José Bates Invade o Sul

CPB – Aqui você encontra mais livros sobre a história do Adventismo

“O meu Deus enviou o seu anjo e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem mal algum. Porque fui considerado inocente diante dele. E também não cometi nenhum delito contra o senhor, ó rei.” Daniel 6:: 22

O milerismo não era bem-vindo no sul dos Estados Unidos, uma vez que a maioria dos líderes do movimento milerita era abolicionista. Todavia, convites para o envio de pregadores continuavam a chegar. Na reunião geral dos mileritas, em maio de 1843, foi decidido não enviar oradores para os estados escravocratas por causa do perigo e das dificuldades.

Entretanto, no início de 1844, José Bates sentiu a convicção de que Deus o chamava a ministrar tanto para escravos quanto para seus proprietários. Depois de experimentar um sucesso modesto em Maryland, o intrépido missionário foi desafiado e denunciado por um líder metodista leigo que atacou a “doutrina do advento com violência”. Em meio ao ataque, o homem “começou a falar em nos tirar [da cidade], despachando-nos de trem”.

Bates replicou: “Não pense que percorremos quase mil quilômetros passando por gelo e neve, às próprias custas, para lhes anunciar o clamor da meia-noite sem antes parar e analisar o preço a ser pago. Caso o Senhor não tenha nenhuma outra obra para nós, repousaremos [alegremente] no fundo da baía de Chesapeake ou em qualquer outro lugar até que Ele venha. Mas se Deus tiver mais trabalho para realizarmos, você será incapaz de nos encostar um dedo!”

Em outra ocasião, durante a mesma viagem, um juiz sulista abordou Bates, dizendo que havia pensado que ele era um abolicionista que havia chegado para “levar nossos escravos embora”.

“Sim, senhor juiz”, respondeu Bates. “Sou abolicionista, vim levar seus escravos embora e vocês também!”

Bates sentia-se especialmente satisfeito em poder dar a mensagem aos escravos. Às vezes, ele até preferia ir andando de um compromisso para o outro, a fim de poder conversar com os escravos longe dos ouvidos dos brancos. Ele relatou: “Os pobres escravos festejavam” diante da mensagem do advento, “sobretudo quando descobriam que o Jubileu estava tão próximo. Eles pareciam sorver a mensagem como bois bebendo água e, pelas coisas que ouvi, creio que muitos deles estarão prontos quando Jesus voltar.”

Deus nunca disse que o caminho de nossa vida seria fácil. No entanto, prometeu que, se formos fiéis a Seus desígnios, Ele nos abençoará e será conosco.

Nós, cristãos, podemos louvar a Deus por todas as Suas bênçãos a cada dia.

Você pode ver aqui os outros dias dessa meditação

Tags , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *