O Retorno de Jedi

Este texto é uma transcrição adaptada do BibleCast 62. Você pode ouvir o podcast original aqui. Lembrando que o tema começa no tempo 16:42.

“Revisando o que até aqui aprendemos é preciso saber que tão certo quanto o diabo tem uma estratégia contra os planos de Deus, já dizia Jó: ‘Bem sei que tudo podes, e que nenhum dos teus planos pode ser frustrado! ’ (Jó 42:2). Não tenha medo porque eis O Retorno da Esperança.”


Descobrimos no primeiro e segundo estudos que para o desespero da raça humana estávamos chafurdados no pecado e que Deus, então, nos enviou uma nova esperança.  No terceiro estudo descobrimos que, embora Deus tenha providenciado uma nova esperança para nós, o Império do mal contra atacou, fazendo com que essa esperança fosse tirada de nós. Vimos que a verdade acerca de Cristo, e Seu Santuário e aqueles que habitam no Céu foi lançada por terra, e prosperou na vida de muitas pessoas.




Hoje temos como tema de estudo O Retorno de Jedi, seguindo à sombra da saga Guerra nas Estrelas. Só para matar a saudade da série do cinema Star Wars, você sabe que os jedis foram mortos, dizimados, e houve uma ruptura, mas nasceu uma nova esperança quando surgiu o garoto Skywalker. O Império contra atacou, mas no final Luke completou o treinamento de Jedi e há o retorno de Luke.

Na nossa metáfora, seguindo a do filme, surge uma esperança, mas ela é tirada e depois ela volta com tudo. Na Guerra nas Estrelas de verdade, no Grande Conflito de verdade, o que aconteceu foi isso. Deus deu uma solução para o nosso problema e Satanás arrancou essa solução de nós e Deus volta agora com tudo de um jeito que não dá para o Império sobreviver.

Quando dizemos que Deus volta com tudo, queremos deixar claro que a verdade acerca de Deus é a doutrina que prega Cristo da forma correta. Sobre a doutrina errada você pode ler aqui neste estudo. Relembrando que esta forma errada diz que ainda há um santuário aqui na Terra, que a salvação é pelas obras e que temos ainda um intercessor entre nós e que este não é Jesus Cristo, mas um sacerdote terreno. 

Agora o pensamento correto retorna a vida, por isso o tema de hoje é o Retorno de Jedi. Para falarmos desse tema vamos para o livro de Hebreus. Inicialmente, vamos lembrar que foi desespero de Satanás tentar fazer as pessoas acreditarem que a salvação seria através de mediadores terrenos e que dar-se-ia pelas obras e não pela fé. Portanto, uma religião que busca salvação nas obras e não em Cristo Jesus e nos méritos dEle. E dessa maneira o inimigo criou um caminho alternativo que nos é mais conveniente, porque ele atrai para o lado negro da humanidade: a meritocracia. Gostamos desse negócio de mérito, porque se eu consigo eu posso me orgulhar. E se alguém não consegue eu posso apontar o dedo para ela ou se eu mesmo não conseguir posso me punir. Assim volto novamente a me orgulhar porque afinal de contas eu sou uma pessoa justa, me puni etc. e tal.

Então, o lado negro do ser humano, a nossa natureza quer esse negócio do mérito, ela quer essa salvação pelas obras. E Satanás cria esse caminho alternativo, usando a própria religião de Deus. Por isso, ele blasfema contra Deus. Ele tenta tomar o Seu lugar. Ele atinge o Santuário que está no Céu, quando tira do Santuário Celestial a prerrogativa de nos salvar substituindo então com seu modelo alternativo de santuário terrestre. Isto é feito através de um sistema terrestre de ‘expiação’. Na prática, através da missa (sacrifício) diária, num sacerdote (padres) na Terra, etc.

Não estamos aqui criticando uma religião, uma igreja, mas sim o espírito de salvação pelo próprio mérito que pode ocorrer em qualquer igreja, até mesmo na igreja adventista. Muitos adventistas entendem esse negócio de guardar a lei de maneira equivocada, numa dimensão de mérito.

Se você, adventista e está nessa dimensão de ser salvo porque guarda os mandamentos você está do lado erro. Ninguém é salvo pelas obras, isto é, por mérito próprio. Somos salvos pela morte substitutiva de Cristo, por Sua graça. Somos salvos, porém para a obediência. Jesus disse que se O amássemos guardaríamos os Seus mandamentos. Nossa obediência testemunha a nossa salvação.

Não que para conseguir emprego você não precise disso, de mérito. Acontece que o assunto aqui é salvação. Então, o problema que estamos falando aqui não é você ficar olhando para uma igreja e ficar falando “ah o padre fez isso” ou “o pastor é aquilo”! É muito maior! Por exemplo, se o padre fez alguma coisa errada isso não tira a verdade de uma igreja, a não ser que a igreja ensine e recomende ao padre fazer o que é errado.

Em todas as igrejas há transgressores, pecadores, padres, pastores. Há hereges em todas as religiões. Quando se ouve falar que um padre abusou de uma criança, ele é afastado. A Igreja Católica Romana não ensina isso. Então, o problema da igreja não é esse.

“Ah, mas olha só o que o pastor fez comigo”! Esse pastor teve essa conduta errada, então. Não a igreja! Não é o ensinamento da igreja.

Acontece que nesse estudo estamos falando do ensinamento da igreja. Então, se a igreja ensina a salvação por mérito, é disso que estamos falando. Lembre! O mundo estava perdido, deitado no lençol do mérito e coberto com o cobertor do orgulho próprio. As pessoas para buscarem a salvação achavam que tinham que fazer coisas, é por isso que precisamos do retorno da doutrina verdadeira sobre Cristo, o Retorno de Jedi.

Vamos começar nosso estudo por Hebreus 6: 17-7:3.

“Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade do Seu propósito, se interpôs com juramento, para que mediante 2 coisas imutáveis nas quais é impossível que Deus minta,  forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da esperança proposta; a qual temos por âncora da alma, segura e firme que penetra além do véu, onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.

Porque esse Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando voltava da matança dos reis, e o abençoou, para o qual também Abraão separou o dízimo de tudo (primeiramente se interpreta rei da justiça, depois também é rei de Salém, ou seja rei de paz; sem pai, sem mãe, sem genealogia; q não teve princípio de dias, nem fim de existência, entretanto feito semelhante ao Filho de Deus), permanece sacerdote perpetuamente.”

A Bíblia diz que Cristo é Sumo Sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque. Mas, por que Cristo é sacerdote da ordem de Melquisedeque? E quem é Melquisedeque? A Bíblia fala que ele não tem pai, não tem mãe, nem princípio de dias, será que Melquisedeque seria o Espírito Santo? Vamos ver em Gênesis 14:18-20.

Na história Melquisedeque é rei de Salém – que significa paz – Shalon que vai se tornar a cidade de Yerushalon – Jerusalém no futuro (depois da conquista de Davi). Antes de se tornar Jerusalém ela é dos Jebuseus, é uma cidade pagã.
“Então Melquisedeque, rei de Salém e sacerdote do Deus Altíssimo, trouxe pão e vinho e abençoou Abrão, dizendo: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, Criador dos céus e da terra. E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou seus inimigos em suas mãos. E Abrão lhe deu o dízimo de tudo.

Sacerdote do Deus Altíssimo num período abrâmico?

Além dele abençoar Abrão em nome do Deus Altíssimo, ele louva o Deus Altíssimo e recebe dízimo de Abrão, quer dizer que Abrão o reconhece como maior que ele.

Hebreus 7:4 “Considerai, pois, como era grande esse a quem Abraão, o patriarca, pagou o dízimo tirado dos melhores despojos.”

Para entendermos a grandeza de Melquisedeque é preciso entendermos quem era Abraão, considerando a mente do judeu. Abraão é simplesmente “o cara”, o maior de todos. Pai Abraão, ou seja, as tribos dos judeus, de Israel são filhas de Abraão. Vamos entender o contexto do livro de Hebreus.

Esse livro foi escrito num período depois de Cristo e a pregação era a seguinte depois de Cristo: vocês não precisam mais matar o cordeiro, nem levar nenhum sacrifício ao santuário terrestre, porque o véu foi rasgado e o santuário terrestre não tem mais valor e sim o Santuário Celestial. E muito provavelmente essa carta foi escrita aos judeus convertidos ao cristianismo que moravam na cidade de Jerusalém. E então temos um grupo de pessoas crendo em Jesus, mas tendo que sair da tradição judaica de matança de cordeiro, algo muito difícil. As pessoas precisavam manter essa firmeza, porém, com o passar do tempo, esses hebreus começam a desanimar da fé cristã e começam a retornar para o culto no templo, visto que o ritual não havia parado (apesar de ter perdido o valor continuava sendo realizado) com a morte de Cristo, os judeus não entenderam Cristo como o sacerdote. Paulo e os apóstolos, entretanto compreenderam isso e pregavam para parar, só que os cristãos de Jerusalém, estavam retornando as antigas práticas do templo, por isso é enviada a eles essa carta para dizer a eles o seguinte: “gente o Santuário está no céu e Cristo é o sumo sacerdote, esse sumo sacerdote que vocês veem na terra não precisam mais olhar para ele”, mas há uma dificuldade de mudar a crença no coração, mais ainda, mudar uma tradição ancestral, mitológica.

Tudo funcionava direitinho até que um dia veio um carpinteiro, sabe aquele que arrumou o sofá da sua casa? Então de repente aquele cara que arrumou o sofá da sua casa é Deus, aí tudo bem você tá firme, mas então Ele morre na cruz como ladrão. Aquele cara que arrumou o sofá da sua sala é mandado para cadeia e para a pena de morte e tem um grupo dizendo que Ele é Deus. E quem O manda para a cadeia é o povo da igreja, os pastores da igreja, porque Ele quebra a tradição antiga. E tem mais, Ele vem com umas conversas muito diferentes, é morto e tem um texto na bíblia que fala “maldito aquele que for pendurado num madeiro”, e Ele foi morto exatamente assim. Gente não é fácil para o judeu virar cristão. Assim como você pode olhar para a igreja adventista e dizer “não é possível, agora vem esses camaradas dizendo aí de guardar sábado, que história é essa? Manda tudo pra cadeia esse povo é louco”.

Aí vem Paulo dizendo “gente não precisa mais ir ao Santuário, porque Cristo é o Sumo Sacerdote no Santuário Celestial, e Ele também é a vítima, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, não precisa mais matar cordeiro. Então, surge uma questão: se Jesus é sacerdote, e se todo sacerdote é da tribo de Levi, e Jesus era da tribo de Judá, como pode isso?

Então vem a carta aos Hebreus para explicar isso dizendo que Jesus é o Sumo Sacerdote sim, e tem mais Ele é segundo a ordem ou segundo a maneira de Melquisedeque que é anterior a Abraão. Portanto, se existe um sacerdote antes de Abraão, então não podemos limitar o sacerdócio aos levitas que são pós abrâmicos. Por exemplo, quem é o pai de Levi? Abraão. Quem é o maior de todos na cabeça do judeu? Abraão. E Paulo, que consideramos o escritor de Hebreus, vem com o raciocínio dessa maneira, Abraão era o maior de todos, pai de Levi, maior que os levitas. Só que Abraão que era maior de todos devolve o dízimo para alguém maior do que ele que é Melquisedeque. Outro fator importante nesse momento Abraão ainda se chamava Abrão, e não havia realizado a aliança com Deus, portanto antes dele havia Melquisedeque.

O autor de Hebreus tenta abalar as estruturas do judaísmo para explicar o que Jesus estava realizando no momento, por isso que Jesus é sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, porque este está acima dos levitas, não tem pai, mãe, nem genealogia, ou seja, não está ligado aos levitas, incircunciso, que não tem nada a ver com o povo de Israel.

As genealogias eram muito importantes, dê uma olhada em Esdras 8. É tão imprescindível que tinha a lei do levirato para manter o nome vivo. Ou seja, se o homem morre sem deixar descendência a mulher viúva e sem filhos pode casar com o irmão dele e o primeiro filho da união deles receberá o nome do irmão morto para que o nome dele não se apague na história de Israel.

Se você quiser entender um pouco mais sobre a lei do levirato assistam o BibleCast 9 - A Justiça e a Paz se Beijaram! http://soundcloud.com/heroisbc/biblecast-9-a-justi-a-e-a-paz.

Resumindo, Paulo queria dizer que Jesus não era levita de propósito, porque assim como Melquisedeque era maior, Jesus é como ele, segundo a ordem de Melquisedeque, Ele é sacerdote para sempre. Semelhantemente quando os fariseus chegaram para Jesus e Lhe perguntaram se Ele pagava imposto, e visto que sim, então desacreditavam que Ele era profeta. Então, Jesus demonstra um milagre tirando uma moeda da barriga de um peixe para pagar o imposto, mostrando assim sua divindade. Se você pensa que Jesus está indo com a varinha Ele já está voltando com o angu. Mateus 17:27

O camarada questiona que Jesus não é da tribo de Levi, e Paulo responde: Ele não é mesmo, porque se Ele fosse teria muita gente maior que Ele: Jacó, Isaque, Abraão e ainda Melquisedeque, ou seja Melquisedeque é sacerdote para sempre . Jesus é sumo sacerdote para sempre porque a genealogia não limita o sacerdócio de Cristo. Limitava o sacerdócio terrestre.

Às vezes nos apegamos às formas: “tem que ser levita”, “tem que ser assim”, e Jesus Se apresenta para nós não da forma como você imagina muitas vezes. Jesus é o nosso Sumo Sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque e por Ele ser para sempre, é muito maior que Levi.

Essa verdade estava esquecida, havia sido lançada por Terra, e assim foi por muito tempo. Nesse momento estamos usando o livro de Hebreus que auxiliou os judeus a entenderem estas verdades no tempo deles para nos explicar a função de Cristo agora, por trás do véu.

Por isso, que o episódio de hoje se chama o retorno de Jedi. Cristo tem que retornar em sua vida, você tem que ver a Cristo como Ele é, o Sumo Sacerdote da sua vida, como aquele que perdoa seus pecados.

I Timóteo 2:5 : “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.”

Esse texto muitas vezes é passado despercebido, mas a bíblia é clara, diz assim, entre nós e Deus só tem um mediador, um intercessor, um advogado que é Jesus. Ele é o Sumo Sacerdote, é o único, o que resolve nossos problemas, perdoa os pecados. Criaram vários mediadores por ai.

E várias coisas para mediar, por exemplo, um mediador muito famoso e conhecido é Santo Antônio, porque dizem que ele intercede por aqueles(as) que não conseguem se casar. É o santo casamenteiro. Ou seja, se você não consegue se casar, com quem você fala? Santo Antônio, ao invés de falar com Deus diretamente. Santo Antônio acaba fazendo a parte de intermediar sua necessidade para Deus. E se você estiver com pressa você pode dar uma passadinha no Santo Expedito, porque ele é o Santo das causas urgentes.

Agora tem um detalhe, tem um intercessor que é brasileiro: Frei Galvão de Guaratinguetá. Ele intercede para aquelas que querem ficar grávidas. Olha só, se você quer ter filho rápido, está solteiro fala com os três.

Agora, veja só como é o processo para uma pessoa se tornar santa: Estas são as várias etapas: realizar um milagre comprovado, por exemplo Frei Galvão. Ele fez uma pessoa ficar grávida, e ela não podia, era comprovado que ela não podia ter filhos. Ela ficou grávida pela intercessão dele.

Então, 1 milagre comprovado = beato, 2 milagres comprovados = santo. Agora faço uma pergunta segundo a visão bíblica de santidade, Santo Antônio, Santo Expedito, Frei Galvão podem ser santos mesmo? Sim.

Mas o que faz deles santos? São os milagres que realizam? Não. A pessoa na bíblia é considerada santa se ela está em Cristo Jesus. Em Apocalipse 14:12 “Aqui está a paciência dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e tem a fé em Jesus Cristo”. Então, quando Paulo escreve sua carta aos coríntios, referindo-se aos santos, mas isso não quer dizer que eles eram pessoas perfeitas, sem pecado... Muito pelo contrário, a igreja de Coríntios era uma igreja com pecados horríveis.

Então, não são santos porque não faziam coisas erradas. Não são santos porque faziam milagres e muito menos não são santos porque intercedem.

Essa ideia de intercessão surgiu no período em que a verdade sobre Jesus como o único intercessor foi lançada por terra. Não estamos condenando Santo Antônio, ele pode estar no céu de Deus, salvo no sono da morte, mas o que as pessoas dizem dele depois que ele morreu é que ele é o intercessor. Outro ponto a lembrar é que quando dizemos que ele pode estar no Céu de Deus não significa dizer que ele está vivo no céu hoje, agora. Para entender isto assista o BC 14 Descanse em Paz.

Ele pode ser uma pessoa salva em Cristo, o problema é o que as pessoas dizem dele depois que ele morreu, que ele é o intercessor. Entretanto, ele não tem responsabilidade sobre o que as pessoas dizem sobre ele.

E o que é mais grave, afirmam que existem vários intercessores. Aí é que está o erro! Tanto na igreja católica, como na igreja protestante! Tem igreja em que o pastor é consciência para as pessoas, que não fazem nada sem perguntar para ele, isso pode, pode aquilo, etc. É claro que existem coisas que você pode não saber muito bem, mas o problema é a dependência.

Outra coisa que se tornou comum também nas igrejas pentecostais está relacionado à cura. Membros de uma determinada igreja compram o lencinho suado do pastor para a cura desejada. Como vemos há várias maneiras de substituir a função de Cristo.

Tem gente também que acha que quando alguém comete um pecado, é preciso a condenação publica do transgressor, ou seja, tem que ser disciplinada a todo custo, mas aí é a igreja que perdoa não Cristo!  Quando a pessoa comete um pecado que ninguém esta vendo, não deve ser contado e punido publicamente, como alguns pensam. Na verdade, pode pedir perdão diretamente a Jesus em particular.

Hebreus 4:14-16: “Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão. Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.”

Podemos ir confiantes junto ao trono da graça, porque esse sumo sacerdote é o Filho de Deus. E Ele Se compadece das nossas fraquezas, visto que Ele mesmo foi tentado em todas as coisas. Ele sabe o que é a tentação.

Essa ideia de alguém intercedendo vem do medo de Deus. Você não fala diretamente com Ele e pede para alguém intermediar. Maria, por exemplo, tem uma imagem mais de mãe, com carinho, afeto e Deus acaba sendo pintado como uma imagem de cruel e terrível que precisa alguém pedir para Ele perdoar. Tem que vir um humano, alguém que calçou o nosso sapato. A Bíblia nos diz que Jesus sabe exatamente o que passamos aqui. Ele sabe o que é tentação e Ele é o Sumo Sacerdote, e você pode falar diretamente com Ele. Ele é único!

Ele iguala tanto Jesus a nós que no final do verso é preciso ressaltar “mas sem pecado” para você não confundir as coisas. Paulo deixa claro que quem está intercedendo é um humano, Jesus que é Deus também. Assim, se você tem outro intercessor, isso é uma blasfêmia! Isso é deitar a verdade por terra e prosperar. Você precisa se tornar amigo de Jesus, amigo de Deus, porque Ele é seu amigo. Ele andou por onde você andou. Ele sabe quem você é e, além disso, ainda está ansioso para perdoar e voltar a ser o Sumo Sacerdote da sua vida, e você o que vai fazer? Continuar fugindo de Deus? Longe? Com medo? Não devemos ter medo dEle, podemos nos achegar confiadamente, achegue-se, então, junto ao trono da graça de Deus.

Pastores Diego Ignácio e José Flores Junior



Série Santuário           

. 60.a - Uma nova Esperança - Parte 1 

. 61 - O Império contra ataca - Parte 3


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

5º Dia: Unges a minha cabeça com óleo e o meu cálice transborda

O Rio Jordão: As Águas de Naamã