Como vestir a armadura de Deus: um apelo à vida de oração

Este texto é uma transcrição da mensagem proferida pelo Rev. Augustus Nicodemus na Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia e que você poderá assistir aqui 

“Finalmente, fortaleçam-se no Senhor e no seu forte poder. Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes contra as ciladas do Diabo, pois a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais. Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de terem feito tudo. Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça e tendo os pés calçados com a prontidão do evangelho da paz. Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno. Usem o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus. Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos. Orem também por mim, para que, quando eu falar, seja-me dada a mensagem a fim de que, destemidamente, torne conhecido o mistério do evangelho, pelo qual sou embaixador preso em correntes. Orem para que, permanecendo nele, eu fale com coragem, como me cumpre fazer.” (Efésios 6: 10-20)

Paulo está nesta passagem terminando a carta que ele escreve a igreja de Éfeso e a outras igrejas, lembre-se que esta era uma carta circular. Ela deveria ser lida em algumas igrejas que estavam localizadas ali na região da Ásia. Região por onde Paulo passou e para onde ele havia enviados obreiros para a pregação do Evangelho.

O alvo de Paulo com esta carta era falar com eles a respeito do privilégio que temos em Cristo Jesus, o que é a igreja, e também dos deveres que temos como consequência. A motivação foi que Paulo ouviu que os crentes da cidade de Éfeso e da região tinham ficado preocupados com a prisão dele. Paulo era o fundador da igreja naquela região. Paulo era o pai espiritual deles e os crentes estavam preocupados e levantando perguntas que eram corretas e válidas:

‘Por que Deus mantem na prisão o Seu servo quando há tanto trabalho a ser feito?’

‘Por que Paulo, um homem santo e apóstolo, está sujeito a este sofrimento em Roma numa prisão?’

Paulo responde para eles que o sofrimento dele faz parte do plano eterno de Deus para a Sua igreja. Afirma que está preso porque ele está anunciando o mistério de Deus que é Cristo. Cristo entre os gentios. Cristo para o mundo. Cristo como o Salvador de todas as nações e não somente dos judeus. Isto motivou a parte dos judeus que tinham ficado com inveja, com ciúmes e por conta disto ele estava agora preso. Portanto, ao invés de ser um motivo de preocupação a prisão de Paulo era motivo de gratidão a Deus. Afinal, ele estava preso porque estava fazendo a vontade do Pai.

Então, na primeira parte da carta Paulo expõe como Deus na fundação do mundo elegeu um povo por quem Jesus Cristo veio morrer e que foi chamado pelo Espirito Santo através da Palavra. E em seguida ele ora por este povo, capítulo primeiro. Em seguida, no capítulo 2, ele fala como Deus em Cristo uniu judeus e gentios através do Evangelho. A graça de Deus chama pecadores de entre estes dois povos e os constitui num novo homem, numa nova entidade que é a igreja.

No capítulo 3 ele fala do seu papel nisto, como Deus o chamou e o constituiu como pregador desta verdade. Deste mistério que estava oculto, mas agora foi revelado. Afirmou que os gentios agora fazem parte desta nova entidade, deste povo que Deus está trazendo à existência através do Evangelho. E então ele ora novamente por seus leitores, capítulo 3 do verso 14 em diante. E a partir do capítulo 4 ele começa a falar quais são os deveres deste povo que Deus chamou, perdoou e abençoou como filho. Ele fala da necessidade de mantermos a unidade, capítulo 4 do verso 1 à 6. De usarmos nossos dons espirituais e talentos para a edificação da igreja, capítulo 4 do verso 7 à 16. E da necessidade de vivermos uma vida santa aqui neste mundo em oposição à vida daqueles que não conhecem a Deus. Isto está do verso 17 até o 21. Quando, então, ele começa a falar dos deveres do casal, marido e mulher. Dos pais e dos filhos e dos empregados e patrões, como coroamento desta vida santa. Dessa expressão da vida no Espírito.

E ele termina a carta no capítulo 6 dizendo: quanto ao mais, irmãos, sedes fortalecidos no Senhor, na força do Seu poder. E tomem toda a armadura de Deus porque tudo isto que eu falei: os privilégios, as bênçãos e os deveres. Vocês não vão experimentar estas coisas de maneira fácil porque há inimigos. Vocês enfrentarão dificuldades no dia a dia para experimentar esta redenção, esta comunhão, esta alegria, esta unidade e exercer os dons espirituais, viver uma vida santa. Vocês vão encontrar muita dificuldade, pois os nossos inimigos não são pessoas de carne e osso. Embora quando Paulo escreveu estas coisas ele estava preso em Roma. Preso por instigação dos judeus. Preso por determinação das autoridades romanas, aguardando o julgamento do imperador romano.

Porém, Paulo sabia que o verdadeiro inimigo dos cristãos e da igreja não eram pessoas como os romanos. Os soldados e o imperador que o mantinham preso na sua casa. Mas, eram principados e potestades. Poderes espirituais da maldade. Eram demônios sob a liderança de Satanás. O Diabo, o adversário, o acusador! São eles que se levantam contra a igreja para impedir que aqui neste mundo os planos de Deus se concretizem. Paulo, então, do verso 10 ao 20 nos fala deste conflito de natureza espiritual. E ele nos diz que como um soldado se prepara para a batalha tomando a armadura, os cristãos também devem tomar a armadura que Deus provê para que possa enfrentar estes inimigos que são mais poderosos do que nós.

Em que consiste essa armadura e como podemos nos vestir dela? Em termos práticos, o que significa no dia a dia tomar a armadura de Deus?

Vamos seguir a ordem que Paulo repete três vezes na passagem do verso 11 ao 14:

Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes’. A ordem é fiquem firmes, em pé! Como um soldado que está montando guarda e em posição de defesa. Esta ordem é extremamente importante para nós porque Paulo nos mostra que essa guerra é uma guerra de defesa. É a igreja e os cristãos que estão sob ataque. Os poderes espirituais do mal estão vindo contra a igreja. E o que a igreja tem que fazer é ficar firme como um soldado que está postado numa posição estratégica. A igreja já venceu e está sobre um território conquistado. E está pronto para repelir o inimigo que vem tentando conquistar ou reconquistar o seu terreno.

Isto é muito importante porque há um movimento no meio evangélico chamado Movimento de Batalha Espiritual, que nasceu na década de 80 e afirma que a igreja tem que partir para o ataque. Diz que a igreja tem que sair atrás dos demônios. Saber onde se escondem, quais os seus nomes, quais suas atividades, quais seus planos para destruir a igreja, etc.

Ministérios inteiros foram desenvolvidos nestas igrejas a partir disso. Pastores que são especialistas em desentocar demônio. Em amarrar demônio, em decretar a queda de demônio. Fazer mapeamento espiritual para saber onde os demônios estão.

Na verdade quando a Bíblia fala do conflito com esses espíritos maus ela sempre fala do ponto de vista da defesa. Por exemplo, quando descreve o Diabo como um leão adverte para a respeito do seu ataque, como alguém que ruge procurando a quem atacar. É o leão que está vindo. Não sou eu que parto para cima do leão! É uma luta de defesa. O que tem que ser feito em termos de vitória já foi feito. Não foi eu, nem você, Cristo já venceu! Não foi o homem com suas amarrações e decretações. Quem venceu o inimigo foi Cristo na cruz do Calvário. Ele despojou os poderes, principados e potestades. Ele destruiu aquele que tem o poder da morte. Ele amarrou o homem valente. Ele está amarrado sim, mas já fazem mais de 2000 anos. Quando Cristo amarrou Satanás, no sentido de que lhe impôs uma derrota severa.  Ao ponto tal que o Diabo não pode mais impedir o avanço da igreja no mundo! Ele não pode impedir que o Evangelho seja pregado a todas as nações. Agora o Evangelho vai a todo o mundo porque na cruz Jesus esmagou a cabeça da serpente. Você sabe o que acontece quando você mata uma cobra. Você esmaga sua cabeça e o corpo ainda fica se movimentando. O que você vê são os estertores de uma cobra fatalmente golpeada na cabeça. Jesus esmagou a cabeça da serpente da cabeça. A posição é de vitória! Estamos em Cristo vitoriosos. Em Cristo Jesus já vencemos. O Diabo está vindo, mas será para causar o maior problema possível.

Fiquem firmes, pois vocês já venceram. Apenas fiquem firmes porque o Diabo ainda continua um inimigo poderoso.

Há uma ilustração do tempo da segunda guerra mundial conhecida como o Dia V e o Dia D. Quando os aliados quebraram a espinha dorsal do nazismo os combatentes chamaram o dia de o Dia D. Este foi o dia que definiu a guerra. O inimigo sabia que estava derrotado, então partiu para causar o maior mal possível. O Dia V chegou algum tempo depois quando o inimigo finalmente se rendeu.

Estamos vivendo entre o Dia D e o Dia V. Estamos esperando o dia da vinda do nosso Senhor Jesus Cristo. O dia da vitória quando, então definitivamente, de uma vez por toda, Satanás será lançado no lago de fogo e enxofre e com ele todos aqueles que andam segundo as suas tentações e propostas e as suas obras. Até esse dia temos que ficar firmes. Como cristãos individuais, como igreja Deus defendendo destes ataques constantes que são feitos pelo Diabo e seus anjos. Esses ataques vêm de diversas maneiras. Aqui nesta passagem Paulo menciona no verso 11 as ciladas do Diabo e no verso 16 os dardos inflamados do maligno.

Através de armadilhas, através de setas incendiárias, através de muitos recursos da sua mente, Satanás procura enredar os irmãos, desviar a Igreja da verdade e leva-la cada vez mais para longe de Deus e assim causar o maior dano possível na humanidade antes da sua derrota final. Essa verdade aqui lança luz sobre esse movimento tão forte nas igrejas evangélicas que veem a batalha espiritual basicamente como libertação das pessoas das doenças, aflições, enfermidades e calamidades que as pessoas causam nelas. O foco é libertar as pessoas da doença, do desemprego, do desamor, do casamento que não funciona mais. Então, você vai para essas igrejas e você tem terapias disso, terapias daquilo, culto de libertação da doença, culto para curar! Como se a arma contra o Diabo fosse somente o nosso corpo! O Diabo não está interessado em nosso corpo. Ele é capaz de deixar você ficar saudável, bonito e rico desde que você acredite, por exemplo, na mentira que lhe afasta de Deus! A luta é pela mente! O Diabo quer corromper a verdade, por isso que a maior arma dele é o erro religioso.

A Bíblia nos adverte mais contra os falsos profetas do que contra os demônios. É só fazer um teste, leia o Novo Testamento! A Bíblia nos adverte muito mais contra os falsos profetas do que contra os demônios. Porque o verdadeiro inimigo da Igreja é o erro! É o erro religioso. É você crer numa mentira a respeito de Deus, a respeito de Cristo, a respeito da salvação. Porque isto pode não prejudicar seu corpo, mas vai lhe lançar sua alma no inferno1! Então, ele está muito mais interessado de que você creia na mentira, por isso ele vai fazer o possível para afastar você de Deus.

‘Portanto, sujeitai-vos a Deus. Resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós!’ (Tiago 4:7)

Setas incendiárias... No caminho, se ele puder fazer, ele vai colocar umas doenças em você. Porque ele veio para matar, roubar e destruir. Mas, o alvo dele é corromper a sua mente. E quando ele não pode destruir a vida de um crente verdadeiro, porque Deus nos sustenta, ele faz com que o crente fique cheio de dúvidas. O Diabo não pode impedir que você caminhe até a sua salvação, mas se ele puder colocar pedrinhas no seu sapato ele vai colocar. Todos sabemos do quanto é difícil caminhar com pedrinhas no sapato!

Ele não pode impedir sua caminhada até Jesus. Mas, o que ele puder fazer para tornar nossa caminhada dura, ele fará. O que ele puder fazer para atrasar sua jornada e torna-la dura e que seja um tropeço para você e para outros ele vai fazer isso! Essa é a luta. E por isso a ordem: ‘Fiquem firmes porque o inimigo vem. E ele vem mesmo!’ E ele não aparecerá diante de nós como ele é pintado na imaginação popular como um diabão vermelho com dois chifres e um tridente. A Bíblia diz que ele se transfigura em anjo de luz. Ele vem, então, de uma forma que você menos imagina e contra a qual você está menos preparado.

Agora, para ficar firme você tem que tomar a armadura de Deus. (v.14). Há uma jogada aqui na língua grega, mas, do jeito que Paulo construiu a frase aqui ele queria mais ou menos dizer o seguinte: ‘Fiquem firmes. Depois de vocês terem vestido a verdade, a couraça da justiça, calçado os pés’, ou seja, ele está explicando como é que a gente pode ficar firme. A gente fica firme tomando a armadura de Deus. Não tem outra maneira! Você só pode ficar firme depois que você tomar a armadura de Deus.

O que significa essa armadura e então tomar essa armadura?

Se você ler os comentaristas e ler as notas de rodapé da sua Bíblia você pode perceber que há duas interpretações aqui sobre a armadura de Deus. Algumas pessoas vão dizer que essa armadura são as qualidades éticas que você tem que abraçar e que impedem que o diabo vença você. Por exemplo, no verso 14 Paulo diz assim:cingindo-se com o cinto da verdade’, ou seja, se você sempre falar a verdade o diabo não vai ter do que lhe acusar. O diabo não vai mexer com você porque ele é o pai da mentira. Se você é uma pessoa que sempre diz a verdade você é uma pessoa que não vai dar brecha para o diabo. Ou então, como está no verso 14: ‘vestindo a couraça da justiça’. Dar a cada um o que lhe é de direito. Ser justo com as pessoas. Então se você for uma pessoa justa você estará protegido contra Satanás.

A outra linha de interpretação diz que estas qualidades que estão descritas aqui não são virtudes nossas, mas o que Cristo conquistou na cruz para nós a ponto de que alguns intérpretes dizem que a armadura é o próprio Cristo. Então, quando Paulo manda que tomemos a armadura de Deus, na verdade ele está dizendo se revista de Cristo porque somente assim você vai resistir a satanás.

No verso 10, se voltarmos para o inicio da seção, encontraremos a chave para o que seria a interpretação que entendo ser a segunda: “... fortaleçam-se no Senhor e no seu forte poder”. Paulo diz para nos fortalecermos no poder de Cristo. E no verso 11 diz : ‘revesti-vos de toda a armadura de Deus’.

O que você tem aqui é um paralelo. Revestir-se de toda a armadura de Deus é fortalecer-se no Senhor e na força do Seu poder. Logo a armadura de Deus é Cristo e tudo aquilo que Ele conquistou para nós. O poder que vem dEle! Por isso quando a gente diz para você revestir-se da verdade não pense na verdade em oposição à mentira. Mas, é a verdade que é Jesus. A verdade de Deus. A verdade maior de todas.

“Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida.” (João 14:6)

Essa verdade é que vai poder lhe dar forças contra satanás. Então, nós vamos analisar as peças dessa armadura nesta perspectiva. Que a armadura é o próprio Senhor Jesus e as bênçãos, virtudes e graças que Ele conquistou na cruz para nós. É o próprio Evangelho.

O que significa, então, tomar essa armadura? Isto é muito interessante! Se você achar que verdade, justiça, estas coisas que estão descritas aqui como peças da armadura são qualidades éticas, significa que você terá que desenvolvê-las todos os dias. Mas, se você pensar nelas como o que Cristo já lhe deu na cruz do calvário, então teremos diante de nós o seguinte quadro: tudo isto já é nosso desde a conversão. O que temos de fazer é tomar posse. É nos apropriarmos disso! Tomar a armadura de Deus!

A verdade já foi dada. Se você é crente em Jesus Cristo, você é crente porque creu na verdade. Só que você tem que se apoderar disso todo dia. Todo dia você tem que tomar posse disso em oração. Você vai ver que lá no fim, no verso 18, Paulo fecha a armadura dizendo que você tome essa armadura em oração. A oração é a maneira como você veste essa armadura diariamente. É assim que ela nos vem. Usando a linguagem paulina de Romanos 6, ela nos foi dada em Cristo Jesus e diariamente você tem que se considerar aquilo que você é em Cristo Jesus. Ou, falando na linguagem evangélica moderna, você se apossa pela fé daquilo que Deus lhe diz que é seu em cristo Jesus.

“Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos.”
Paulo está seguindo Isaías 52:7: “Como são belos nos montes os pés daqueles que anunciam boas novas, que proclamam a paz, que trazem boas notícias, que proclamam salvação (...)”! É inspirado nisto que Paulo fala sobre as sandálias do evangelho da paz.

Paulo também se inspira em Isaias 59: 15-17 : “Não se acha a verdade em parte alguma, e quem evita o mal é vítima de saque. Olhou o Senhor e indignou-se com a falta de justiça. Ele viu que não havia ninguém, admirou-se porque ninguém intercedeu; então o seu braço lhe trouxe livramento e a sua justiça deu-lhe apoio. Usou a justiça como couraça, pôs na cabeça o capacete da salvação; vestiu-se de vingança e envolveu-se no zelo como numa capa.” Paulo só acrescenta escudo e espada. Porém, tudo o mais está no Antigo Testamento, no livro de Isaias.

. Verdade. Temos que nos cingir da verdade como se ela fosse um cinto. O cinto era a peça mais importante da armadura do soldado romano. Ele cobria toda a região do abdome e servia de apoio para o restante da armadura. Era onde ele amarrava a couraça, colocava a espada. Tudo era amarrado ou suportado pelo cinto. Então, não é de estranhar que Paulo comece dizendo que a verdade é o cinto da armadura. Ou seja, é daí que nós partimos. A verdade do evangelho que Deus revelou.

De que maneira isto nos protege contra Satanás? Ora, a arma maior do Diabo é o erro religioso. Uma vez que você conhece a verdade e se apoderou da verdade do evangelho em Cristo Jesus, então você está em condições de se defender das mentiras, das heresias, do erro religioso que é apresentado por satanás, de forma muito bonita, através de homens preparados para isso, porque você conhece a verdade. Ela é a porta de entrada: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:31) Então, a verdade é como um cinto. É logo a primeira coisa.

Como é que me aproprio da verdade? Como é que eu obedeço a essa ordem: ‘cingi-vos da verdade’? Significa que todo dia eu devo encher a minha mente com essa verdade. Todo dia devo meditar nesta verdade que é Cristo. Devo meditar nas grandes promessas do Evangelho. Devo crer nessas coisas. Devo diariamente deleitar-me nas verdades espirituais. Assim estarei sendo cingida com a verdade, que se torna o cinto que me proporciona proteção e suporte para outras armas espirituais.

. Couraça.   Vestindo-vos da couraça da justiça. Justiça aqui não é um atributo ético. Mas, a justiça de Deus pela fé em Cristo Jesus. É a justiça com a qual Deus justifica pecadores como eu e como você. É a justificação. Ela funciona como uma couraça, que era a proteção dos órgãos vitais dos soldados. Paulo aqui compara a justiça de Deus em Cristo Jesus ou a justificação a uma couraça. Esta comparação é muito perfeita porque uma vez que você foi justificado em Cristo Jesus diariamente você tem que se lembrar disso.

“A que conclusão, pois, chegamos diante desses fatos? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos concederá juntamente com Ele, gratuitamente, todas as demais coisas? Quem poderá trazer alguma acusação sobre os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica!”  (Romanos 8: 31 – 33)

É maravilhoso você se lembrar disso naquele dia em que chega um monte de acusação na sua mente: ‘você não presta’, ‘você fez de novo não é?’, ‘você não tem jeito’, ‘você não presta para nada’, ‘você é um desastre’, ‘você é um crente vagabundo’, ‘você fica fazendo esse tipo de coisa você acha que Deus vai aceitar você?’ Você certamente já passou por esses dias em que as trevas tomam conta da sua mente e a dúvida entra. Sabe qual a resposta para isso? A doutrina da justificação pela fé.

Através dela você pode dizer: ‘Está certo eu não presto. Eu não valho a comida que eu como, nem o ar que eu respiro. Eu sou um pecador miserável e fracassado. Isto é verdade. Um crente sem vergonha. Isto é verdade! Porém, Deus me aceita não mais com base nos meus méritos, mas pela justiça de Cristo, portanto, quem me condenará? Porque a minha justiça não é minha, mas é dAquele que é o Filho de Deus que na cruz Se entregou por mim, morrendo a minha morte. Ele que cumpriu de maneira perfeita a Lei de Deus. Ele que ofereceu um sacrifício perfeito pelos meus pecados. É assim que você se apodera da couraça como defesa contra as acusações de Satanás.

Quantas pessoas sofrem com culpa! Eu não estou falando que é uma coisa ruim. Estou falando da culpa errada. A culpa verdadeira é boa porque ela lhe leva ao arrependimento. Se você pecou é bom que se sinta culpado. Se você não se sentir culpado alguma coisa está errada, se você pecou. Crente é isso, é você não conseguir pecar sem sentir culpa. Faça esse teste.  Se você consegue pecar e não sente culpa, provavelmente não e crente. Porém, se você não consegue desfrutar o fruto do seu pecado porque sua consciência fica pesando é porque você está sentindo culpa, então você é crente. Acontece que há uma culpa que vai além do que é justo, que já vira acusação e que não vem do Espírito Santo. Pois, o Espírito Santo nos convence do pecado, da justiça e do juízo. (João 16:8)

Mas, Satanás quer nos levar a sentir derrotados, destruídos e sem perdão para nos desanimar. A resposta é você sempre lembrar que você é justificado com base nos méritos de Cristo. Isto funciona como uma couraça que lhe protege contra os ataques do diabo. Por isso, diariamente em oração você tem que dar graças a Deus pela obra redentora de Cristo Jesus.

. A paz do evangelho como um sapato. O calçado do soldado romano era uma semi bota entrelaçada com solado de couro duro que tinha como objetivo evitar os objetos pontiagudos que os inimigos jogavam no campo de batalha. A paz que o Evangelho produz funciona como preparação para o combate, como os sapatos que os soldados colocam antes de entrarem em um campo de batalha. O Evangelho é a boa noticia de que Deus nos amou e deu o Seu Filho para morrer pelos nossos pecados. É o Evangelho que nos reconcilia com Deus.  Pela fé em Jesus Cristo eu sou perdoado e agora estou em paz com Deus. Se você vai para a batalha contra satanás você precisa estar em paz com Deus. Precisa ter Deus ao seu lado. Que situação difícil a do homem sem Deus! O pecado é inimizade contra Deus e sem paz com Ele quem escapará da condenação eterna e da destruição? Como sem Cristo e sem Deus uma pessoa vai escapar? O ser humano precisa ter paz com Deus através do Evangelho que vai funcionar como as sandálias com as quais ele vai poder correr no campo de batalha e enfrentar o inimigo. Sem isso você estará perdido não somente porque não terá forças contra o diabo, mas também porque não estará em paz com Deus.

. A fé em Cristo como escudo. O escudo que Paulo se refere aqui é o escudo quadrado bastante conhecido nos filmes de Hollywood, nos quais assistimos as estratégias de defesa quando os soldados se aglomeram e usam os escudos semelhantes ao casco de uma tartaruga. Esse escudo quadrado tem no grego um nome que se assemelha a uma porta.

Esse escudo era feito de duas folhas de madeira, assim quando a flecha incendiária penetrava na primeira camada, encontrava a resistência da segunda e a chama era extinta. Ou então era um escudo feito com pele de animais molhada para enfrentar os dardos incendiários que eram uma arma terrível. O escudo tinha o objetivo de apagar as setas.

Paulo diz que a fé funciona como um escudo. Mas fé em que? Ou em quem? Fé em Cristo Jesus. Compreender isto faz grande diferença porque o problema não é ter fé, mas em quem se confia. As pessoas falam da fé como se a fé tivesse uma força inerente. Fé é o ato de você crer. É a capacidade de você confiar em alguma coisa. O que vai fazer a diferença não é o fato de você crê, mas naquilo que você crê.  Por exemplo, se você crê numa mentira você vai para o inferno mesmo tendo fé. Porque o que salva não é o fato de que você tem fé, mas naquilo em que você crê. Quem salva é Cristo! E se você tiver fé em Cristo você será salvo. Se você tiver fé nos santos ou nos ídolos, ou nos deuses pagãos ou em nada, você vai para o inferno, pois nenhuma dessas coisas salva. O que lhe salva é Jesus Cristo. Quando Paulo diz que a fé funciona como escudo, é a fé no Senhor Jesus Cristo.

Diariamente eu tenho que exercitar a minha fé. Paulo em Romanos 10 diz que a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus. Eu me revisto da fé quando todos os dias me relaciono com Deus através da oração e leitura da Palavra de Deus. A fé é como um músculo que tem que exercitar senão fica atrofiado. O que desperta a fé não são objetos de libertação como anunciam algumas igrejas, mas a Palavra de Deus. Fé que vai lhe dar ousadia, confiança.

. O capacete da salvação. Capacetes feitos de couro e peças de metal protegiam a cabeça, parte importante, pois se os soldados fossem feridos na cabeça seria fatal. O capacete representa a certeza da salvação em Cristo Jesus. Crente que está certo da sua salvação é ousado, está pronto para a batalha. Crente que não acredita em sua salvação é inseguro, covarde. Falta certeza em muita gente. É possível uma pessoa ser crente de verdade e não ter certeza.

Quais são as razões pelas quais um crente perde a certeza?

. A consciência ferida por algum pecado.

. Doutrina errada da perda da salvação. A base da certeza é a própria imutabilidade de Deus. Se Deus lhe deu a salvação e você cair em pecado, Ele vai lhe levantar, vai lhe atrair, vai lhe perdoar.

. Satanás e seus ataques a um crente de fé vacilante. Às vezes na mente do crente vem a opressão da dúvida e a incredulidade cresce em seu coração. E ele duvida a respeito da Bíblia e da existência de Deus. Crentes que não têm certeza da salvação se tornam instáveis, como que soldado vacilante no meio de uma batalha. E que podem trazer dificuldades para os outros que precisam avançar e precisam do apoio dele, do suporte dele. Mas, ele está lutando contra ele mesmo.

A certeza da salvação funciona como um capacete que protege a nossa mente, afinal é aqui que a batalha é travada. É aqui que os ataques de satanás acontecem.

. A espada do Espírito. É a Palavra de Deus. O soldado romano usava dois tipos de espada. Uma mais longa, que não era o caso dessa espada mencionada por Paulo, e a outra era mais curta e que os soldados usavam em suas batalhas corpo a corpo. Paulo está dizendo que quem usa essa palavra é o Espírito. Nas três tentações no deserto Jesus confrontou a mentira de satanás com a verdade que estava escrita na Palavra. Agora como você vai responder isto se você não conhece a Bíblia?

Jesus conhecia todas as citações que satanás estava empregando em seus ataques.

. Você está no transito e alguém lhe tranca e lhe xinga você responde: está escrito ... o quê?

. No trabalho você é assediado por uma mulher. Tentação: ‘teu casamento não vai bem, vocês já não tem relação há muito tempo, Deus conhece as sua necessidade.’ Você responde: está escrito ... o quê?

. Você está em seu trabalho e seu chefe lhe diz para assinar um recibo errado e desonesto, você responde: está escrito... o quê?

Sabe por que muito crente cai? Porque ele não sabe onde está escrito. Na hora da necessidade ele não tem argumento. Ele não lembra diante das questões práticas do dia a dia. A gente não diz que a Bíblia é lâmpada para os nossos pés? O martelo que despedaça a rocha? A espada de dois gumes? Mas como fica toda essa verdade nas situações práticas? O conhecimento da Palavra lhe ajudará a rebater as acusações, as tentações que virão no dia a dia.

Para concluir Paulo diz em Efésios 6:18 : ‘Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos.’ E em Efésios 6:13 : ‘Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de terem feito tudo.’

Todo tipo de oração e súplica envolve louvor, adoração, ações de graça, confissão, interseção. Orando sem cessar. É orando no trânsito, é orando no trabalho, na escola, na igreja, numa comunhão constante com Deus. Existe uma sutil diferença entre momento de oração e espírito de oração.  O crente em Jesus conversa com Deus o tempo todo. Está no whatsapp com Deus. Orar com toda perseverança. Orar pelos santos, santos não no sentido absoluto, mas no entendimento de que estão separados em relacionamento com Deus. Orar pelos irmãos em suas batalhas.

‘Orem também por mim, para que, quando eu falar, seja-me dada a mensagem a fim de que, destemidamente, torne conhecido o mistério do evangelho, pelo qual sou embaixador preso em correntes. Orem para que, permanecendo nele, eu fale com coragem, como me cumpre fazer.’

Paulo não pede interseção para sair da prisão, mas para que Deus o fortaleça para que ele cumpra sua missão com autoridade e intrepidez para que o mistério do Evangelho fosse manifesto ali naquela prisão. Hoje em dia somos estimulados a orar pedindo libertação dos nossos problemas. Paulo pede coragem para anunciar o Evangelho. Ele pede para que Deus lhe dê graça para que ele seja cristão onde ele está: na prisão. Isto é uma orientação para nós. Onde ele me colocou. No meu casamento, no meu trabalho.

Há uma batalha espiritual acontecendo ao seu redor e devemos acordar para essa realidade. Ela se concentra na conquista da mente e não propriamente nas questões materiais, como prosperidade, doença.  A maior arma do diabo é a mentira, é a corrupção da verdade. É distorcer a verdade para levar você para longe de Deus. Em Cristo Jesus já estamos numa posição de vitória. E enquanto esperamos a chegada do dia de Cristo e com Ele aguardamos novos céus, o juízo final e a nova terra, diariamente devemos tomar a armadura de Deus em oração.  Isto significa dedicar tempo em relacionar-se com Deus através da Sua Palavra, da oração, da fé em Jesus, da preocupação com as coisas espirituais. Isto nos ajudará a não ficarmos vulneráveis.

E eu encorajo você a viver essa experiência e ser mais forte e vitorioso em Cristo.

Rev. Augustus Nicodemus

______

1- o que significa o juízo do inferno e o estado da morte:

Muitos que dizem que após a morte de um perdido, existe um período de purgação ou expiação dos pecados, e que posteriormente, após um período determinado, o condenado poderá se sair, entrando na presença de Deus.  Crer nisso consiste em um erro grave. É mentira!

Outros, dizem que se um perdido morrer, ele vai para o Inferno, e ficará lá para sempre.  Crer nisso também em um erro grave. É mentira!

Indico a leitura de:




. Em diferentes tempos e lugares, a morte e o que dela resulta têm sido explicados de diversas maneiras. No entanto, o único lugar em que encontramos resposta clara para o problema da morte é nas Escrituras. Na verdade, até mesmo aqueles que conhecem a Bíblia muitas vezes confundem o que ela diz sobre esse tema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

3º Dia: Por que as coisas pioram quando mais buscamos a Deus?

Revelação e Explicação do Sonho de Nabucodonosor - Capítulo 2