A letra e o espírito da Lei

A Justiça e a Paz se Beijaram: conversando sobre o livro de Rute

Este texto é uma transcrição adaptada do BibleCast 09. Você pode ouvir o podcast original aqui   O tema começa no tempo 34:35.


A história de Rute começa dizendo que seu contexto era no tempo dos juízes (1000 aC). É provável, por isso, que na Bíblia este livro esteja situado logo após o livro de Juízes.

Foi Rute quem escreveu o livro de Rute? Os títulos dos livros da Bíblia não falam de seus autores? Existe também uma teoria que diz que pode ter sido uma mulher quem o escreveu. Alguns sugerem que seu autor seja o profeta Samuel.  A tradição hebraica do Talmud diz que foi Samuel.

O problema com relação à autoria de Samuel é que ele não estava vivo quando Davi tornou-se rei e quando o livro termina, cita Davi. Na verdade, não dá para sabermos. É possível que tenha sido Samuel e alguém completou o final e fez um cabeçalho.

A teoria de que foi uma mulher baseia-se no fato de ser uma história contada sobre a jornada de duas mulheres, numa sociedade dominada por homens. Mostrando, inclusive, o ponto de vista feminino. Mas, tudo isto é só conjectura! É mais fácil acreditar que tenha sido Samuel.

Esta história é marcada por uma época de grande infidelidade. Tanto entre as pessoas como em relação a Deus. Bem contrário do que se passava com Rute que tem uma lealdade muito forte.

Estava havendo uma tremenda fome na terra de Israel. Elimeleque deixa Judá, abandona seu povo e vai morar em outro lugar. Qual o problema dele ter ido morar em outro lugar? Ele foi morar em Moabe. Por que foi tão terrível ele morar em Moabe?

Moabe é um personagem da história bíblica que nasceu de um relacionamento incestuoso de Ló com uma de suas filhas. E foi ele quem edificou essa cidade.

Os moabitas eram amaldiçoados por Deus. Excluídos das Assembleias do Senhor. Além de terem uma origem incestuosa, eles cometeram outros pecados. Ou seja, eles eram removidos do contexto de salvação. Elimeleque e Noemi saíram de Judá e foram morar nessa terra amaldiçoada. E pior! Os seus filhos se casaram com meninas amaldiçoadas. Rute, aos olhos dos judeus, trazia a marca da vergonha. Afinal, ela era descendente de Moabe. O fato é que o livro de Rute revela uma grande tensão. Duas leis da Bíblia entram em confronto. Que leis são essas?

‘E morreu Elimeleque, marido de Noêmi; e ficou ela com os seus dois filhos, os quais se casaram com mulheres moabitas; uma destas se chamava Orfa, e a outra Rute; e moraram ali quase dez anos. E morreram também os dois, Malom e Quiliom, ficando assim a mulher desamparada de seus dois filhos e de seu marido.  Então se levantou ela com as suas noras, para voltar do país de Moabe, porquanto nessa terra tinha ouvido que e Senhor havia visitado o seu povo, dando-lhe pão. Pelo que saiu de lugar onde estava, e com ela as duas noras. Indo elas caminhando para voltarem para a terra de Judá, disse Noêmi às suas noras: Ide, voltai, cada uma para a casa de sua mãe; e o Senhor use convosco de benevolência, como vós o fizestes com os falecidos e comigo.’ (cap. 1:3-8)

Elas ficaram viúvas. Noemi, então, decide voltar para Judá. Segundo a lei, em Judá, em uma plantação no momento da colheita, o que caísse no chão pertencia aos pobres. Não poderia ser colhido a não ser pelos pobres. Noemi sabia que se incluía no direito de beneficiar-se dessa lei. Por que ficar em Moabe e passar necessidade, se ela poderia retornar à sua terra e ser protegida pelas leis de sua nação? A questão era como levar suas noras com ela? Iriam sofrer ‘bullying’! Sofreriam preconceito em Judá, afinal eram moabitas. Segundo a lei das Assembleias, amaldiçoadas!

‘Noêmi, porém, respondeu: Voltai minhas filhas; porque ireis comigo? Tenho eu ainda filhos no meu ventre, para que vos viessem a ser maridos? Voltai, filhas minhas; ide-vos, porque já sou velha demais para me casar. Ainda quando eu dissesse: Tenho esperança; ainda que esta noite tivesse marido e ainda viesse a ter filhos. Esperá-los-íeis até que viessem a ser grandes? deter-vos-íeis por eles, sem tomardes marido? Não, filhas minhas, porque mais amargo me é a mim do que a vós mesmas; porquanto a mão do Senhor se descarregou contra mim.’ (cap.1: 11-13)

Noemi evoca aqui a lei do levirato. Sente-se culpada por estar longe do seu povo (fora do seu grupo, numa analogia para reflexão, fora da igreja), punida por ter ido morar na terra dos amaldiçoados. A Bíblia nos conta que Orfa, uma das noras, vai embora, mas a outra, Rute, fica! (v. 14)

Há, então, na história dessas mulheres um choque entre leis: a lei das Assembleias x e a lei do Levirato. Por que Levirato? Porque Levi significa cunhado, logo, lei do cunhado. Vejamos o que dizem essas leis:


Lei das Assembleias
Deuteronômio 23:3

Lei do Levirato
Deuteronômio 25:5-6




“Nenhum amonita nem moabita entrará na assembleia do Senhor; nem ainda a sua décima geração entrará jamais na assembleia do Senhor;”


“Se irmãos morarem juntos, e um deles morrer sem deixar filho, a mulher do falecido não se casará com homem estranho, de fora; seu cunhado estará com ela, e a tomará por mulher, fazendo a obrigação de cunhado para com ela. E o primogênito que ela lhe der sucederá ao nome do irmão falecido, para que o nome deste não se apague de Israel.”


Se uma mulher ficasse viúva sem filhos ela deveria obrigatoriamente casar-se com o irmão do marido dela, o cunhado. O primeiro filho que nascesse dessa união receberia o nome do marido falecido. Porque era importante o cunhado assumir esta posição?

A descendência de um homem era muito importante naquela época1. Se acontecesse de um homem morrer sem filhos ele seria esquecido. Apagado. Não haveria o nome dele em lugar nenhum! Acabou! E a herança dele também se perderia. O parente mais próximo precisava resgatar essa mulher. Ela estava só, sem marido e filhos e o parente mais próximo deveria assumir esta mulher. Esse parente mais próximo poderia recusar? Poderia. Porém, essa não era uma boa escolha! Você pode ver sobre isto em Deuteronômio 25: 7-10.2

O resgatador garante ao primogênito que ele receba a herança que pertencia ao falecido. Porém, apenas o primogênito dessa união recebe o nome do falecido. Os outros filhos pertencem ao resgatador. A palavra resgatador é um dos títulos de Cristo. Ele é o nosso resgatador! Afinal, por conta de nossas transgressões fomos excluídos da Grande Assembleia do Céu. Rute tipifica o pecador, que somos nós. E Boas, o resgatador, que é Cristo.

Há nesta história uma lei que condena e uma lei que manda ser resgatado: a lei da exclusão das assembleias e a lei do levirato. Qual delas seria aplicada para Rute quando ela chegasse em Judá junto com Noemi? As duas leis são ordenanças bíblicas. Aqui está a razão deste livro está inserido na Bíblia. Não é simplesmente uma história de amor e lealdade, mas uma história que traz uma profundidade a respeito da justiça de Deus. Nele há a história do pecador e do salvador. A história de quem abandona e daquele que resgata. E acima de tudo, uma reflexão entre duas leis que se contrastam quando aplicadas a um problema como esse de Rute.

E na igreja será que isto acontece? Por exemplo, às vezes você encontra na igreja 2 grupos de pessoas:

. Um com essa mensagem: ‘tem que condenar, tem que excluir! Porque a lei diz que tem que ser excluído da assembleia (igreja) quando alguém comete pecado grave, público, como o adultério, por exemplo.’

. E há o outro que diz: ‘Não, se excluirmos vamos acabar empurrando o transgressor para mais longe da igreja, atrapalhando a salvação dele. Podemos agir de outra forma. ’

É assim ou não é? A questão agora é: qual lei deve prevalecer? Tinha uma que dizia que Rute não podia fazer parte do povo de Israel e havia outra que afirmava que alguém podia resgatá-la. E agora? A letra diz: se Boaz casar com ela vai trazer maldições para a família.

Tomemos outro exemplo. Aparece uma pessoa na igreja desejando ser batizado. Diz o manual da igreja (adventista) que a pessoa deve estar bem preparada. Diz até que ela deve frequentar a igreja antes de se batizar. Aparece, então, alguém pedindo batismo sem frequentar a igreja. Essa pessoa, segundo a fria lei não pode ser batizada, mas ela aceitou Jesus no coração. Ela se arrependeu e agora está pedindo batismo. O que fazer?

A comissão da igreja é reunida para decidir o caso. Isto acontece frequentemente. Em comissões de igreja o livro de Rute deveria ser estudado. Afinal, nas comissões de igreja esta é uma tensão frequente.

Você deve seguir a lei ou você deve ir para o lado da misericórdia? A lei tem 2 aspectos, a letra e o espírito. Quando vamos estudar a lei temos que conhecer essas duas possibilidades. Qual é o mais importante? O que tem que ser aplicado na igreja?  Quando olhamos para alguém tendemos a julgá-lo. E sempre o julgamos por nossos paradigmas. Qual deve ser o nosso paradigma, a letra ou o espírito da lei?

Letra e espírito da lei não são a mesma coisa! Temos na história de Rute um exemplo de que a letra e o espírito podem entrar em conflito. Esta é a realidade! Não é simples assim. Não podemos dizer a lei diz isto e ponto final!

Há pessoas que dizem que se alguém sair da igreja e seu nome permanecer em seus registros isto vai trazer maldição para a igreja. Segundo essas pessoas o nome do 'apostatado' tem que ser removido o mais rápido possível. Pensar assim é levar em conta a letra da lei! Acontece que há o espírito da lei, a ideia por trás da lei. Por que a lei existe?

O pensamento hebraico não contempla exceções. As exceções existem, mas o pensamento hebraico não fala sobre elas. Isto porque o todo é levado em consideração. Quando essas exceções surgem e duas leis entram em conflito prevalece sempre a lei que salva.

Outro exemplo deste fenômeno na Bíblia está registrado em 2 Crônicas 30, quando o rei Ezequias restaura a celebração da Páscoa. Os que vieram de longe participar da festa e por isso não tiveram tempo de se preparar no ritual da purificação se confrontaram com uma lei que lhes proibia.

Ao trabalharmos com a lei é preciso que compreendamos o espírito que há nela. Quem a fez? Por que a colocou dessa maneira? Qual o pensamento de Deus por trás dessa lei?

Com relação aos Dez Mandamentos, em seu relacionamento com Cristo, você quer ser julgado pela letra ou pelo espírito? Pelo espírito porque a letra mata e o espírito vivifica. Quando você aceita o perdão de Cristo e está no seio da igreja e você se sente puro, limpo, contemplando outro pecador qual lei você aplica? A da letra ou a do espírito? A gente sempre pega a do espirito para nós e a da letra para os outros!

Paulo compreendendo que os cristãos de Roma gostava de aplicar a letra da lei disse: ‘... o homem é justificado pela fé sem as obras da lei. É porventura Deus somente dos judeus? Não é também dos gentios? Também dos gentios, certamente, se é que Deus é um só, que pela fé há de justificar a circuncisão, e também por meio da fé a incircuncisão. Anulamos, pois, a lei pela fé? De modo nenhum; antes estabelecemos a lei.’ (Romanos 3:28-31) Ou seja, o espírito sem a letra ou a letra sem o espírito não vale nada! O espírito da lei não anula a letra da lei.

‘Se me amardes, guardareis os meus mandamentos’. (João 14:15)

Se você guarda os mandamentos, mas não ama Jesus, perdeu! O livro de Rute está mostrando que o espírito e a letra da lei têm que andar juntos.

‘E perguntou ele: Quem és tu? Ao que ela respondeu: Sou Rute, tua serva; estende a tua capa sobre a tua serva, porque tu és o remidor.’ (cap.3:9)

Rute evoca a lei do levirato e pede que Boaz a espose. Boaz avisa a Rute que há um outro resgatador na frente. Tinha um porém!

‘Agora, pois, minha filha, não temas; tudo quanto disseres te farei, pois toda a cidade do meu povo sabe que és mulher virtuosa. Ora, é bem verdade que eu sou remidor, porém há ainda outro mais chegado do que eu. Fica-te aqui esta noite, e será que pela manhã, se ele cumprir para contigo os deveres de remidor, que o faça; mas se não os quiser cumprir, então eu o farei tão certamente como vive o Senhor; deita-te até pela manhã.’ (cap. 3: 10-11)

Nem sempre a questão é simples porque sempre Satanás cria um problema quando você vai para Cristo. Sempre surgirá uma encrenca e a encrenca às vezes vem da igreja mesmo! O sentido da capa é porque na cultura deles significava compromisso de casamento. No momento em que Boaz coloca a capa ele anula a lei das Assembleias, a lei de que ela era amaldiçoada e por isso deveria ir embora. Ela era aceita. Ao colocar a capa sobre Rute ele deixa a letra da lei e assume o espírito da lei.

‘Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.’ (Romanos 6:23)

Pela letra da lei deveríamos morrer totalmente destituídos da salvação. Mas, Cristo na cruz estendeu Sua capa sobre nós e fez com que a letra não nos matasse e pelo espírito da lei recebêssemos salvação.

Sensacional! Se você está se sentindo perdido porque sabe que é um transgressor da lei, saiba que Cristo pode modificar sua história e se algo está lhe impedindo de ir a Cristo porque um outro resgatador, o inimigo de Deus, reivindica a posse da sua vida, você pode confiar  no espírito da lei porque Jesus tem poder  para fazer o processo de reversão.

Então disse Noêmi: Espera, minha filha, até que saibas como irá terminar o caso; porque aquele homem não descansará enquanto não tiver concluído hoje este negócio.’ (cap. 3:18)

Cristo não descansa enquanto não resolver sua situação. Porque Ele é o nosso Resgatador, embora estejamos nos sentindo excluídos da assembleia do Senhor. Mesmo que você se sinta afastado da igreja, mesmo que você tenha cometido um pecado muito grave! Mesmo que esteja se sentindo envergonhado de voltar para a igreja. Não importa, a Bíblia diz que Cristo não descansa enquanto não resolver o seu caso.

Quando duas leis entram em choque você deve sempre optar pela misericórdia porque Deus opta pela misericórdia! Rute de amaldiçoada passa a figurar na genealogia de Cristo. Deus tomou uma mulher rejeitada e a conduziu para o patamar alto no justo e misericordioso julgamento, pois o espírito da lei é o amor. Quando há duas leis em conflitos a lei que vence é a lei que salva. A lei que resgata. Não é a lei que condena, que separa! Mas, o espírito da lei que é o amor de Deus. E é isto que está por trás da Sua justiça. Deus só é justo porque é amoroso.

O inimigo usa a lei de Deus para que as pessoas se afastem ou para que fiquem afastadas. O amor de Deus se sobrepõe a tudo isto! Ele dá uma nova oportunidade. Lembre-se sempre do conselho: ‘se errarmos que seja pela misericórdia’ (Testemunhos Seletos vol 4, cap. 6)

Foi isto que aconteceu na Cruz do Calvário quando Cristo morreu por nós. Naquela cruz a letra e o espírito da lei se uniram. Quando Cristo morreu na cruz a justiça e a paz se beijaram.

Pastores Diego Barreto , Júnior e André Silva.

_____



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

Refletindo um pouquinho sobre 2 Reis 2: 9- 13