígnio que tinha ao empreender essa viagem. 

“Eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada.” O povo dessa região pertencia à antiga raça cananéia. Eram idólatras, e desprezados e odiados pelos judeus. A essa classe pertencia a mulher que foi ter então com Jesus. Era pagã, sendo portanto excluída das vantagens dia a dia gozadas pelos judeus. Residiam entre os fenícios muitos judeus, e a notícia da obra de Cristo penetrara nessa região. Alguns dentre o povo Lhe ouviram as palavras e testemunharam as maravilhosas obras que realizava. Essa mulher ouvira falar do profeta que, dizia-se curava toda espécie de doenças. Ao ser informada de Seu poder, nasceu-lhe a esperança no coração. Inspirada pelo amor materno, decidiu apresentar-Lhe o caso de sua filha. Tinha o firme desígnio de levar sua aflição a Jesus. Este devia curar-lhe a filha. Ela buscara auxílio dos deuses pagãos, mas não obtivera melhoras. E por vezes era tentada a pensar: Que poderá fazer por mim esse Mestre judaico? Mas fora-lhe dito: Ele cura toda espécie de doenças, sejam ricos ou pobres os que Lhe vão pedir ajuda. Decidiu não perder sua única esperança. 

Cristo conhecia a situação dessa mulher. Sabia que O anelava ver, e colocara-Se-lhe no caminho. Mitigando-lhe a dor, poderia dar viva representação do que pretendia ensinar. Para esse fim levara os discípulos àquele lugar. Desejava que vissem a ignorância existente em aldeias e cidades vizinhas da terra de Israel. O povo a quem se dera todo o ensejo de compreender a verdade, desconhecia as necessidades dos que os rodeavam. Esforço algum se fazia para ajudar as almas em trevas. O muro de separação, criado pelo orgulho judaico, impedia os próprios discípulos de se compadecerem do mundo pagão. Cumpria, porém, quebrar essas barreiras. 

Cristo não atendeu imediatamente à súplica da mulher. Recebeu essa representante de uma raça desprezada, como o teriam feito os próprios judeus. Assim procedendo, era Seu intuito impressionar os discípulos quanto à maneira fria e insensível com que os judeus tratariam um caso assim, ilustrando-o com o acolhimento dispensado à mulher; e quanto ao modo compassivo por que desejava que tratassem com essas aflições, segundo o exemplificou na atenção que posteriormente lhe deu ao pedido. 

Mas embora Jesus não respondesse, a mulher não perdeu a fé. Passando Ele, como se a não ouvisse, seguiu-O, continuando em suas súplicas. Aborrecidos com sua importunação, os discípulos pediram a Jesus que a despedisse. Viram que o Mestre a tratava com indiferença e daí julgaram que os preconceitos dos judeus contra os cananeus Lhe agradavam. Aquele a quem a mulher dirigia seus rogos, porém, era um compassivo Salvador e, em resposta ao pedido dos discípulos, disse Jesus: “Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.” Se bem que essa resposta parecesse em harmonia com o preconceito dos judeus, era uma tácita reprovação aos discípulos, o que vieram a compreender posteriormente, como a lembrar-lhes o que lhes dissera muitas vezes — que Ele viera ao mundo para salvar a todos quantos O aceitassem. 

Com crescente ardor insistia a mulher em sua necessidade, inclinando-se aos pés de Cristo e clamando: “Senhor, socorre-me!” Aparentemente ainda lhe desprezando as súplicas, segundo o insensível preconceito judaico, respondeu Jesus: “Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos.” Com isso afirmava, por assim dizer, que não era justo desperdiçar com os estrangeiros e inimigos de Israel as bênçãos trazidas ao favorecido povo de Deus. Esta resposta teria desanimado inteiramente qualquer suplicante menos fervoroso. Mas a mulher viu que chegara sua oportunidade. Sob a aparente recusa de Cristo, viu a compaixão que Ele não podia dissimular. “Sim, Senhor”, respondeu ela, “mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores.” Enquanto os filhos da casa comem à mesa paterna, os cães não são deixados sem alimento. Têm direito às migalhas que caem da mesa abundantemente provida. Assim, se bem que muitas fossem as bênçãos concedidas a Israel, não haveria também uma para ela? Era considerada como um cão; não teria então também o direito de um cão a uma migalha de Sua generosidade? 

Jesus acabava de partir de Seu campo de labor, porque os escribas e fariseus estavam procurando tirar-Lhe a vida. Murmuravam e queixavam-se. Manifestavam incredulidade e azedume, e recusavam a salvação tão abundantemente a eles oferecida. Aqui encontra Cristo uma criatura de uma classe infeliz e desprezada, não favorecida com a luz da Palavra de Deus; todavia, submete-se imediatamente à divina influência de Cristo, e tem fé implícita em Seu poder de lhe garantir o favor que suplica. Pede as migalhas que caem da mesa do Senhor. Se lhe for dado o privilégio de um cão, está disposta a ser como tal considerada. Não a influencia nenhum preconceito ou orgulho nacional ou religioso, e reconhece imediatamente Jesus como o Redentor, e capaz de fazer tudo quanto Lhe pede

O Salvador fica satisfeito. Provou-lhe a fé nEle. Por Seu trato com ela, mostrou que aquela que era tida como rejeitada de Israel, não mais é estranha, mas uma filha na família de Deus. Como filha, tem o privilégio de partilhar das dádivas do Pai. Cristo assegura-lhe então o que pede, e conclui a lição dada aos discípulos. Voltando-se para ela com olhar de compaixão e amor, diz: “Ó mulher! grande é a tua fé: seja isso feito para contigo como tu desejas.” E desde aquela hora a sua filha ficou sã. Não mais o demônio a perturbou. A mulher partiu reconhecendo o Salvador, e contente com a certeza da resposta ao seu pedido

Foi esse o único milagre que Jesus operou, quando nessa viagem. Fora para a realização desse ato que Ele Se dirigira às fronteiras de Tiro e Sidom. Desejava dar alívio à aflita mulher, deixando ao mesmo tempo, em Sua obra, um exemplo de misericórdia para com a filha de um povo desprezado, para benefício dos discípulos quando não mais estivesse com eles. Desejava levá-los a sair da exclusividade judaica, interessando-se em trabalhar por outros além do próprio povo

Jesus anelava desvendar os profundos mistérios da verdade ocultos por séculos, de que os gentios deviam ser co-herdeiros com os judeus, e “participantes da promessa em Cristo pelo evangelho”. Efésios 3:6. Esta verdade os discípulos foram tardios em apreender, e o divino Mestre deu-lhes lição após lição. Recompensando a fé do centurião em Cafarnaum, e pregando o evangelho aos habitantes de Sicar, já dera provas de que não participava da intolerância dos judeus. Mas os samaritanos tinham algum conhecimento de Deus; e o centurião mostrara bondade para com Israel. Agora, Jesus pôs os discípulos em contato com uma pagã que consideravam, como qualquer outro membro de seu povo, sem nenhum direito a esperar o Seu favor. Queria dar um exemplo de como uma pessoa nessas condições devia ser tratada. Os discípulos haviam pensado que Ele distribuía muito liberalmente os dons de Sua graça. Mostraria que Seu amor não devia limitar-se a qualquer povo ou nação

Quando Ele disse: “Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel”, declarou a verdade; e ajudando à cananéia, estava cumprindo Sua missão. Esta mulher era uma das ovelhas perdidas que Israel devia ter salvo. Era a obra que lhes fora indicada, e por eles negligenciada, que Cristo estava cumprindo. 

Esse ato abriu o espírito dos discípulos mais amplamente para o labor que se achava diante deles, entre os gentios. Viram um vasto campo de utilidade fora da Judéia. Viram almas suportando dores ignoradas pelos mais altamente favorecidos. Entre os que tinham sido ensinados a desprezar, achavam-se almas ansiosas do auxílio do poderoso Médico, famintos da luz da verdade, tão abundantemente dada aos judeus. 

Mais tarde, quando os judeus mais persistentemente se desviaram dos discípulos por declararem que Jesus é o Salvador do mundo, e quando a parede divisória entre judeus e gentios foi derribada pela morte de Cristo, esta lição e outras semelhantes que indicavam não ser o trabalho evangélico restringido por costumes ou nacionalidades, tiveram sobre os representantes de Cristo poderosa influência em Lhes dirigir os labores. 


A visita do Salvador à Fenícia e o milagre aí realizado, tinham ainda mais largo desígnio. Não somente pela mulher aflita, nem mesmo pelos discípulos e os que lhes recebessem os serviços, foi feita essa obra, mas também “para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus; para que, crendo, tenhais vida em Seu nome”. João 20:31. As mesmas influências que separavam os homens de Cristo dezenove séculos atrás, acham-se hoje em dia em operação. O espírito que ergueu a parede separatória entre judeus e gentios, está ainda em atividade. O orgulho e o preconceito têm construído fortes muros de separação entre as diferentes classes de homens. Cristo e Sua missão têm sido desfigurados, e multidões sentem-se virtualmente excluídas do ministério do evangelho. Não sintam elas, porém, que se acham excluídas de Cristo. Não há barreiras que o homem ou Satanás possa levantar, que a fé não seja capaz de atravessar

Com fé, atirou-se a mulher fenícia contra as barreiras que se tinham elevado entre judeus e gentios. Apesar de não ser animada, a despeito das aparências que a poderiam ter levado a duvidar, confiou no amor do Salvador. É assim que Cristo deseja que nEle confiemos. As bênçãos da salvação destinam-se a toda alma. Coisa alguma, a não ser sua própria escolha, pode impedir qualquer homem de tornar-se participante da promessa dada em Cristo, pelo evangelho.

[...] Aos olhos do Senhor, a alma de todos os homens é de igual valor. ‘e de um só fez todas as raças dos homens, para habitarem sobre toda a face da terra, determinando-lhes os tempos já dantes ordenados e os limites da Sua habitação; para que buscassem a Deus, se porventura, tateando, o pudessem achar, o qual, todavia, não está longe de cada um de nós;’ (Atos 17:26-27) Sem distinção de idade ou categoria, de nacionalidade ou de privilégio religioso, são todos convidados a ir a Ele e viver. ‘Ninguém que nele crê será confundido. Porquanto não há distinção entre judeu e grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus. Porque o mesmo Senhor o é de todos, rico para com todos os que o invocam. Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.’ (Gálatas 3:28; Romanos 10: 11-13)” (Ellen White, O Desejado de Todas as Nações. Cap. 43, pág. 383-388, baseado em Mateus 15:21-28; Marcos 7:24-30.)


_______

1- Bíblia Judaica Completa. (David H. Stern é doutor em Economia, pela Universidade de Princeton. Mestre em Teologia pelo Seminário Fuller, e prestou serviços para a University of Judaisme. Judeu, em 1972 passou a confiar em Yeshua (Jesus), como o Messias. Dr. Stern é autor do Manifesto judeu messiânico, que delineia o destino, identidade, história, teologia e objetivos do movimento messiânico moderno. Escreveu também Restoring de Jewishness of the Gospel: a Message for Christians (Restaurando o caráter judaico do evangelho: uma mensagem para os cristãos), que consiste em trechos seletos do Manifesto para cristãos não familiarizados com o caráter judaico do evangelho. Seu Jewish New Testament Commentary (Comentário Judaico do Novo Testamento) discute questões judaicas suscitadas pelo Novo Testamento e o cristianismo; perguntas que os judeus messiânicos fazem sobre a própria identidade e papel.)

Ruth Alencar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

Refletindo um pouquinho sobre 2 Reis 2: 9- 13