Provocando o Mal


Texto de Diego Ignácio Barreto, pastor Adventista, postado no site Confissões Pastorais.

“O título dessa carta pode ter duas interpretações. Pode significar: Causar o mal. Ou pode significar: instigar, incitar a maldade. Nesta carta, proponho que a frase signifique exatamente as duas coisas. Como?

Primeiro deixe-me usar um exemplo bíblico. Êxodo 9:12 diz que “o Senhor endureceu o coração de Faraó”. O que isso significa? Que Deus fez/forçou Faraó a ser teimoso? Isso faz sentido, se o desejo de Deus era libertar Seu povo?

Como o Hebraico era uma língua muito pobre de verbetes o uso de uma mesma palavra para variar outras era indispensável. Outro fator importante é a ausência de um pensamento cheio de abstratismos como temos no ocidente. Sendo assim a ideia expressa na Bíblia é a seguinte:

Deus pediu ao Faraó que libertasse o seu povo. Como ele era um cara teimoso e de coração duro, quanto mais Deus insistia, mais ele  endurecia o coração.

No pensamento judaico as coisas não funcionam da causa para o efeito (como aqui no ocidente) e sim do efeito para a causa.  Ao invés de dizer: Porque Deus insistia, Faraó ia se tornando cada vez mais teimoso! Era dito: Deus fez o coração de Faraó endurecer.

Em última instância isso é verdade mesmo. O fato de Deus insistir fazia com que Faraó aumentasse ainda mais o nível de intensidade com que se opunha a ideia de libertação proposta por Deus. Mas Deus não insistia para tornar o coração mais duro, e sim porque queria libertar Sua gente.

Portanto, Deus não fez Faraó ser teimoso. Deus “provocou”  a teimosia de Faraó. “Instigando-o” a tomar uma posição. Que findava sempre por ser contrária a de Deus, como um resultado de sua própria teimosia. O que acabava por “Causar” um endurecimento do coração de Faraó.

De que me serve essa informação?

Temos um principio bíblico aqui: Quanto mais insistimos com alguém que fez sua decisão, mais reforçamos sua posição. Pessoas indecisas podem mudar de ideia. Mas, pessoas que já decidiram só serão demovidas de sua decisão por motivos próprios e não por insistência externa.  A insistência em casos como esse, só reforça a decisão já tomada.

Em outras palavras, pare de insistir em enfiar Jesus goela abaixo de quem decidiu que não O quer! Não insista com quem não quer a Cristo. Não insista com quem decidiu rejeitar a Deus. Não insista, perturbe, ou provoque quem já fez uma má decisão. Porque nesse caso, você só causará o reforço de sua atual postura. Só fechará mais a porta. Isso não quer dizer que a pessoa não tem mais jeito, ou que Deus desistiu dela. De jeito nenhum!

Quer dizer apenas que enquanto ela, não abrir uma porta de dentro pra fora… Não importa o quanto você bata, ou esmurre a porta por fora. Mais trancas serão instaladas na parte de dentro.

Muitas mães e pais, esposas e maridos, insistem com os que amam para que abram o coração a Cristo. Mas, uma vez a decisão tendo sido tomada de deixá-Lo de fora, por agora, só será reforçada se houver insistência. É como tentar convencer alguém em um debate. Quanto mais você apresentar seus argumentos, mais se argumenta de volta, convencendo-se ainda mais de que estava certo, e reforçando assim sua posição. O debate só fortalece a cisão e aumenta o abismo, porque seu método é o do confronto direto e insistente.  Não funciona para um ser humano de coração orgulhoso. Duro. Como todos nós somos.

Mas alguém pode dizer: “Se Deus fez, então eu devo fazer também”. “É uma indicação bíblica de que esse é o procedimento certo”.

Isso é uma falácia. Veja bem, não confunda as coisas, você não é Deus. Existem algumas coisas que Deus fez e faz, e que você não pode ou deve fazer. Deus pode morrer pra salvar o pecador. Nós só podemos pagar os nossos próprios pecados com nossa própria morte. Deus pode julgar, por exemplo. Nós seres humanos, não devemos fazer tal coisa. Também lhe recomendo a nunca lançar fogo sobre uma cidade promiscua ou tentar escrever mandamentos para homens.

Em suma, o que entendi nessa passagem Bíblica é que se você ama muito alguém, e deseja vê-la no Céu, talvez a melhor coisa que tenha a fazer por ela nesse momento, seja parar de insistir. Deixe Deus agir no momento certo. E se você ama mesmo essa pessoa, quando a porta se abrir de dentro pra fora, você será o primeiro a ser convidado a re-introduzir o Mestre a esta vida, agora, aberta novamente ao Senhor.

Provocamos o mal. Quando insistimos contra ele. O causamos. O incitamos.

Nosso trabalho é fazer o bem. Quem luta contra o mal é o Senhor. Amor não é pressão. Amor é dar liberdade. Por isso a Bíblia diz: “O amor não se porta inconvenientemente” (1 Coríntios 13:5).

Confie no Senhor, e não em Sua capacidade de insistir!”  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

O Rio Jordão: As Águas de Naamã

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2