Joias ou Pedras de Moinho?

 Série: Livros da Bíblia
Episódio 1: Livro de Rute

Neste BibleCast os pastores André Silva, Diego Barreto e o Junior conversam a respeito dos assuntos mais escandalosos que envolvem a Igreja. Este texto é uma transcrição adaptada do BibleCast 8. Você pode ouvir o podcast original aqui 


Por que há tantas regras na IASD? Por que, por exemplo, a proibição do uso de joias?

Para começar este assunto precisamos entender o primeiro conceito que é o fato de que na Bíblia não encontramos alguns detalhes sobre as questões do mundo moderno de hoje. A grande maioria gostaria que tudo estivesse escrito na Bíblia. Não só gostariam como acham que está escrito.

As pessoas acham que tudo tem que está escrito: quantos centímetros tem que ter seu cabelo, ou quanto centímetro tem que ter sua saia. As pessoas querem ver detalhes! Qual canal de TV podem assistir, até que horas pode namorar, o que posso fazer na internet no sábado... As pessoas vivem como se isto realmente estivesse escrito na Bíblia!

Realmente na Bíblia não fala sobre internet, cinema, cigarro. E por que a Bíblia não fala? Assista o Biblecast nº7.  O tema começa no tempo: 15:36 e você compreenderá que os profetas não escreveram para nós, escreveram para sua época. O que temos que fazer é pegar o princípio do que foi apresentado pelo profeta e aplicar para nós hoje.

Por que é que as pessoas querem que tenha na Bíblia esses detalhes? Muito simples, é mais fácil você receber uma lista de coisas para fazer do que você se envolver com Deus. Porque isto é certo. Quando você se envolve com Deus, você compreende as coisas que você pode e não pode fazer. Porém, como existe a preguiça de se envolver com Deus, de ler Sua Palavra, de saber quem Ele é, pedimos uma lista de coisas que a gente pode fazer.

Esta foi exatamente a questão do jovem rico, quando ele, então procurou Jesus e falou: Mestre, que tenho que fazer para ser salvo? Passe a lista para mim, assim vou saber o que eu devo preencher.

Isto é exatamente a vontade de viver no limite da graça. As pessoas querem ser salvas e quando elas não se envolvem verdadeiramente com Deus, quando não O amam de verdade querem saber até onde podem ir sem perder a salvação delas. Querem andar no limite, pisar na linha!

Este é o ponto, a Bíblia não traz todos os temas que gostaríamos que ela abordasse, mas ela apresenta tudo o que é necessário para o ser humano.

Esta questão do limite é importante porque o limite deve servir de referência para o cristão. Quanto mais longe ele ficar do limite mais seguro estará. É muito simples, se você ama a Deus você não vai fazer o que Ele quer no limite, quase esbarrando no que não pode fazer.

Por exemplo, peguemos o exemplo do horário do por do sol. Quem observa o repouso sabático sabe que a chegada do sábado é anunciada pelo por do sol na sexta-feira. Se o sol se põe às 18:10 tem gente que vai até o limite do tempo. Outro exemplo, como pastor é comum receber jovens que me perguntam até que posição geográfica pode ir no corpo da namorada. O que pode e não pode fazer no namoro! O que eles querem saber é o que pode e não pode fazer!

Deus dá o senso na nossa mente daquilo que se deve e não se deve fazer e sabemos que este senso é onde atua o Espírito Santo. Existem muitas pessoas que nunca conheceram a Bíblia, mas elas sabem que matar é errado, roubar é errado. Por que elas sabem? Porque há um Deus agindo na nossa mente através do Espírito Santo.

Olhem que interessante! O que é o namoro? O namoro é conhecer alguém. Saber como ela é, como é o seu caráter. O problema é quando a gente começa a misturar um namoro secularizado com um namoro como Deus Se agrada. E como é o namoro que agrada a Deus? É muito simples, é conversar, dar beijos... se conhecer. Fazer test drive para saber se vai gostar não é o correto. É queimar etapas.

E é exatamente pensando nisto. Quem ama a Deus não vai andar na corda bamba, bem perto do limite! Por isso, a igreja traça o limite bem antes do limite real. Sua ideia é ajudar quem quer se santificar. A igreja não existe para reformar o mundo por meio de proibições ou dizer às pessoas o que elas devem ou não fazer ou dizer!

A igreja na verdade traça os limites para aquelas pessoas que dizem: Eu quero seguir a Deus. Eu quero fazer a Sua vontade. Eu quero ficar longe do pecado. A igreja ajuda!

Abra sua Bíblia em 1 Coríntios 8:1. O que vamos conversar aqui serve para várias questões como ir ao cinema ou não, que tipo de música posso ouvir, a questão da roupa, das joias, etc. Não encontramos na Bíblia um claro texto a respeito desses assuntos, então vamos atrás do princípio.

“Ora, no tocante às coisas sacrificadas aos ídolos, sabemos que todos temos ciência. A ciência incha, mas o amor edifica.”

Coisas sacrificadas a ídolos. Este era o problema na época de Paulo. Algumas pessoas da igreja achavam que podiam comer, outras achavam que não tinha problema. Essa era a tensão!

No tempo de Paulo a carne que era sacrificada para os deuses pagãos e que sobravam eram enviadas para os açougues para serem vendidas no mercado e a pergunta entre os cristãos : “Podemos comer ou não uma carne que foi sacrificada a um ídolo?”

É o mesmo princípio para nós hoje. Posso ir ao cinema ou não? Tem gente que acha que pode, tem gente que acha que não. Posso ouvir essa música ou não posso ouvi-la? Posso usar essa joia ou não posso usá-la?

O tema lá era carne sacrificada ao ídolo. O problema hoje podem ser muitos.

Paulo começa dizendo que reconhecemos que todos somos senhores do saber. Isto é, sabemos que todos os que estão aqui na discussão, tanto um lado como o outro, têm conhecimento do assunto. Paulo os adverte que o conhecimento ensoberbece, dá orgulho. Mas, o amor edifica. Neste momento Paulo está dizendo melhor do que ter razão, é amar.

O que importa é amar!

Temos tensão assim na igreja. Na música, por exemplo, os mais jovens querem músicas com ritmos que os mais velhos não concordam. Aqui se impõe uma questão. Qual o seu objetivo quando você vai para a igreja? Qual seu objetivo quando você se arruma e põe sua Bíblia debaixo do braço?

Suponho que você vai para adorar a Deus. Então, você tem que se ver como um adorador a mais no corpo de adoradores na igreja. Acontece de uma música fazer bem para você e não fazer bem para outra pessoa. Às vezes é preferível que você abra mão de um estilo musical que você acha correto por um mais tradicional que agrada a todo mundo, de forma que quem quer que seja e que tenha vindo para adorar a Deus, volte para casa com o sentimento de ter estado na presença do Senhor.

Agora se você decide ficar com o seu gosto musical ou sua opinião você acaba provocando divisão na igreja. E a pessoa que foi para adorar a Deus volta para casa com sentimentos estranhos no coração.

Já aprendemos no Biblecast nº 2, ‘Os santos também lutam’, qual o grande problema que pode surgir quando temos duas opiniões diferentes brigando dentro da igreja. Então, às vezes, é melhor você abrir mão do que ter razão.

É exatamente isto que Paulo está dizendo: o conhecimento ensoberbece, mas o amor edifica. Olhe o que ele diz no v.2-3: ‘Se alguém julga saber alguma coisa, ainda não aprendeu como convém saber. Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido por Ele.’ Mais uma vez Paulo está enfatizando a importância do amor.

v.4 ‘Quanto, pois, ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos,’ ou no seu caso, as joias, o, a música, ou qualquer questão que chamamos de área cinzenta porque não temos um claro ensinamento bíblico, ‘sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão um só.’  Olhe só o que Paulo está dizendo aqui! Paulo está dizendo que não há problema comer carne sacrificada a ídolo. Percebeu? Ai entra um detalhe muito importante. Há algumas coisas que nós não fazemos e que a igreja diz que não é para ser feito, mas que realmente não tem problema.

Agora alguém pode estar pensando, ‘puxa vida eu não concordo com isto! Eu acho que não pode fazer isto, não pode fazer aquilo. Ir para o cinema é pecado, quem vai para o cinema ou que ouve esta música é porque está longe de Cristo!’

Não estamos aqui ensinando que não é pecado!

Estamos dizendo que  pessoa tem direito de pensar assim. O problema é que as pessoas querem fazer assim: isto é pecado, isto não é pecado. Melhor, quem vai para o cinema reclama, fala mal de quem diz que não pode ir. E quem não vai, fala mal e reclama de quem diz que pode ir. E os dois estão brigando, os dois estão perdendo a razão, os dois não estão se amando.

Paulo ressalta a questão do amor esperando que a igreja viva o amor de Cristo. Ou seja, um pensa ir para o cinema é pecado e outro diz que não e julgam um ao outro. Uma coisa importante a dizer é que o coração do ser humano é jurisdição única e exclusiva de Deus. Eu tenho que parar de ficar me preocupando com a vida do meu próximo se ele faz isto ou deixa de fazer aquilo. É impressionante, toda igreja tem os caça-pecadores! Ele vai atrás do pecador e depois vai até o pastor e pede para reunir a comissão da igreja. E quando a gente lê no Manual da igreja está lá escrito que a disciplina deve ser aplicada para restaurar, mas o acusador só tem o interesse que ela seja punida. 
Quem acha que a sua verdade está certa e tenta impor isto à igreja, seja de que lado ele estiver, ele está errado. Mesmo que esteja do lado certo. É isto que tem que ser discernido no texto de Paulo. Mesmo quem está certo se está tentando impor ou quebrar paradigmas e isto está machucando pessoas, para! Porque você está errado!

Se não tiver amor, não adianta! Se não tiver amor você só vai ter orgulho e soberba.

v.5-6 ‘Pois, ainda que haja também alguns que se chamem deuses, quer no céu quer na terra (como há muitos deuses e muitos senhores), todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual existem todas as coisas, e por ele nós também.’

Paulo reafirma que comer coisas sacrificadas a ídolos não tem problema. Mas, o v. 7 começa com uma conjunção adversativa.

v.7 Entretanto, nem em todos há esse conhecimento; pois alguns há que, acostumados até agora com o ídolo, comem como de coisas sacrificadas a um ídolo; e a sua consciência, sendo fraca, contamina-se.’

Entretanto, apesar de não haver problema em comer coisas sacrificadas a ídolos, porém, todavia, não há este conhecimento em todos. Nem todo mundo entende!

Vamos contextualizar aqui algumas coisas. Se formos analisar os comentários das cartas de Paulo aos da igreja de Corinto em 1 Coríntios, olhe os problemas que eles enfrentavam: Tinha um caso de incesto na igreja (cap.4), processos contra membros da igreja, abuso da liberdade cristã (cap. 6), caos reinante nos cultos da igreja, inclusive na Ceia do Senhor (cap.11). E Paulo responde questões sobre casamento, a vida de solteiro (cap. 7), a questão da comida consagrada aos ídolos (cap. 8), a questão sobre atividades sociais realizadas nos templos pagãos, se a mulher deveria cobrir a cabeça ou não... Percebam que ninguém está preocupado com a salvação!

E isto também acontece em nossas igrejas. Estamos ocupados demais com a regra do pode e não pode. E se eu estou me limitando aquele tem que se limitar também! É um ciclo vicioso. Alguém é tratado com injustiça e a injustiça pode ocorrer às vezes, ele finda sendo injusto com outras pessoas. E espera o mesmo tratamento para outras pessoas.

‘Entretanto, não há esse conhecimento em todos’. Que conhecimento? De que comer carne sacrificada a ídolos não tem problema. De que ouvir a música diferente do outro não tem nenhum problema.

“pois alguns há que, acostumados até agora com o ídolo, comem como de coisas sacrificadas a um ídolo; e a sua consciência, sendo fraca, contamina-se.’

Por alguns terem familiaridade com o processo de sacrifício a ídolos, Paulo diz assim, quando eu como eu nem sei se foi sacrificada a ídolos, mas quem já veio do costume de sacrificar carne a ídolos, desse tipo de religião, acha que isto é um problema. Por exemplo, o pastor André quando era um músico secular tocava rock. Então o pastor André num culto da igreja, por ter familiaridade com o Rock, se ele ouve uma guitarra numa música cantada para Cristo, pode se identificar com a vida que tinha antes e rejeitar aquilo. Todos temos uma experiência de vida antes da igreja e depois da igreja. Mesmo os que nasceram já na fé têm uma experiência de antes da sua conversão e depois da sua conversão.

E tem coisas que você ouve e que ecoam coisas da vida passada e aquilo lhe incomoda. Você quer que a vida passada fique no passado. A gente fica com o ranço de que experimentei isto quando estava no mundo e isto agora é errado. E coloca todo mundo na mesma experiência. Cada um de nós veio de algum lugar. O que eu não posso é achar que a minha história de vida é igual a do outro. E isto muita gente faz. E Paulo chama essas pessoas de pessoas com a consciência fraca na fé. São pessoas que não são fortalecidas ainda no conhecimento de Cristo. Por isso Paulo diz que não há esse conhecimento em todos.

Dependendo de onde você veio você provavelmente se escandalizará com alguma coisa. Se perguntar a cada membro cada um vai dizer que a igreja deveria ser diferente.

É importante ressaltar que Paulo não está contra os fracos. Paulo apenas diz que são fracos, mas não está contra eles. 

v. 8 ‘Não é, porém, a comida que nos há de recomendar a Deus; pois não somos piores se não comermos, nem melhores se comermos.’ Paulo está dizendo aqui que não é o assunto que está sendo discutido aqui que vai levar a salvação.

Paulo está dizendo claramente que não há problemas em comer carnes sacrificadas a ídolos. Estamos aqui falando de coisas que a igreja proíbe e você que está lendo pode achar que não há problema nisto. Mas, o fato de você não ver não quer dizer que não tenha!

Quando viajei para fazer evangelismo na África deparei-me com uma cultura completamente diferente. Era o ano de 2006 e eu estava em Guiné Bissau. A vida lá é muito precária e foi muito interessante o fato de que o único instrumento que eles tinham para louvar na igreja os cânticos do hinário era o tambor.  O que para nós evoca o que conhecemos como Candomblé. Na igreja havia o músico do tambor e toda a liturgia no sábado era feita no som de um tambor. E era a coisa mais linda do mundo!

Mas, eu não posso trazer aquela beleza para as igrejas no Brasil, ainda que ela seja para louvar. Aquele tambor certamente escandalizaria. E isto se chama maturidade. E é isto que Paulo espera que a gente tenha. 

Lá eles tocam tambor, Deus aceita o louvor deles e eles vão para a eternidade com Deus. Se eu trouxer o tambor para cá e tocar na igreja eu vou atrapalhar a mente de algumas pessoas.  A vida espiritual de algumas pessoas. Então se atrapalhar deixa o tambor da África ficar na África e toque o seu pianinho no Brasil porque é isto que as pessoas estão acostumadas. Isto envolve muito a questão cultural.

Isto não quer dizer que em algum lugar uma coisa x pode ser pecado e em outro a coisa x pode não ser pecado. A forma como eu enxergo com meus valores e culturas é que dizem que aquilo não é permissível. O discernimento espiritual me diz então que tem coisas que posso fazer numa determinada igreja e em outra não. Por causa das circunstâncias pode se tornar um tropeço para alguém.

Então, em algum lugar algo pode ser permitido em uma Igreja Adventista e em outra Igreja Adventista não ser. Certamente não estamos falando de coisas que são claras na Bíblia. Todas as igrejas adventistas guardam o sábado. Isto é claro na Bíblia! Não estamos aqui dividindo, desmembrando a igreja. Estamos falando da diversidade que há na igreja e desse contexto da área cinzenta, nas coisas que não estão pontualmente esclarecidas na Bíblia. Nas coisas que envolvem cultura.

Por exemplo, se você for a Cabo Verde verá que um membro pode ser removido da igreja se ele assistir novela. Faz isto no Brasil! Lá isto é motivo até para impedir um batismo! Aqui no Brasil eu posso até lhe dizer que você não deva assistir novela, mas jamais como pastor, o removerei da igreja porque você assiste novelas. É exatamente dessas questões que estamos falando aqui.

v. 9 ‘Mas, vede que essa liberdade vossa não venha a ser motivo de tropeço para os fracos.’

Quem são os fracos? Aqueles que se escandalizam! Os que não entenderam ainda o seu ponto de vista. Então cuide para que a sua liberdade não sirva de tropeço para ninguém.

Paulo está tirando este pensamento diretamente de Cristo registradas em Lucas 17:1 ‘Disse Jesus a seus discípulos: É impossível que não venham tropeços, mas ai daquele por quem vierem! Melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho e fosse lançado ao mar, do que fazer tropeçar um destes pequeninos.’

Então se você quer usar joias, cuidado que isto não venha machucar a mente espiritual de alguém que é fraca. Tropeço é o equivalente da palavra escândalo no grego. Reflita bem, Jesus não falou simplesmente de uma pedra no meio do caminho que poderia fazer tropeçar. Jesus diz que é melhor amarrá-la no pescoço e pular no mar. Tão preciosa é uma vida aos olhos de Cristo! É melhor você morrer a desviar uma pessoa do caminho de Deus.

Em Romanos 14: 13-20 lemos: Portanto não nos julguemos mais uns aos outros; antes o seja o vosso propósito não pôr tropeço ou escândalo ao vosso irmão.

‘Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nada é de si mesmo imundo a não ser para aquele que assim o considera; para esse é imundo. Pois, se pela tua comida se entristece teu irmão, já não andas segundo o amor. Não faças perecer por causa da tua comida aquele por quem Cristo morreu. Não seja pois censurado o vosso bem; porque o reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça, na paz, e na alegria no Espírito Santo. Pois quem nisso serve a Cristo agradável é a Deus e aceito aos homens. Assim, pois, sigamos as coisas que servem para a paz e as que contribuem para a edificação mútua. ‘Não destruas por causa da comida a obra de Deus. Na verdade tudo é limpo, mas é um mal para o homem dar motivo de tropeço pelo comer.’

O que Paulo nos diz é que devemos ser imitadores de Cristo. Leiamos Romanos 15:7 ‘Portanto aceitem-vos uns aos outros, como também Cristo vos aceitou, para glória de Deus.’

Precisamos aqui entender o conceito de santificação. Cada um conseguiu deixar algumas coisas na vida, mas outros ainda não conseguiram deixar. Às vezes são coisas bobas, pequenas, ranço da vida antiga porque a conversão acontece e a santificação é um processo.

Por exemplo, uns dizem assim: Ah, mas aquele irmão toma Coca-Cola. Isto não pode ser! Como ele pode fazer isto?

Julgam e condenam sem misericórdia. Mas onde está escrito na Bíblia que não pode tomar Coca-Cola? E, então cometem suas transgressões e se aproximam de Deus e pedem perdão: Ah, Senhor, perdoa minhas transgressões.

Para as faltas deles eles pedem misericórdia, para as do próximo pedem punição! Cristo tem que ser perdoador comigo, mas com o outro eu não posso ser. Posso taxá-lo como isso ou aquilo e a ele eu não posso perdoar.

Eu quero agora finalizar com 1 Coríntios 8:11-12: E assim por causa do teu saber, pois, perece aquele que é fraco, o teu irmão por quem Cristo morreu. Ora, pecando assim contra os irmãos, e ferindo-lhes a consciência quando fraca, pecais contra Cristo.’

Por causa disto o que não era pecado, virou pecado! Não era pecado, não tinha problema, mas você está escandalizando, fazendo tropeçar o seu irmão.

Você pode dizer: Ah, eu não acho nada demais e faz, sabendo que isto fará sofrer o seu irmão. E agora naquilo onde não havia pecado, agora há, pois fazendo sofrer seu irmão você está ofendendo a Cristo, pois está atrapalhando a obra da salvação na vida desta pessoa.

v. 13 ‘Pelo que, se a comida fizer tropeçar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para não servir de tropeço a meu irmão.’

Agora, coloque o que você quiser ai: se a música, se o cinema, se as joias, a roupa ... Paulo diz: ‘Nunca mais!’ ‘Eu abro mão de uma coisa que gosto para que eu não venha a escandalizar meu irmão, embora eu ache que a princípio não seja pecado.’

A questão, portanto, não é se pode ou não pode, mas se eu amo meu irmão ao ponto de renunciar algo por sua salvação. É se eu aceito meu irmão com amor, apesar da sua imaturidade espiritual. A questão é se você está interessado em que sejam salvas como é o desejo de Cristo ou se está contribuindo para a perdição delas.

Aliás, tem uma frase que escuto bastante: ‘não me acompanha que eu não sou novela’ Acontece que as pessoas olham para você e o que você faz. Vai acontecer um impacto na vida das outras pessoas. Você pode até estar certo, mas não deve empurrar essa sua certeza no coração daquele que ainda não entende. Isto pode destruir uma vida. E isto é um pecado contra Cristo!

E é por isso que não usamos joias!

Há muitas coisas que nós pastores sabemos e não falamos porque não são pontos de salvação, não precisam ser ditas. Não vai agregar a igreja, não vai fazer diferença. Não vai fazer com que as pessoas se aproximem de Cristo.

Não estou falando de doutrinas. Estou falando de alguns detalhes que são até sem grande importância e simplesmente não precisam ser ditos.

Agora me dirijo a você que é jovem e que acha que tem conhecimento. No seu relacionamento com o ancião da igreja e ele está pegando no seu pé por algo, lembre-se desse detalhe, que se o que você pensa em fazer vai causar escândalo é melhor que você coloque uma pedra de moinho no pescoço e se atire no mar.

E se você está com algum problema veja como permitir para que essa situação lhe faça aproximar-se mais de Cristo. Se você tem queixas e acha que a igreja deveria ter a mente mais aberta, preste atenção: A igreja adventista tem problemas, tem dificuldades, mas a igreja adventista não é um problema e não é uma dificuldade. Ela é a igreja de Deus na Terra e não importa em que região ou país você esteja, se alguma coisa que você gostaria que acontecesse na sua igreja e não se encaixa na sua igreja, dobre seu joelho e peça a Deus para tirar isto do seu coração, pois isto pode não edificar a igreja. Você quer crescer com a igreja ou quer trazer problemas para dentro da igreja?

Às vezes a gente quer melhorar a igreja, quer edificar e vai com a espada. Porque a gente quer mudar a mentalidade da igreja. Taxa a igreja de mente fraca e fechada. A gente vai com muita força porque acha que tem que mudar e acaba destruindo as pessoas. Mesmo estando Cristo do seu lado, porque você está certo, por exemplo. Então, o método pode transformar a coisa certa num pecado. Você precisa ter cuidado a respeito disso.

E se você ainda está pensando: ‘Então eu tenho que me privar, deixar de fazer as coisas que eu gosto por causa daquele fulaninho que não entende o que eu entendo?’

É isso mesmo! Você entendeu direitinho este estudo. Deixe-me falar uma coisa para você. Somos chamados para um propósito.

Em 91 o Brasil estava vivendo o processo de impeachment do presidente Collor. Naquele dia ele foi à TV e pedi à população brasileira que se ela o apoiasse vestisse verde e amarelo e fosse para a rua. No dia seguinte o povo brasileiro saiu na rua vestido de preto. Naquele dia vestir preto tinha um significado.  Naquele dia não vestir verde e amarelo tinha um significado.

Naquele dia vestir-se de preto mostrava de que lado você estava. Se você torce por um time de futebol, vestir a camisa do seu time mostra de que lado você está.

Da mesma forma se você é um adventista do sétimo dia você tem que mostrar através de símbolos. Por que eu falo símbolos? Vestir preto hoje não significa nada, mas naquele dia significava tudo.

Então o que significa não ir ao cinema? Talvez você não sinta relevância nisso, mas é a nossa bandeira. São nossas cores. É o que a gente está vestindo. É o que a gente está mostrando para o mundo.

Você que está lendo este estudo, você está sendo chamado para vestir as cores de Cristo. E viver testemunhando do amor de Cristo para as pessoas.

Você tem que andar na contra mão do pensamento. Todos os seus amigos vão para o cinema. Você não tem que andar como todo mundo anda. Você está numa comunidade, numa sociedade alternativa criada por Cristo Jesus. Você tem que se privar de algumas coisas sim. E nesta sociedade há muitos do seu lado que se virem você entrando no cinema não vão entender. Vão ficar se questionando por que esse jovem adventista está entrando no cinema se há anos temos feito o contrário? A questão aqui não é se é certo ou errado. A questão é o impacto dos seus atos sobre as pessoas que estão ao seu redor.

Você tem que se lembrar que a divisão é algo que parte da mente de Satanás. Ele dividiu o Céu. Ele dividiu conceitos com relação ao caráter de Deus, a quem Deus é e ele faz isso hoje também. Então se alguma coisa que eu quero fazer vai causar alguma divisão na igreja, tenho que pensar porque todos nós aceitamos a Cristo como Salvador e somos a luz do mundo e a luz não veio para dividir, ela veio para somar. Então, se alguma coisa que eu vá fazer vai causar alguma divisão na igreja, é melhor que eu não faça!

Se a sua atitude vai dividir a opinião com alguém, vai deixar alguém com a fé enfraquecida, deixa para lá! O que vai mudar na sua vida se você não for ao cinema?  O que vai mudar na sua vida se você não usar joia? 

A vida cristã é uma vida em comunidade. Quando você abrir mão do seu interesse por causa do seu irmão, por amor ao seu irmão, você se parecerá mais com Deus. Comprometimento. Essa é a palavra. Você pode até deixar num segundo plano o nome da igreja porque o seu compromisso é com Cristo. Se você errar, se você pecar você automaticamente vai para os pés de Cristo. Você vai pedir perdão e deixar que o Espirito Santo reformule sua vida. Porque você é comprometido com Cristo. Esse comprometimento faz com que eu deixe algumas coisas que podem até nem ser pecado, nem ser prejudiciais na minha vida física, moral ou espiritual, mas que num contexto podem acabar atrapalhando alguém, fazendo alguém tropeçar, criando um escândalo com alguém.

Então meu compromisso com Cristo é tão grande que eu prefiro renunciar algumas coisas que até gosto para o bem comum das pessoas que Cristo ama.

Você não deve se sentir limitado, pensando ‘ai vou ter que sacrificar ... Vou ter que abrir mão das minhas coisas!’ Não! Sabe o que você está fazendo? Você está salvando a vida de alguém! Você está participando do Reino de Deus como uma pessoa ativa, como alguém que se assemelha a Cristo, que quer parecer com Ele. E quando você abre a mão de fazer alguma coisa ou de defender uma ideia que você tanto quer é nessa hora que você parece tanto com Jesus.

É por isso hoje que você vai ter que escolher o que você estará colocando no seu pescoço, joias ou uma pedra de moinho?


Pastores André Silva, Diego Barreto e José Flores Junior



Indicamos:





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

O Rio Jordão: As Águas de Naamã